Publicidade

Amazônia

Documento traz orientações para melhorar a produção de tambaqui em tanques-rede

Publicação lançada pela Embrapa Amapá abrange desde a escolha do local de instalação até os cuidados adotados durante a depesca


A publicação “Boas práticas para a produção de tambaqui em tanques-rede: da implantação à despesca”, lançada pela Embrapa Amapá, traz recomendações e dicas que abrangem desde a escolha do local de instalação, disposição dos tanques, infraestrutura da criação em tanques-rede, qualidade da água, cultivo, manejo alimentar e nutricional, manejo sanitário, até os cuidados a serem adotados durante a despesca.

Confira na íntegra o "Boas práticas para a produção de tambaqui em tanques-rede: da implantação à despesca"

O cultivo em tanque-rede é um sistema no qual os peixes são mantidos em estruturas flutuantes, compostas por uma armação rígida, revestida por redes que devem ser adequadas de acordo com a quantidade de produção. Os tanques-rede podem ser utilizados para a produção de peixes nas fases de alevinagem, recria e engorda, e têm em média tamanhos que variam de 6 a 50 metros cúbicos.

As estruturas permitem a livre circulação da água e podem ser instaladas em ambientes aquáticos como rios e lagos, por meio de flutuadores, em locais onde não há oscilação periódica no nível da água.
 
 
Foto: Roselany Correa/Divulgação Embrapa 
Com relação à escolha do local, é importante realizar um estudo da viabilidade técnica e econômica da atividade, além de um planejamento estratégico de produção, considerando fatores como tipo de produto e preço de comercialização (atacado e varejo); quantidade demandada pelo mercado; ciclo de cultivo e escala de produção) proximidade com o mercado consumidor (logística de escoamento da produção); capital de investimento e operacional (fonte de recursos); mão de obra qualificada (treinada).

“A questão de segurança da propriedade precisa ser levada em consideração, para evitar perdas devido aos furtos de peixes. Outros fatores que podem onerar a produção são grandes distâncias do mercado consumidor, inexistência de linhas de crédito e, principalmente, o manejo alimentar dos peixes”, recomendam os autores do Comunicado Técnico.

Conheça alguns peixes que não podem faltar na mesa do amazônida

A publicação é de autoria conjunta do pesquisador da Embrapa Amapá Marcos Tavares Dias e Carlos Alberto Silva, pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE); Roselany de Oliveira Corrêa, pesquisadora da Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA); Heitor Martins Júnior, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA); Eliane Tie Oba Yoshioka, pesquisadora da Embrapa Amapá; Jamile da Costa Araújo, pesquisadora da Embrapa Amapá; Laurindo André Rodrigues, Zootecnista, pesquisador da Embrapa Meio-Norte (Parnaíba, PI); e Fabiola Helena dos Santos Fogaça, pesquisadora da Embrapa Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro, RJ).

Tambaqui

O tambaqui é considerado o segundo maior peixe de escamas em água doce de da América do Sul, atrás apenas do pirarucu. Chega a medir 90 cm de comprimento e a pesar 30 kg. Muito apreciado pelas comunidades ribeirinhas e urbanas da Amazônia, nos últimos anos os estoques naturais sofreram redução e o cultivo da espécie tornou-se uma alternativa para a sobre-exploração.
 
 
Foto: William Costa/Portal Amazônia
 
Atualmente, o tambaqui é a espécie nativa mais cultivada no Brasil, estando presente em 24 dos 27 estados do Brasil. Quando cultivado em tanques-rede, alcança boa produtividade, indicando que é uma atividade promissora para a criação do tambaqui em todo o País.

Veja também: Mais de 90 espécies de peixes são identificadas na Amazônia

No estado do Amapá, é recente a prática do cultivo de peixes em tanques-rede. O pesquisador Marcos Tavares Dias acredita que, no estado, o cultivo reduzido de tambaqui em tanques-rede é devido às reduzidas inovações tecnológicas disponíveis e falta de mão-de-obra adequada, além da ausência de políticas públicas para esse setor produtivo. 

Amazônia

Home > Noticias > null

Documento traz orientações para melhorar a produção de tambaqui em tanques-rede

Publicação lançada pela Embrapa Amapá abrange desde a escolha do local de instalação até os cuidados adotados durante a depesca

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


A publicação “Boas práticas para a produção de tambaqui em tanques-rede: da implantação à despesca”, lançada pela Embrapa Amapá, traz recomendações e dicas que abrangem desde a escolha do local de instalação, disposição dos tanques, infraestrutura da criação em tanques-rede, qualidade da água, cultivo, manejo alimentar e nutricional, manejo sanitário, até os cuidados a serem adotados durante a despesca.

Confira na íntegra o "Boas práticas para a produção de tambaqui em tanques-rede: da implantação à despesca"

O cultivo em tanque-rede é um sistema no qual os peixes são mantidos em estruturas flutuantes, compostas por uma armação rígida, revestida por redes que devem ser adequadas de acordo com a quantidade de produção. Os tanques-rede podem ser utilizados para a produção de peixes nas fases de alevinagem, recria e engorda, e têm em média tamanhos que variam de 6 a 50 metros cúbicos.

As estruturas permitem a livre circulação da água e podem ser instaladas em ambientes aquáticos como rios e lagos, por meio de flutuadores, em locais onde não há oscilação periódica no nível da água.
 
 
Foto: Roselany Correa/Divulgação Embrapa 
Com relação à escolha do local, é importante realizar um estudo da viabilidade técnica e econômica da atividade, além de um planejamento estratégico de produção, considerando fatores como tipo de produto e preço de comercialização (atacado e varejo); quantidade demandada pelo mercado; ciclo de cultivo e escala de produção) proximidade com o mercado consumidor (logística de escoamento da produção); capital de investimento e operacional (fonte de recursos); mão de obra qualificada (treinada).

“A questão de segurança da propriedade precisa ser levada em consideração, para evitar perdas devido aos furtos de peixes. Outros fatores que podem onerar a produção são grandes distâncias do mercado consumidor, inexistência de linhas de crédito e, principalmente, o manejo alimentar dos peixes”, recomendam os autores do Comunicado Técnico.

Conheça alguns peixes que não podem faltar na mesa do amazônida

A publicação é de autoria conjunta do pesquisador da Embrapa Amapá Marcos Tavares Dias e Carlos Alberto Silva, pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE); Roselany de Oliveira Corrêa, pesquisadora da Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA); Heitor Martins Júnior, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA); Eliane Tie Oba Yoshioka, pesquisadora da Embrapa Amapá; Jamile da Costa Araújo, pesquisadora da Embrapa Amapá; Laurindo André Rodrigues, Zootecnista, pesquisador da Embrapa Meio-Norte (Parnaíba, PI); e Fabiola Helena dos Santos Fogaça, pesquisadora da Embrapa Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro, RJ).

Tambaqui

O tambaqui é considerado o segundo maior peixe de escamas em água doce de da América do Sul, atrás apenas do pirarucu. Chega a medir 90 cm de comprimento e a pesar 30 kg. Muito apreciado pelas comunidades ribeirinhas e urbanas da Amazônia, nos últimos anos os estoques naturais sofreram redução e o cultivo da espécie tornou-se uma alternativa para a sobre-exploração.
 
 
Foto: William Costa/Portal Amazônia
 
Atualmente, o tambaqui é a espécie nativa mais cultivada no Brasil, estando presente em 24 dos 27 estados do Brasil. Quando cultivado em tanques-rede, alcança boa produtividade, indicando que é uma atividade promissora para a criação do tambaqui em todo o País.

Veja também: Mais de 90 espécies de peixes são identificadas na Amazônia

No estado do Amapá, é recente a prática do cultivo de peixes em tanques-rede. O pesquisador Marcos Tavares Dias acredita que, no estado, o cultivo reduzido de tambaqui em tanques-rede é devido às reduzidas inovações tecnológicas disponíveis e falta de mão-de-obra adequada, além da ausência de políticas públicas para esse setor produtivo. 

TAG tambaquiproducaoembrapa