Manaus 30º • Nublado
Terça, 28 Setembro 2021

Nova espécie de sapo é encontrada no Sul da Amazônia, o Sapo Korekore

Captura-de-Tela-2021-09-13-as-18.24.42

Pesquisadores do Mapinguari em parceria com a UFMS e a UFPB descobriram e catalogaram uma nova espécie de sapo, o sapo-de-chifre-dos-munduruku ou sapo-korekore. Seu nome é uma homenagem aos indígenas munduruku e korekore que significa sapo ou rã no idioma da etnia.

O Proceratophrys korekore pode ser encontrado no sul da Amazônia, na região do Rio Teles Pires, em uma divisa entre os estados do Mato Grosso e do Pará, nos municípios de Jacareacanga (PA) e Paranaíta (MT).

O Portal Amazônia entrevistou o coordenador da pesquisa, Diego Santana, que explica um pouco mais sobre a nova espécie.

"Ele é uma espécie que pertence a um grupo de anfíbios que tem tipo uns chifrezinhos que na verdade a gente chama de apêndice palpebral, que são os famosos sapos de chifre, mas esse bicho, especificamente, ele não tem. Então, ele, uma das causa característica é que ele não tem esse apêndice na pálpebra." Comenta.

Foto: Leandro Alves da Silva

 Outra característica interessante é a sua capacidade de se camuflar com facilidade, se juntando ao chamado folhiço da mata. Ele vive em pequenos riachos ou perto de Lagoinhas, mas principalmente em dentro de mata onde ele se reproduz.

Além disso, o sapo tem tamanho médio, de 4 a 5 centímetros, com aparência de rugas e verrugas no seu corpo e sua coloração lembrando um folhiço.

"Ele vive basicamente habitando as florestas ombrófilas, onde chove bastante e florestas bem densas. Nos dois lados do rio Teles Pires, ele basicamente é um bicho noturno assim como a maioria dos anfíbios e ele coaxa em cima do folhiço Então os machos vocalizam para atrair as fêmeas." explica.

Foto: Leandro Alves da Silva

Por conta da sua localidade, existe uma preocupação maior em relação a vida do pequeno sapo, já que a região do rio Teles Pires, está no arco do desmatamento da Amazônia.

"As hidrelétricas estão alagando a região onde esse bicho vive. Então ele deixa de existir, ele é extinto nesse local e tem muito garimpo naquela região ali também. Sem falar que a região do Teles Pires está no arco do desmatamento da Amazônia. Então, ele é um bicho de floresta. Acabou a floresta, acabou a espécie também." alerta o pesquisador.

Infelizmente, a espécie se encontra em extinção por conta da extração ilegal de madeira e o desmatamento ocorre para o pastoreio de gado. Além disso, a mineração ilegal de ouro dentro das florestas, ou seja, os garimpos, foram observados durante a pesquisa. O Rio Teles Pires também foi represado por múltiplas usinas hidrelétricas, o que causou consideráveis perdas de habitat natural e fragmentação.

Veja mais notícias sobre Amazônia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 28 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/