Publicidade

Cidades

Home > Noticias > null

Combate ao tráfico de pessoas e exploração sexual será fortalecido na tríplice fronteira Brasil-Colômbia-Peru

Reunidas em Letícia, na Colômbia, autoridades dos três países firmaram compromissos para promover maior articulação na luta contra esses crimes na região

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


O Ministério Público Federal (MPF) firmou compromisso, junto a dezenas de autoridades públicas e representantes de entidades não-governamentais da Colômbia, do Brasil e do Peru, para ampliar o diálogo e aprimorar a atuação conjunta no sentido de fortalecer a prevenção, a assistência às vítimas e o combate ao tráfico de pessoas e à exploração sexual de crianças, adolescentes e mulheres na tríplice fronteira.

O pacto foi firmado durante audiência pública promovida sobre o tema em Letícia, na Colômbia. O MPF foi representado pelo procurador-chefe do órgão no Amazonas, Edmilson Barreiros, nomeado oficialmente por meio da Portaria 1092/2018, da Procuradoria-Geral da República.

Leia também: Crescimento do garimpo ilegal na Amazônia atinge áreas indígenas

Ao ratificar o documento, o órgão assumiu diversos compromissos, entre os quais está a participação em ações estratégicas conjuntas entre os estados fronteiriços para combater o tráfico de seres humanos e a exploração sexual transfronteiriça, cooperando especialmente entre autoridades competentes para a prevenção, a detecção, a investigação e a acusação eficientes e oportunas desses crimes na região, enquadrados em acordos bilaterais e multilaterais.
 
 
Foto: Divulgação/MPF Amazonas
 
O documento, lido publicamente no último dia 13 de dezembro, durante a “4ª Audiência Pública sobre a Luta contra o Tráfico de Pessoas e a Exploração Sexual Comercial de Crianças e Adolescentes na Tríplice Fronteira Amazônica”, formaliza ainda a participação dos órgãos e entidades signatárias em mesas permanentes de prevenção, atenção às vítimas e judicialização e assegura a realização de ações de diálogo intercultural com representantes indígenas para atuação nos casos que envolvem crianças e mulheres das comunidades indígenas nos três países.

O MPF apresentou um painel temático sobre a legislação brasileira atual a respeito desses crimes, trazendo novidades como a incorporação de dois instrumentos importantes do Mercosul em termos de cooperação internacional (Mandado Mercosul de Captura, aprovado pelo Decreto Legislativo 138, de agosto de 2018; e Equipes Conjuntas de Investigação, acordo aprovado pelo Decreto Legislativo 162, de outubro de 2018) que ajudaram a atualizar um quadro comparativo entre as leis dos três países que tratam do assunto.

Novidade: Primeira trilha de longo curso do Pará atravessa quatro cidades do Estado; conheça

O evento foi promovido como parte da Ação Global para Prevenir e Combater o Tráfico de Pessoas e o Tráfico Ilícito de Migrantes 2015-2019 (GloAct), resultante de organização coletiva do Governo da Colômbia, do Instituto Renacer, do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e do Fundo Internacional de Emergência para a Infância das Nações Unidas (Unicef), com financiamento pela União Europeia.

Diagnóstico

Diversas reuniões vem sendo realizadas desde 2014, entre delegações de instituições dos governos, sociedade civil e cooperação internacional dos três países em Letícia, Colômbia; Iquitos, Peru; e Manaus, Brasil. A partir desses encontros, foi acordada a realização de ações conjuntas para enfrentar os desafios relacionados à prevenção, assistência a vítimas e repressão da exploração sexual e do tráfico de crianças e adolescentes na tríplice fronteira.

Como parte dos resultados de uma mesa de trabalho formada nessas reuniões, foi elaborado um diagnóstico da situação da exploração sexual na região, que inclui a estrutura normativa – atualizada na reunião deste ano – e a oferta institucional de cada país.

Quer nos ajudar a construir um 2019 mais a cara da Amazônia? Saiba como

Apresentado no evento por representantes da Rede ECPAT, uma coalizão de organizações da sociedade civil que trabalha para a eliminação da exploração sexual de crianças e adolescentes, o diagnóstico mostrou que as redes de tráfico de pessoas e de exploração sexual possuem forte ligação com o narcotráfico e se aproveitam do aumento da atividade turística para ampliar o aliciamento de crianças e adolescentes e a oferta de serviços sexuais.

Foi identificado ainda, conforme o levantamento, o deslocamento de mulheres e crianças indígenas de comunidades dos três países para as cidades fronteiriças em busca de melhores condições de alimentação e acesso a serviços públicos que acabam sendo aliciadas por membros das redes de exploração, que utilizam as mulheres e meninas inclusive para ‘pagar’ por serviços de cultivo de droga em áreas dominadas pelo narcotráfico nos três países.

“Sabe-se que as meninas indígenas da Amazônia colombiana são capturadas e transportadas para o Brasil e o Peru para explorá-las sexualmente”, afirmou Adriana Herrera Beltrán, representante da defesa dos direitos das crianças, adolescentes e da família no Estado de Amazonas, na Colômbia. Em sua fala, ela fez um apelo para que as autoridades regionais chegassem a acordos a fim de evitar esses crimes naquela região.

Opens external link in new windowMercúrio: metal que matou centenas no Japão afeta peixes e pessoas na Amazônia

Controle de presença em hotéis

Um dos grandes entraves que facilitam a prática dos crimes amplamente abordados no centro trinacional decorre da falta de controle de acesso aos hotéis e outros tipos de hospedagem nos três países. Humberto Rodriguez, representante do Instituto Renacer, que integra a Rede ECPAT na Colômbia, relatou que a entrada e permanência de crianças e adolescentes ocorre livremente em hotéis e bares, em frente a empregados, clientes e cidadãos, apesar de haver leis exigindo a apresentação de documento para comprovar parentesco para ingressar nesses lugares com crianças e adolescentes.
Cidades

Combate ao tráfico de pessoas e exploração sexual será fortalecido na tríplice fronteira Brasil-Colômbia-Peru

Reunidas em Letícia, na Colômbia, autoridades dos três países firmaram compromissos para promover maior articulação na luta contra esses crimes na região


O Ministério Público Federal (MPF) firmou compromisso, junto a dezenas de autoridades públicas e representantes de entidades não-governamentais da Colômbia, do Brasil e do Peru, para ampliar o diálogo e aprimorar a atuação conjunta no sentido de fortalecer a prevenção, a assistência às vítimas e o combate ao tráfico de pessoas e à exploração sexual de crianças, adolescentes e mulheres na tríplice fronteira.

O pacto foi firmado durante audiência pública promovida sobre o tema em Letícia, na Colômbia. O MPF foi representado pelo procurador-chefe do órgão no Amazonas, Edmilson Barreiros, nomeado oficialmente por meio da Portaria 1092/2018, da Procuradoria-Geral da República.

Leia também: Crescimento do garimpo ilegal na Amazônia atinge áreas indígenas

Ao ratificar o documento, o órgão assumiu diversos compromissos, entre os quais está a participação em ações estratégicas conjuntas entre os estados fronteiriços para combater o tráfico de seres humanos e a exploração sexual transfronteiriça, cooperando especialmente entre autoridades competentes para a prevenção, a detecção, a investigação e a acusação eficientes e oportunas desses crimes na região, enquadrados em acordos bilaterais e multilaterais.
 
 
Foto: Divulgação/MPF Amazonas
 
O documento, lido publicamente no último dia 13 de dezembro, durante a “4ª Audiência Pública sobre a Luta contra o Tráfico de Pessoas e a Exploração Sexual Comercial de Crianças e Adolescentes na Tríplice Fronteira Amazônica”, formaliza ainda a participação dos órgãos e entidades signatárias em mesas permanentes de prevenção, atenção às vítimas e judicialização e assegura a realização de ações de diálogo intercultural com representantes indígenas para atuação nos casos que envolvem crianças e mulheres das comunidades indígenas nos três países.

O MPF apresentou um painel temático sobre a legislação brasileira atual a respeito desses crimes, trazendo novidades como a incorporação de dois instrumentos importantes do Mercosul em termos de cooperação internacional (Mandado Mercosul de Captura, aprovado pelo Decreto Legislativo 138, de agosto de 2018; e Equipes Conjuntas de Investigação, acordo aprovado pelo Decreto Legislativo 162, de outubro de 2018) que ajudaram a atualizar um quadro comparativo entre as leis dos três países que tratam do assunto.

Novidade: Primeira trilha de longo curso do Pará atravessa quatro cidades do Estado; conheça

O evento foi promovido como parte da Ação Global para Prevenir e Combater o Tráfico de Pessoas e o Tráfico Ilícito de Migrantes 2015-2019 (GloAct), resultante de organização coletiva do Governo da Colômbia, do Instituto Renacer, do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e do Fundo Internacional de Emergência para a Infância das Nações Unidas (Unicef), com financiamento pela União Europeia.

Diagnóstico

Diversas reuniões vem sendo realizadas desde 2014, entre delegações de instituições dos governos, sociedade civil e cooperação internacional dos três países em Letícia, Colômbia; Iquitos, Peru; e Manaus, Brasil. A partir desses encontros, foi acordada a realização de ações conjuntas para enfrentar os desafios relacionados à prevenção, assistência a vítimas e repressão da exploração sexual e do tráfico de crianças e adolescentes na tríplice fronteira.

Como parte dos resultados de uma mesa de trabalho formada nessas reuniões, foi elaborado um diagnóstico da situação da exploração sexual na região, que inclui a estrutura normativa – atualizada na reunião deste ano – e a oferta institucional de cada país.

Quer nos ajudar a construir um 2019 mais a cara da Amazônia? Saiba como

Apresentado no evento por representantes da Rede ECPAT, uma coalizão de organizações da sociedade civil que trabalha para a eliminação da exploração sexual de crianças e adolescentes, o diagnóstico mostrou que as redes de tráfico de pessoas e de exploração sexual possuem forte ligação com o narcotráfico e se aproveitam do aumento da atividade turística para ampliar o aliciamento de crianças e adolescentes e a oferta de serviços sexuais.

Foi identificado ainda, conforme o levantamento, o deslocamento de mulheres e crianças indígenas de comunidades dos três países para as cidades fronteiriças em busca de melhores condições de alimentação e acesso a serviços públicos que acabam sendo aliciadas por membros das redes de exploração, que utilizam as mulheres e meninas inclusive para ‘pagar’ por serviços de cultivo de droga em áreas dominadas pelo narcotráfico nos três países.

“Sabe-se que as meninas indígenas da Amazônia colombiana são capturadas e transportadas para o Brasil e o Peru para explorá-las sexualmente”, afirmou Adriana Herrera Beltrán, representante da defesa dos direitos das crianças, adolescentes e da família no Estado de Amazonas, na Colômbia. Em sua fala, ela fez um apelo para que as autoridades regionais chegassem a acordos a fim de evitar esses crimes naquela região.

Opens external link in new windowMercúrio: metal que matou centenas no Japão afeta peixes e pessoas na Amazônia

Controle de presença em hotéis

Um dos grandes entraves que facilitam a prática dos crimes amplamente abordados no centro trinacional decorre da falta de controle de acesso aos hotéis e outros tipos de hospedagem nos três países. Humberto Rodriguez, representante do Instituto Renacer, que integra a Rede ECPAT na Colômbia, relatou que a entrada e permanência de crianças e adolescentes ocorre livremente em hotéis e bares, em frente a empregados, clientes e cidadãos, apesar de haver leis exigindo a apresentação de documento para comprovar parentesco para ingressar nesses lugares com crianças e adolescentes.

TAG triplice fronteiratrafico de pessoas