Confusão marca audiência pública sobre aumento da tarifa de ônibus em Manaus

Manifestantes que tentavam assistir a uma audiência pública sobre o aumento da tarifa de ônibus e seguranças da Câmara Municipal de Manaus (CMM) entraram em confronto na manhã desta sexta-feira (24). A confusão iniciou quando estudantes e representantes de partidos políticos rasgaram cartazes de apoio ao prefeito Artur Neto (PSDB). Eles foram impedidos de entrar no prédio. Por meio de nota, a presidência da CMM negou que os seguranças da Casa tivessem agredido alguém.

Manifestantes tentaram entrar na Câmara Municipal. Foto: Walter Corrêa 
Os manifestantes chegaram a invadir o plenário Adriano Jorge, na CMM, mas foram expulsos por seguranças e pela Guarda Municipal, que usou da força e spray de pimenta para contê-los. Após quase 40 minutos de confusão, as portas das galerias da Câmara foram abertas para a população.

“A presidência da Câmara Municipal de Manaus esclarece que os seguranças da Casa não agrediram estudantes e representantes de movimentos sociais que, na manhã desta sexta-feira (24), participaram da Audiência Pública sobre o Transporte Coletivo. O impasse ocorrido nas dependências do Plenário, antes do início da audiência, deu-se porque os estudantes tentaram entrar na CMM de forma desordeira, chegando até mesmo a quebrar uma das portas de vidro que dão acesso ao Plenário, quando tiveram de ser contidos.”, diz a nota da Diretoria de Comunicação da CMM.”Na área externa, o desentendimento aconteceu entre os próprios estudantes e representantes de movimentos sociais. Neste episódio, os seguranças da CMM somente acompanharam parlamentares que se encontravam na escadaria e tentavam apaziguar os ânimos dos manifestantes”, completa o texto.

A audiência que visa debater o aumento da tarifa dos ônibus para R$ 3,80 conta com a participação do Ministério Público, Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) e do Sindicato dos Rodoviários.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: qual a função de uma ‘área de preservação permanente’?

As APP são consideradas um instrumento essencial à política de preservação ambiental.

Leia também

Publicidade