Tenente-coronel é primeira mulher na história da PM-RR a comandar o policiamento de Boa Vista 

A tenente-coronel Cyntya Loureto agora comanda 866 policiais militares de oito unidades operacionais da PM, incluindo Bope. 

Pela primeira vez desde a criação da Polícia Militar de Roraima, em 1975, uma policial mulher vai comandar todo o policiamento ostensivo de Boa Vista. O feito inédito em quase 50 anos de história da corporação foi alcançado no dia 16 de maio pela tenente-coronel Cyntya Loureto, que agora chefia o Comando de Policiamento da Capital (CPC).

Em linha hierárquica, acima do CPC está apenas o comando-geral da PM, que tem como comandantes o coronel Miramilton Goiano e a subcomandante coronel Valdeane Alves, que é outra pioneira na PM do estado.

A posse de Cyntya ocorreu um dia depois de que o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou uma lei estadual que limitava a participação de mulheres na Polícia Militar e no Corpo de Bombeiros de Roraima – com isso, o direito é igual para todas e todos.

Tenente-coronel Cyntya Loureto – comandante da PM coronel Miramilton. Foto: Divulgação – Secom.

Agora, está sob o comando direto de Cyntya a atuação de 866 policiais militares de oito unidades operacionais da PM, incluindo o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). Juntos, eles são responsáveis pela segurança dos mais de 413 mil moradores de Boa Vista.

“É com grande honra e humildade que assumo o papel de primeira comandante do Comando de policiamento da capital. Este momento histórico não é apenas uma conquista pessoal, mas representa um passo significativo em direção à igualdade de gênero e à diversidade em nossas forças policiais”, destacou.

Atualmente, a corporação conta com um efetivo de 2.512 policiais, sendo 523 mulheres – ou seja são apenas 20,82% da instituição. Do total, 83 delas ocupam cargos oficiais – assim como Cyntya, enquanto que 326 homens estão nesses postos.

Ao assumir a função, ela frisou que trata-se de uma oportunidade única na carreira, mas também um desafio que ela encara com dedicação e a certeza de que isso também serve de inspiração para que outras mulheres policiais da PM também assumam papeis de destaque.

“Estar no comando do CPC com certeza abre portas de aspirações de muitas policiais que visam alcançar o reconhecimento profissional e assumir funções de destaque na corporação. Receber uma missão como essas é um grande orgulho pra mim e acredito que pra todas as mulheres. Vou me dedicar ao máximo pra que sejamos bem representadas”.

Comando de Policiamento da Capital responsável pela segurança de Boa Vista. Foto: Divulgação-Secom.

Cabe à comandante-geral do CPC a garantia e preservação da ordem pública na capital. Dentro da estrutura da função, está a responsabilidade de comandar as seguintes unidades operacionais, incluindo policiais considerados de elite do Bope:

  • 1º e 2º Batalhão
  • Companhia Independente de Policiamento de Guarda
  • 1° Esquadrão Independente de Polícia Montada (Cavalaria)
  • Grupamento de Intervenção Rápida Ostensiva (Giro)
  • Companhia Independente de Policiamento Ambiental (Cipa)
  • Companhia Independente de Policiamento de Trânsito Urbano e Rodoviário (Ciptur)

“Entrei como soldado da Polícia Militar em 2007. Mas sempre temos a expectativa de galgar funções de maior responsabilidade, mais complexas, e trabalhamos muito para isso. É uma oportunidade que não deixa de ser um desafio. Sou a primeira mulher a assumir essa missão e vou dar continuidade à política de proximidade que a PM já trabalha, enfatizar as ocorrências que têm mais necessidade de atendimento e manter o atendimento de excelência”, declarou a nova comandante da capital.

Cyntya ingressou na PM como soldado, há 17 anos. Depois, passou no concurso público para oficial, quando se tornou tenente em 2009 e se tornou bacharel em Segurança Pública e Cidadania.

Na trajetória na corporação, ela desempenhou ao menos 10 funções de destaque, como comandante do 3º pelotão da 2ª Companhia do 1º Batalhão da PM, subcomandante da extinta Companhia Independente de Policiamento Comunitário (de 2016 a 2018), foi subcorregedora-geral. Antes de se tornar comandante do CPC ela exercia a função de diretora de ensino e pesquisa.

A tenente-coronel substituiu o também tenente-coronel Marcelo Barbosa, que ocupava o cargo desde fevereiro de 2023. No início de abril, ele capotou uma caminhonete oficial da Polícia Militar, onde estava com os dois filhos, de 6 e 14 anos.

A mudança no CPC, conforme o comandante-geral ocorreu por rotina e questões estratégicas. Os comandantes passam por uma análise de perfil, e a tenente-coronel Cyntya teve um trabalho destacado.

“Agradeço a passagem do tenente-coronel Rocha enquanto esteve no comando e desejo boa sorte à nova comandante, que é uma pessoa leal, amiga, capaz e excelente técnica. O protagonismo da mulher na Polícia Militar começou há 25 anos quando lançaram o primeiro concurso, e a consequência é hoje elas assumirem esses postos de comando, assim como ocorreu com a nossa subcomandante-geral, Valdeane Alves”, disse o coronel Miralmilton.

A Polícia Militar de Roraima foi criada em 26 de novembro de 1975 — há 49 anos, mas apenas em 2020 uma mulher chegou à patente de coronel, e em 2022 na função de função de subcomandante-geral da corporação, segundo cargo mais importante da instituição.

*Com informações de g1 Roraima

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Entenda qual a função de um consulado e quais estão presentes nas capitais da Região Norte  

Os serviços prestados por um consulado são essenciais na diplomacia internacional, pois fornecem assistência e proteção aos cidadãos de um país em território estrangeiro.

Leia também

Publicidade