Curto-circuito em transformador pode ter causado apagão no Amapá

O incêndio do dia 3 de novembro destruiu o transformador que levava luz à maior parte da população do Amapá.  

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) divulgou nesta segunda-feira (7) as possíveis causas do apagão que ocorreu no Amapá em novembro.

O incêndio do dia 3 de novembro destruiu o transformador que levava luz à maior parte da população do Amapá. (Foto:Reprodução/Rede Amazônica)

Segundo o órgão, o apagão teve origem em um curto-circuito de um transformador que pode ter sido causado por uma falha interna do equipamento ou pelo isolamento inadequado na subestação.

O diretor geral do ONS, Luiz Carlos Ciocchi, afirma que a empresa LMTE – que faz a distribuição de energia no estado -é a responsável pelas falhas dos equipamentos.

As causas dos danos nos transformadores ainda serão apresentadas pela LMTE ao ONS em fevereiro e março de 2021.

O Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que o uso de termelétricas, autorizado no final de novembro pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aumentou a capacidade de abastecimento no Amapá.

O Ministério de Minas e Energia afirmou que, para evitar outros problemas como esse no estado, será preciso construir uma segunda subestação em Macapá, além de mais uma linha de transmissão que liga a subestação às usinas de geração de energia. Os estudos para licitação desses equipamentos devem ser finalizados no ano que vem.

Um transformador está sendo deslocado de Roraima para o Amapá e deve ser instalado ainda este mês. O ministério também informou que dois dos três transformadores da subestação existentes em Macapá serão substituídos ainda em 2021.

Durante 22 dias, 95% do estado foi afetado pelo apagão devido ao incêndio na subestação de energia. A subestação funcionava com apenas 2 dos 3 transformadores desde dezembro de 2019.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

TCE emite alerta aos 62 municípios amazonenses para combate às queimadas e estiagem

O alerta se baseia na maior seca já registrada na história do Amazonas em 2023, que levou ao desabastecimento e o isolamento de comunidades ribeirinhas.

Leia também

Publicidade