Manaus 30º • Nublado
Domingo, 21 Abril 2024

O ouro de sangue da Amazônia em rede mundial

Buenas, bela Manaus! Das bandas do Rio Madeira em terras amazônidas entre um açaí e um jaraqui para o mundo é hora da nossa coluna Bora Refletir.
Tenho assistido repetidas vezes o filme "Diamante de sangue", seu enredo sobre o contrabando ilegal de diamantes e a manutenção das guerras civis pelo continente africano sempre me desperta reflexão e tristeza. E cada vez que assisto o desalento é profundo. Vamos refletir juntos a ligação dos "diamantes de sangue" africano e o "ouro de sangue" da nossa Amazônia.

África e Ásia durante o final do século XIX e no auge da segunda Revolução Industrial foi um movimento justificado pelos europeus como uma necessidade civilizatória. Dessa forma esses dois continentes foram fatiados como uma pizza, e alguns países se alimentaram deles até o século XX. Com destaque para Inglaterra, Alemanha, França e até a pequena Bélgica que cabe no estado do Espírito Santo. Contudo sua crueldade com o seu "pedaço" da África conhecido naquela época como Congo Belga é digno de filme de terror. Abusando da escravidão, mutilação e literalmente surrupiada a riqueza daquele país sem precedentes históricos.

E sempre com a alegação de ser um processo de civilização superior a uma civilização inferior. Mas, verdadeiramente ideológica e de expansão imperialista e nada mais. Afinal, o capitalismo necessitava de matéria–prima para sua expansão e mão-de-obra barata para seus mercados, com as bênçãos das religiões, principalmente sem organização sindical e a consciência de cidadania caracterizada por direitos e deveres baseados em um Estado constituído democraticamente.

Foto: Pexels/Pixabay

No século XX o processo de retirada desses países, principalmente na África, provocou o caos social com vários grupos disputando o poder e normalmente financiados pelas potencias europeias. Dessa forma escondiam sua ação e domínio em suas antigas colônias.

No século XXI, após três séculos de supremacia da Revolução Industrial e do capitalismo vivemos um novo caos, o do aquecimento global. E o planeta que tem aproximadamente 4,5 bilhões de anos segundo os cientistas, contrariando "terraplanistas" e "pastores fundamentalistas", não está dando conta da devastação dessa supremacia. Estamos cada dia mais perto de um mundo apocalítico, pela insanidade do "bicho homem" e de sua ganancia desenfreada.

E você já deve estar perguntando, onde entra o "ouro de sangue", bom ele está no seu celular, nos computadores, na web e redes sociais. Pois, tudo utiliza filamentos de ouro em sua fabricação. Segundo uma reportagem de 2022 do Brasil Repórter (uma agência independente e premiada de jornalismo investigativo) de Daniel Camargos, em 2019, de todo ouro que circulou no E.U.A. 37% vinha do ouro de sangue ligado a aparelhos eletrônicos. Numa conexão entre garimpo ilegal com as Big Techs, com esse ouro sendo usado nos celulares, notebook e superservidores que comandam o emaranhado das redes da internet pela exploração de terras indígenas Yanomami, Munduruku e Kayapó. 

Lembrando que o garimpo ilegal afeta toda a floresta amazônica e depois a única coisa que sobra e devastação total, com o meio ambiente praticamente destruído e os rios contaminados de mercúrio por séculos.

Em fevereiro de 2023, os repórteres César Tralli e Marcus Passo da G1 Pará e TV Globo, publicaram uma reportagem sobre o caminho do ouro de sangue e a ilegalidade. Que culminou com a excelente reportagem sobre uma operação da Polícia Federal desmontando todo o esquema criminoso responsável pelo contrabando de um pouco mais de 13 toneladas de ouro com seu auge no período de 2020 a 2022. Segue link da reportagem para uma leitura mais apurada.

Lembrando que o garimpo ilegal afeta toda a floresta amazônica e todo o equilíbrio do planeta. E sua única herança é a devastação total do meio ambiente e dos rios contaminados por séculos pelo mercúrio. Assim, devemos refletir se queremos que a Amazônia vire um grande canteiro de terra arrasada, rios envenenados, estupros, prostituição, criminalidade e mortes ou lutaremos pela sobrevivência da floresta com novos arranjos produtivos sustentáveis e que trazem a paz, prosperidade e riqueza social.

A escolha está em nossas mãos se continuaremos a ser uma colônia no século XXI, deixando extraírem nossas riquezas, desde a invasão portuguesa. Ou assumimos de fato nosso potencial e protagonismo como o país do futuro investindo na preservação da floresta sustentável e na educação que produzem tecnologia e desenvolvimento social. Bora refletir!

Sobre o autor

Walace Soares de Oliveira é cientista social pela UEL/PR, mestre em educação pela UEL/PR e doutor em ciência da informação pela USP/SP, professor de sociologia do Instituto Federal de Rondônia (IFRO).

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista 

Veja mais notícias sobre Bora Refletir.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 22 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/