Manaus 30º • Nublado
Sexta, 30 Setembro 2022

Estudo da Nasa descobre como avaliar a saúde da Amazônia através de sons

Estudo da Nasa descobre como avaliar a saúde da Amazônia através de sons

Cientistas do Centro de Voos Espaciais Goddard, da Nasa, e da Universidade de Maryland, ambos nos Estados Unidos, analisaram a acústica da Amazônia e descobriram que a paisagem sonora pode ser um ótimo indicador da saúde do bioma.

Liderado por Danielle Rappaport, estudante de doutorado na Universidade de Maryland, juntamente com a sua equipe combinaram dados acústicos coletados com diferentes métodos. Os resultados apontam que o ecossistema da Floresta Amazônica sofre com as atividades humanas.

Em florestas que foram queimadas várias vezes, as gravações de ruídos de animais foram mais silenciosas do que em locais de floresta intacta, deixando lacunas na paisagem sonora e indicando que as espécies que estavam presentes antes haviam desaparecido. À medida que Rappaport se aventurava nessas partes da floresta tropical previamente queimadas para colocar os gravadores para as medições científicas, ela disse que podia sentir as diferenças.

Foto: Goddard Space Flight Center da NASA

De acordo com o estudo, em áreas que foram queimadas várias vezes, as gravações de ruídos de animais foram mais silenciosas do que em locais de floresta intacta. Com isso, a paisagem sonora ficou incompleta, indicando que as espécies que estavam presentes antes haviam desaparecido.

"É mais um passo para entender a comunidade sonora sem precisar saber quais espécies individuais estão lá, porque estamos começando a ouvi-las de maneiras que nos ajudam a conectar a produção coordenada de som, mesmo que não saibamos quem está fazendo o ruído", 

disse Doug Morton, cientista da Terra na NASA Goddard e Ph.D. da Rappaport. orientador.

Em vez de escolher horários específicos do dia para atingir assinaturas acústicas de espécies conhecidas, Rappaport e sua equipe optaram por colocar e deixar gravadores em florestas degradadas por longos períodos para reunir um repertório de som mais completo e abrangente. Quando analisadas em conjunto, essas gravações revelaram impressões digitais ecológicas únicas, ou paisagens sonoras. Espécies de sapos, insetos, pássaros e primatas ocupam cada um espaço de som de maneiras diferentes – maneiras que permitem que a biodiversidade e os sistemas ecológicos sejam analisados sem a presença física dos cientistas.

Sua equipe desenvolveu uma nova maneira de analisar a saúde da floresta através de paisagens sonoras com uma abordagem de teoria de rede. Usando a paisagem sonora digital, a equipe de Rappaport pôde entender a relação entre o nível de impactos e a comunidade de espécies – o caráter e a qualidade dos instrumentos tocados – sem exigir que todas as espécies fossem identificadas.

Para saber onde colocar os gravadores e como interpretar a diversidade de paisagens sonoras exigia dados adicionais de medições do lidar feitas entre 2013 e 2016 e os últimos 33 anos de registros de satélite Landsat.

Com a ajuda do programa Landsat, os cientistas criaram uma linha do tempo da cobertura florestal da Amazônia nas últimas três décadas e usaram o histórico de degradação florestal para determinar onde colocar os registradores. Com esses dados, a equipe coletou sons de locais com níveis variados de fogo e atividade madeireira.

Foto: NASA's Goddard Space Flight Center

As medições do Lidar explicam a diversidade de paisagens sonoras, fornecendo uma representação tridimensional do dossel da floresta. Aviões sobrevoaram as áreas florestais , coletando dados de altura das árvores que ajudaram a determinar as camadas da floresta entre o dossel e o solo.

Esses três conjuntos de dados quantitativos em camadas ajudaram Rappaport e sua equipe a entender melhor a estrutura do ecossistema das florestas amazônicas impactadas pela atividade humana.

Eles descobriram que as florestas queimadas repetidamente tinham menos biodiversidade do que as florestas que foram derrubadas uma vez. Por exemplo, com cada incêndio florestal adicional, a paisagem sonora fica mais silenciosa. Após o corte, a paisagem sonora da floresta sugeriu uma capacidade de recuperação da diversidade animal.

Rappaport e sua equipe esperam que essa nova técnica abra uma nova compreensão da biodiversidade florestal ameaçada por incêndios e extração de madeira, e sobre a relação entre biodiversidade e carbono armazenado nas florestas amazônicas ao longo do tempo. As paisagens sonoras fornecem um meio relativamente econômico e rápido de estimar os níveis de biodiversidade em ambientes tropicais complexos e geralmente ricos em espécies.

 Confira o vídeo:

Veja mais notícias sobre AmazôniaMeio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 30 Setembro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/