Manaus 30º • Nublado
Quinta, 11 Agosto 2022

Pará

Pará
Foto: Divulgação

Pará é o segundo maior Estado do Brasil e situa-se na Região Norte do país. Possui uma área territorial de aproximadamente 1.245.870,707 km² (IBGE,2020). É o Estado mais populoso da região com uma população estimada de 8.777.124 habitantes. A maior parte da população é urbana e está concentrada nas principais cidades paraenses. 

O território paraense faz divisa com Amapá, Roraima, Amazonas, Mato Grosso, Tocantins e Maranhão. A capital, Belém, possui mais de 1,5 milhão de habitantes, sendo a maior cidade em população paraense. Além da capital, são cidades populosas do Pará: Ananindeua, Santarém, Marabá, Parauapebas e Castanhal. Belém é o centro político e econômico estadual.

O povoamento do atual território do Pará foi iniciado por um explorador espanhol, Francisco Orellana, ainda no século XVI, por meio do desbravamento da foz do Rio Amazonas. Já a chegada dos portugueses à região é datada de 1616 e explicada pelo interesse dos colonizadores em dominar o vale fluvial do Amazonas, considerado um ponto estratégico do Norte do Brasil. 

O interesse dos portugueses pela região fez com que o território do Pará fosse integrado à capitania do Maranhão e, posteriormente, separado em uma capitania própria, chamada de Grão-Pará. A criação dessa capitania culminou no aumento do povoamento da região, em especial, por meio das margens dos rios. O processo de povoamento local foi marcado pelo intenso embate entre os povos nativos, os índios e os exploradores.

O início da exploração do território paraense foi caracterizado pelo importante levantamento geográfico e biólogo da região, concretizado por diversos naturalistas europeus, que catalogavam as espécies ainda desconhecidas da Amazônia. Esse processo de exploração também culminou no aumento do interesse de Portugal pelos bens naturais da região. 

O extrativismo da borracha e da madeira, por exemplo, foi o principal motor econômico do Estado até o início de XX. Posteriormente, novas atividades econômicas foram implementadas, como a coleta de castanha, a produção de cacau e a pecuária extensiva. A castanha do Pará é um dos produtos mais conhecidos, sendo coletada à mão em áreas de castanhais.

Na segunda metade do século XX, houve um intenso investimento estatal na Região Norte do Brasil, em razão de interesses políticos e econômicos estatais. No caso do Pará, foram criadas colônias de povoamento, assim como grandes investimentos na área agrícola, por meio da criação bovina e do plantio de monoculturas. 

A mineração, iniciada em meados de 1970, também foi um dos principais motores de povoamento do território paraense, com destaque para as regiões de Serra dos Carajás e Serra Pelada. Além disso, foram realizados novos projetos de infraestrutura, como a criação da rodovia Belém-Brasília, que ligava a capital estadual paraense à nova capital federal do Brasil. Dessa maneira, o Pará se consolidou como um centro econômico e político da Região Norte do Brasil. 

*Com informações do IBGE e Mundo Educação

Veja mais notícias sobre Amazônia de A à ZP.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 11 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/