‘Amazônia Que Eu Quero’: CEO do Grupo Rede Amazônica entrega caderno de soluções a presidente do TCE/AM

A conselheira é a primeira mulher a presidir a Corte de Contas amazonense e é a primeira autoridade a receber o caderno da temporada 2023

O CEO do Grupo Rede Amazônica, Phelippe Daou Junior, entregou nesta sexta-feira (05), o caderno de soluções desenvolvido pelo projeto “Amazônia Que Eu Quero” a conselheira e presidente do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), Yara Lins. O ato de entrega faz parte da execução do projeto, que abordou o tema “Educar para desenvolver e proteger“. 

“A importância de estar aqui entregando o primeiro exemplar do Amazônia Que Eu Quero desse ano para a presidente do TCE, é de fundamental importância, porque tudo isso que foi construído nesse trabalho que a Fundação vem realizando a quase três anos vem se tornando fundamental e vem apontando soluções para problemas que são da nossa região e o caderno ser entregue para pessoas que sejam formadoras de opinião e que possam realmente desenvolver políticas públicas e que possam realmente transformar a Amazônia e de vital importância para que todos possam nos ajudar nesse processo.”, destacou Phelippe Daou Junior, CEO do Grupo Rede Amazônica

Foto: Filipe Jazz/TCE-AM

A conselheira é a primeira mulher a presidir a Corte de Contas amazonense, ingressando como taquigrafia em 1975 por meio de concurso público, Yara passou pelos cargos de auditora adjunta e auditora, antes de ser empossada como conselheira, em 2014. A gestão da conselheira no biênio 2018-2019 foi marcada pelo início de um processo de modernização e atualização dos serviços, responsável por consolidar o tribunal como referência na área tecnológica em âmbito nacional. Formada em Direito e Ciências Contábeis, Yara Lins completou, em 2024, 49 anos de funcionalismo no Tribunal de Contas do Amazonas.

“Parabenizo a Fundação Rede Amazônica que por meio desse projeto vai trazer ao nosso Amazonas muita coisa coisa para desenvolver o nosso estado, são benefícios que a Rede Amazônica tem a sensibilidade com o jornalismo no nosso estado e isso faz com que nos faça crescer ainda mais na nossa região com a apresentação desse projeto que vai funcionar através de todos que tenham a sensibilidade e autoridade para fazer essas propostas funcionarem com excelência.” destacou a conselheira Yara Lins.

O projeto “Amazônia Que Eu Quero” busca incentivar uma ação democrática que leve a população a exigir seus direitos junto aos representantes legais, elevando o nível de comprometimento e de atuação dos gestores públicos. Tal dinâmica possibilita o amadurecimento do senso crítico na escolha dos candidatos, a capacidade de análise da população e o voto consciente, levando a uma melhoria do processo democrático da região Amazônica. O caderno possui 50 soluções apontadas em painéis, fóruns de debates on-line e ações presenciais para discussão e engajamento da população que foram realizadas nos estados da Amazônia – Amazonas, Acre, Amapá, Pará, Rondônia e Roraima, ao longo do ano de 2023. 


“A consolidação desse caderno é uma das fases mais importantes do projeto, esse compilado que foi resumido neste caderno de propostas e soluções, é uma grande reunião de ações e idéias que foram construídas ao longo de 2023. Então esse ano nós tivemos uma fase muito importante, onde estivemos presentes em todos os estados da região e a gente conseguiu trabalhar essa hiperlocalização de idéias, onde a gente tirou esse foco principal de Manaus e focou também debater e trazer as soluções focadas nos problemas locais de cada estado.” destacou Mariane Cavalcante, diretora geral da Fundação Rede Amazônica.

O Amazônia Que Eu Quero, já realizou diversas entregas dos exemplares do Caderno de Soluções das edições passadas para autoridades como o Governador do Amazonas, Wilson Lima e o Vice-presidente, Geraldo Alckmin para que os políticos tenham conhecimento da situação atual da Amazônia pela ótica de quem vive na região. A ideia é que o caderno possa ser utilizado para traçar estratégias de desenvolvimento para a Região Amazônica. Ao longo de todo o ano, exemplares do caderno de soluções serão entregues para autoridades e políticos de todos os seis estados da região.

Sobre o projeto Amazônia Que Eu Quero:
Concebido em 2019, o Programa ‘Amazônia Que eu Quero’ é uma iniciativa da Fundação Rede Amazônica e Grupo Rede Amazônica que tem por objetivo promover a educação política por meio da interação entre os principais agentes e setores da sociedade, além do levantamento de informações junto aos gestores públicos e da participação ativa da população, por meio de câmaras temáticas estabelecidas pelo programa, como foi o caso da edição de 2023 que discutiu três eixos centrais Educação, Turismo e Conectividade no contexto Amazônico.

Sobre a Fundação Rede Amazônica

A Fundação Rede Amazônica, é o braço institucional do Grupo Rede Amazônica, atua há 39 anos com os objetivos de capacitar pessoas, articular parcerias, desenvolver projetos e programas que contribuem para a proteção e desenvolvimento da Amazônia.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Língua de povo indígena na Amazônia é considerada a mais difícil do mundo

Considerada a única língua viva do tronco linguístico Mura, a língua mais difícil é falada pelo povo Pirahã.

Leia também

Publicidade