Golfinho gigante de água doce viveu há 16 milhões de anos na Amazônia peruana, aponta pesquisa

A espécie foi batizada de Pebanista yacuruna, nome que homenageia um povo aquático mítico – os Yacuruna.

Seres místicos, peculiares e que atraem a atenção de todos: os golfinhos são denominados por, majoritariamente, serem de água salgada. Na Amazônia, existe o seu “primo”, que é o boto, também de igual encanto para quem o vê.

Contudo, um estudo publicado em março de 2024 na revista Science Advances, aponta que a Amazônia peruana já foi berço dos golfinhos de água doce que podem ser os maiores reconhecidos pela ciência. A espécie tinha até 3,5 metros de comprimento.

Crânio de Pebanista yacuruna. Foto: Reprodução/Science Advance

A descoberta se deu durante uma expedição de pesquisadores ao Peru, em 2018, conduzida por Aldo Benites-Palomino, da Universidade de Zurique, na Suíça. A equipe localizou um crânio fossilizado do animal saindo da margem de um rio e soube imediatamente que era um golfinho.

A nova espécie foi batizada de Pebanista yacuruna, nome que homenageia um povo aquático mítico – os Yacuruna – que se acredita habitar cidades subaquáticas na bacia amazônica.

A fauna na região era bastante rica, com ampla variedade de peixes, tartarugas e crocodilos, além de pequenos e grandes mamíferos. Outra razão que explica o tamanho de gigante do Pebanista yacuruna é a falta de competição e de predadores diretos.

Esses golfinhos não eram os únicos gigantes da região. Durante o Mioceno, outros animais de grande porte também habitaram a região da Amazônia, como peixes e crocodilos.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

‘Aurora Luzitana’: livro revela história dos portugueses maçônicos no Amazonas

Em mais de 400 páginas, com um exclusivo acervo de imagens, Abrahim Baze revela grande parte da história dos maçons lusitanos no Amazonas.

Leia também

Publicidade