Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sábado, 12 Junho 2021

Você conhece o peixe mais temido da Amazônia?

A Amazônia é muito conhecida por suas estórias populares, causos e mitos. Que vão desde a existência da cobra-grande, a sucuri dos rios da Amazônia, passando pelo boto cor-de-rosa até o candiru, que é um peixe minúsculo que pode entrar na uretra ou reto, durante o urinar ou defecar da pessoa na água. Mas felizmente, até hoje, poucos casos foram registrados.

Sobre essas "lendas", conversamos com o professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e especialista em ecologia dos peixes amazônicos, Edinbergh Caldas de Oliveira.

Foto: Thesupermat/Wikimedia Commons

Segundo ele, "o candiru vem de uma família que tem muitas espécies. Mais de 280 espécies em cerca de 40 gêneros, muitos conhecidos como parasitas, e medem de 5 a 12 centímetros".

Sobre esses acidentes com o peixe minúsculo, ele garante que eles são bem raros. 

"Em um levantamento que nós fizemos de 1990 a 2010, foram encontrados só 2 casos que passaram por atendimento cirúrgico. Um caso entrou realmente na uretra de uma pessoa que entrou sem roupa na água e a pessoa estava provalmente alcoolizada. O outro caso foi de uma garota de 14 anos, que mestruou provavelmente no rio e o sangue os atrai também, e ela acabou tendo de retirar os ovários"

conta Edinbergh, que explica ainda a diferença entre os dois tipos desse peixe que ataca.

No papo, o professor ensina mais como se prevenir. "Para serem evitados esses acidentes, a pessoa tem que estar, no mínimo, usando roupas adequadas de banho. Se você entra sem roupa, você facilita. Também é bom evitar nadar no rio se tiver alguma ferida, por menor que seja, ou em áreas que despejem alguma comida, porque atrai os parasitas", orienta.

 Candiru e candiru-açu

Embora façam parte da mesma família, Trichomycteridae, da ordem dos Suliformes, e frequentemente sejam confundidas, Edinbergh explica que as duas espécies de candiru tem características distintas.

O candiru (Vandellia cirrhosaé muito pequeno, é um peixinho parasita que mede até 10 centímetros, hematófago e costuma se alocar nas guelras de peixes maiores. 

Já o candiru-açu (Catopsis caecutiens) é maior, podendo chegar a até 40 centímetros, e se alimenta, principalmente, de peixes mortos.

Veja mais notícias sobre AmazôniaSustentabilidade.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 12 Junho 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/