Festa da Chiquita

Festa celebra a diversidade e a cultura paraense na noite que antecede o domingo do Círio de Nazaré, em Belém 

Inicialmente, a festa era chamada de Filhas da Chiquita ou Festa da Maria Chiquita. O nome veio da famosa personagem das marchinhas de carnaval, Chiquita Bacana, “mulher existencialista que só faz o que manda o coração”. A festa, mesmo exaltando o lado profano, também tem caráter de homenagem à Virgem de Nazaré.

A “Chiquita” não é reconhecida pela igreja católica como parte integrante da festividade do Círio de Nazaré, porém a festa já é tombada pelo Iphan, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, e pela Unesco, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

O evento cultural ocorre na Praça da República, logo após a passagem dos peregrinos que seguem a imagem de Nossa Senhora de Nazaré na procissão da Trasladação, a segunda maior das romarias oficiais do Círio.

Patrimônio Cultural

A Lei N° 9.025, de 17 de março de 2020, declarou como patrimônio cultural de natureza imaterial do Estado do Pará, a Festa da Chiquita. A Festa da Chiquita foi idealizada e criada pelo sociólogo carioca, Luís Bandeira, na década de 70. A partir de 1990, a festa passou a ser coordenada pelo artista Elói Iglesias, que propôs uma mudança na dinâmica do movimento, tornando-o uma festividade voltada para um público mais alternativo. 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Publicidade

Mais acessadas:

Localizado em ilha desabitada, Observatório Magnético no Pará estuda mistérios da Terra

A apenas 12 km da costa de Belém, o Observatório Magnético de Tatuoca estuda o campo magnético e suas influências na vida cotidiana.
Publicidade

Leia também

Publicidade