Pesquisadores peruanos desenvolvem primeira vacina para peixes

Estudo inovador busca utilizá-los como alternativa aos antibióticos durante a criação desses animais.

Um grupo de pesquisadores peruanos está desenvolvendo uma vacina para espécies de peixes como a truta, bem como para variedades amazônicas, o que constituiria um grande avanço porque os antibióticos seriam deixados de lado e as imunizações seriam injetadas e combateriam diversas bactérias a que eles estão sujeitos.

Atualmente, a pesquisa está em fase de testes, na qual os pesquisadores estão ajustando detalhes e continuam a realizar verificações com o objetivo de identificar a eficácia da vacina. 

A constatação é do PhD Jefferson Yunis Aguinaga, especialista em aquicultura e pesquisador da Universidade Científica do Sul no Peru, que informou que até o momento pesquisadores trabalham nas regiões de Junín e Puno com trutas; em Loreto, com gamitanas (tambaquis) – trabalho conjunto realizado com o Instituto Peruano de Pesquisas da Amazônia; e em San Martín, na província de Moyobamba, com tilápias e tambaqui. 

Embora possa não parecer possível, tal como os humanos, os peixes também podem ser vacinados e por razões semelhantes. Quando o peixe é criado em grandes quantidades para venda, normalmente utilizam-se antibióticos para combater infeções, mas hoje estão a ser substituídos por vacinas, explicou o cientista.

A este respeito, especificou que, na aquicultura, assim como na pecuária, os peixes são tratados para as bactérias que apresentam. No entanto, com o tempo, as bactérias param de responder aos medicamentos, tornando as infecções mais difíceis de tratar e aumentando o risco de propagação de doenças e morte.

Chega um ponto em que os antibióticos comuns usados ​​na piscicultura não têm mais efeito sobre as bactérias. Diante deste problema, procuramos outras alternativas como a vacinação dos peixes ”, afirmou o pesquisador.

Yunis Aguinaga explicou que também trabalharam com probióticos, mas a vacinação “nos deu melhores resultados”. De acordo com as informações prestadas sobre os estudos, o grupo de pesquisadores peruanos desenvolveu uma extensa vacina para peixes, cujo objetivo é ser aplicada em campo. 

Como acontece em qualquer projeto de vacinação, os pesquisadores desenharam vários protótipos em nível de laboratório e testaram alguns deles em campo em espécies como trutas e peixes amazônicos.

“Ao contrário das vacinas em humanos, nas quais trabalhamos com uma única espécie (a espécie humana), as imunizações em peixes funcionam com muitas espécies de peixes com vários patógenos. Isso torna o processo um pouco mais complexo”, explicou Yunis, que também é pesquisador do Instituto do Mar do Peru (Imarpe).

Afirmou então que, com as informações obtidas, foi realizada a vacinação de um grande número de peixes em diversas pisciculturas e os resultados foram avaliados.

Em três anos teremos uma vacina que poderá ser aplicada em trutas e peixes amazônicos dentro do país”, especificou Yunis.

Até o momento, Jefferson Yunis, junto com seis alunos de tese da Universidade Científica do Sul, realizaram a vacinação na piscicultura Pucayagro em Moyobamba, San Martín, vacinando mais de 20.000 peixes.

“Este é o primeiro trabalho publicado no mundo que aborda vacinas para peixes na Amazônia“, destacou Yunis, indicando que para a realização do projeto receberam recursos do Conselho Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Tecnológica (Concytec) e o Imarpe. O estudo foi publicado na revista científica Aquaculture Reports. 

Como a vacina é aplicada nos peixes?

Foto: Reprodução/Agência Andina

Ao contrário do processo de vacinação conhecido, no caso dos peixes existem duas metodologias dependendo do tamanho do peixe: por imersão, no caso dos peixes pequenos; e por injeção, no caso de peixes grandes.

Jefferson Yunis afirma a esse respeito que no processo de imersão, pequenos peixes são imersos em um banho-maria de aproximadamente 20 litros, no qual foi previamente colocada uma quantidade de vacina líquida. “Isso dura um minuto e meio ou dois minutos. Depois os peixes vão para o lago normal”, disse Jefferson .

Quando ficam maiores, os peixes recebem uma injeção. 

Uma pessoa pode vacinar aproximadamente 3.000 peixes por hora. Este processo é feito com pistolas que são dispensadoras dessas vacinas e que fornecem a dose exata. Basta aproximar a parte ventral (fundo) do peixe com ela previamente virada. É um movimento da agulha muito rápido, semelhante ao das máquinas de costura ”, detalhou posteriormente.

Como são realizadas as interações com as pisciculturas?

Como as interações não são as mesmas em laboratório e em campo, os pesquisadores precisam realizar testes em pisciculturas para poder ver a evolução da eficácia da vacina neste espaço.

“ O ciclo produtivo dos peixes varia de 6 meses a um ano na maioria dos casos. Levando isso em consideração, nosso projeto está previsto para ser concluído em três anos ”, destacou o pesquisador. 

Além das intervenções realizadas para identificar a evolução do estado vacinal, os investigadores do projeto realizam diagnósticos para identificar as doenças específicas de cada local e o seu dinamismo.

Neste sentido, sustentou que devido ao transporte de peixes as doenças circulam entre regiões. É um processo em que, embora sejam colhidas amostras para análise, nem todos os peixes são vacinados, porque um processo de imunização envolve monitoramento. 

“Vamos de três em três meses provar estes peixes e contamos com o apoio de biólogos profissionais ou veterinários das pisciculturas,” observou o estudioso.

Importância do projeto

Embora o projeto busque chegar à versão final da vacina para sua implementação inicial em Loreto e San Martín, a ideia dos pesquisadores é poder estender seu uso em todas as regiões do país.

A este respeito, Yunis anunciou que se leva em consideração que em cada região os peixes enfrentam diferentes patógenos. 

“As trutas de Puno adoecem por algumas coisas que não adoecem em Junín. Em Moyobamba têm patógenos diferentes dos de Iquitos. Diante disso, a ideia é propor protocolos adequados por região e também considerando as diferentes espécies de peixes “, enfatizou o cientista.

Atualmente os países amazônicos não possuem informações sobre esta alternativa e nesta situação os produtores da nossa selva se sentem desarmados e não têm muitas opções. Com o referido projeto, está sendo proporcionada uma nova perspectiva que pode ser utilizada e ajudar na aquicultura no país, especialmente na Amazônia.

Também participaram da pesquisa os pesquisadores Jhoanna Coaguila-Davila da Universidade Científica do Sul, Carla Fernandez-Espinel do Instituto do Mar do Peru, Violeta Flores-Dominick do Instituto do Mar do Peru e Marco Medina-Morillo do Instituto do Mar do Peru. Peru e Luis Gonzalez-Callirgos da piscicultura Pucayagro.

*Por informações da Agência Andina

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade