Mato Grosso lidera número de ocorrências de crimes eleitorais na Amazônia

O Estado do Mato Grosso lidera o número de ocorrências de crimes eleitorais na Amazônia. Desde o início da votação até o fim da manhã deste domingo (2) foram 76 registros, segundo relatório do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A assessoria de imprensa do Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso (TRE-MT) não divulgou detalhes sobre os crimes. AmazonasPará, Acre e Roraima também tiveram ocorrências. Os outros cinco estados da região não registraram ocorrências até o momento.

Ainda em relação ao Mato Grosso, treze destas ocorrências envolvem candidatos, dos quais sete foram presos. Doze não candidatos também foram presos. No Pará, foram 39 ocorrências, onde três candidatos a vereador foram detidos em Belém por boca de urna. Um deles estava distribuindo santinhos em via pública.No Acre, em Rio Branco, não houve ocorrências com prisão até o momento. Três pessoas foram autuadas por boca de urna, uma por propaganda irregular, uma por transporte ilegal e duas por compra de votos. No interior, em Senador Guiomard, uma pessoa foi presa, mas a assessoria do TRE-AC não deu detalhes sobre a ocorrência.

No Amazonas, foram 16 ocorrências de crimes eleitorais, entre as quais, a apreensão de mais de R$ 140 mil. Seis prisões ocorreram em Manaus e os envolvidos foram encaminhadas ao Ministério Público Federal (MPF-AM) por serem consideradas de maior gravidade, como compra de votos. Os demais foram encaminhados à Polícia Civil.

Outras ocorrências

De acordo com dados do TSE, em toda a Amazônia Legal foram substituídas 192 urnas eleitorais devido mau uso ou mau funcionamento. Rondônia foi o Estado com maior número de urnas substituídas, com o total de 38 substituições. Um dos casos mais curiosos aconteceu em São José do Ribamar, na Região Metropolitana de São Luís, no Maranhão, onde uma pessoa ateou fogo a uma urna eleitoral. Segundo o TRE-MA o suspeito foi levado pela Polícia Federal.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Nova espécie de peixe única no mundo é descoberta na Amazônia peruana

O IIAP, em coordenação com as autoridades peruanas, implementa medidas de controle para garantir sua conservação efetiva.

Leia também

Publicidade