Amazônia Que eu Quero: Educação, Turismo e Conectividade são temas de debate em ‘Plano B’ realizado em Boa Vista (RR). Confira como foi o evento:

Evento de estreia reuniu mais de 200 pessoas no auditório da Faculdade Cathedral e especialistas nas áreas de educação, turismo e conectividade

Manaus (AM)- Nesta quinta (10) a Fundação Rede Amazônica (FRAM), por meio do programa Amazônia Que Eu Quero realizou a primeira edição do ‘Plano B’ em Boa Vista (RR), extremo norte do país, com o objetivo de discutir os temas: educação, turismo e conectividade.

O evento ocorreu no auditório da Faculdade Cathedral, e contou com a participação dos convidados: Emerson Baú (Superintendente do Sebrae de Roraima); Augusto Cesar Cardoso (Gerente da Anatel de Roraima) e o diretor do departamento de Turismo do Governo do Estado de Roraima, Bruno Brito.

Ao longo de duas horas, os convidados tiveram a oportunidade de apresentar seus pontos de vista sobre os temas, propostos pela coordenação, conforme especialidade, e também conversar entre si sobre alternativas sustentáveis para o desenvolvimento da Amazônia.

Emerson Baú, superintendente do Sebrae de Roraima, abriu o evento ressaltando a importância da educação empreendedora e como o Sebrae atua para fortalecer essa cultura no estado.

Ao longo do evento, Bruno Brito, diretor do departamento de turismo, também teve a oportunidade de apresentar os projetos que estão sendo executados pelo Governo de Roraima, em relação ao etnoturismo em comunidades indígenas do estado. O projeto é reconhecido nacionalmente e tem colhido ótimos frutos e resultados, além de atuar diretamente para o fomento da cadeia de turismo na região.

 O gerente da Anatel, Augusto César, comentou sobre o panorama de conectividade no estado de Roraima e também fez questão de agradecer a toda equipe do Amazônia Que Eu Quero por proporcionar um evento tão relevante para a população e para o diálogo entre os próprios convidados:

“Fiquei muito feliz de participar desse evento da Fundação Rede Amazônica, porque ele promove a integração entre os órgãos e contribui para disseminação de informações importantes para o debate e a concepção de políticas públicas essenciais para a gestão pública. Vida longa ao projeto! Que venham muitos outros novos eventos e atividades.” Declara Augusto Cesar, Gerente da Anatel de Roraima.

A Coordenadora do Amazônia Que eu Quero, Debora Holanda, também esteve presente em Boa Vista para mediar o evento. Ela nos conta que o evento foi um verdadeiro sucesso e que ficou muito feliz, não só devido ao nível de discussão dos convidados como também pelo engajamento e participação do público:

“Com toda certeza, o plano B em Boa Vista superou todas as nossas expectativas. Tanto do aspecto estrutural, quanto de conteúdo e de participação do público, que reuniu desde estudantes até gestores públicos e outras autoridades, que compareceram em peso e contribuíram muito para o sucesso do evento. Esperamos voltar mais e muitas vezes para fortalecer essa trica e esse debate para a proteção e desenvolvimento da Amazônia”. Afirma Debora Holanda.

Sobre o Amazônia Que Eu Quero’

A educação política é o primeiro passo para a politização e conscientização. Isso vai muito além de saber sobre siglas e partidos, tem a ver com a capacidade de conhecer a constituição brasileira, os nossos direitos e deveres, e cobrar decisões que afetam direta ou indiretamente, a nossa vida em comunidade ou o funcionamento da sociedade. Afinal, o pleno exercício da cidadania se relaciona com o gozo de direitos civis, políticos e sociais e com a capacidade do cidadão de participar da vida pública, emitindo suas opiniões e influenciando as tomadas de decisão públicas.

Concebido em 2019, o Programa Amazônia Que eu Quero é uma iniciativa da Fundação Rede Amazônica e Grupo Rede Amazônica que tem por objetivo promover a educação política por meio da interação entre os principais agentes e setores da sociedade, além do levantamento de informações junto aos gestores públicos e da participação ativa da população em câmaras temáticas. É da nossa natureza capacitar pessoas, articular parcerias e contribuir para o desenvolvimento social, econômico, ambiental e científico-tecnológico da Amazônia.

O tema escolhido para edição de 2023 é “Educar para desenvolver e proteger” e as câmaras temáticas que estão sendo trabalhadas são educação, conectividade e turismo.

Através dos canais de comunicação do Grupo Rede Amazônica: Televisão, rádio, internet e redes sociais e da integração dos estados: Amazonas, Pará, Amapá, Acre, Rondônia e Roraima, almeja-se despertar o senso crítico e estimular ações democráticas que levem a população a entender o seu papel na construção de uma democracia mais participativa e que seja capaz de gerar impactos positivos, por meio da proposição de ideias e da discussão de políticas públicas inovadoras, através da produção de reportagens e conteúdos especiais ou da realização de painéis temáticos com especialistas, o canvas de políticas públicas e o caderno de soluções.

Promover a educação, exercer a cidadania e garantir a democracia é um dever de todos nós.

Sobre a Fundação Rede Amazônica

A Fundação Rede Amazônica, é o braço institucional do Grupo Rede Amazônica, atua há 38 anos com os objetivos de capacitar pessoas, articular parcerias, desenvolver projetos e programas que contribuem para a proteção e desenvolvimento da Amazônia.

Para ficar por dentro dentro das atividades do Amazônia Que eu Quero, basta acessar as nossas redes sociais: @amazoniaqueeuquero

Agenda: Dia 24 de Agosto, às 20h00 (horário de Brasília) ocorrerá o grande painel de conectividade na Unidade de Tecnologia da Universidade do Estado do Amazonas.

Não perca!

Até o próximo evento!

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Murucututu: “coruja de óculos” é considerada a maior espécie do gênero na Amazônia

A murucututu ocorre em todas florestas tropicais das américas, mas na Amazônia já se tornou até personagem de canção de ninar.

Leia também

Publicidade