Manaus 30º • Nublado
Sexta, 03 Fevereiro 2023

Ermanno Stradelli: um olhar sensível e respeitador sobre as culturas indígenas do Amazonas

visulidades-1-1

Conde naturalista ítalo-brasileiro, nascido em meados do século XIX, em 1852, na cidade de Borgotaro em Piacenza, Ermanno Stradelli era o primogênito de uma família nobre de sete irmãos, renunciou um estilo de vida confortável e aos estudos da faculdade de direito na Universidade de Pisa para viver no coração da selva amazônica.

Para que esta aventura fosse possível, dedicou-se, de forma autodidata, aos estudos das línguas espanhola e portuguesa, além de topografia, design, astronomia, meteorologia, ornitologia, botânica, farmácia, homeopatia, etnologia e fotografia, que serviram de base para as observações tecidas em suas expedições.

Em 1889, Stradelli chegou ao Brasil com o apoio da Real Sociedade Geográfica Italiana, instituição para a qual enviava os relatórios, alguns deles eram acompanhados por fotografias de autoria do próprio naturalista. Foi em junho deste mesmo ano que aportou na cidade de Manaus, local que serviu como ponto de partida de diversas expedições, que tiverem como objetivo a investigação da geografia Amazônica e da cultura dos povos indígenas que ali habitavam.

Retrato de Ermanno Stradelli, autoria desconhecida. Foto: Reprodução

Naquele período, a cidade de Manaus passava por transformações em decorrência do Ciclo da Borracha, cujas mudanças eram refletidas principalmente em seu conjunto arquitetônico que ostentava os reflexos da prosperidade econômica da região. Tais construções, valorizando principalmente a arquitetura neoclássica, são apresentadas em algumas das fotografias de Stradelli.

Além de paisagens urbanas, o conde registrou suas passagens em diversas expedições. A primeira delas ocorreu em 1880, seguindo os cursos do rio Purus e seus afluentes, Mamoré e Ituxi. Parte dessa expedição teve a companhia dos missionários franciscanos Venanzio Zilochi, Matteo Canioni e Francesco Sidane. Foi durante esta viagem que também conheceu Alessandro Sabatini, que o influenciou a estudar a língua nheengatu, língua nativa da região do Alto Amazonas.

Dentre as principais expedições acompanhadas por Stradelli, também se destaca a Pacificação dos Crichanás, ocorrida no ano de 1884. Uma missão coordenada por João Barbosa Rodrigues, então diretor do Museu Botânico de Manaus.

A expedição percorreu o rio Jauperi e, a partir dela, Stradelli fez importantes registros manuscritos e fotográficos, alguns dos quais estão preservados nos arquivos da Sociedade Geográfica Italiana.

Encontro de João Barbosa Rodrigues com os indígenas Crixanás junto ao Rio Jauaperi, foto de Ermanno Stradelli, 1884. Foto: Arquivo Fotográfico da Società Geografica Italiana

A fotografia acima registra o contato entre os indígenas e João Barbosa Rodrigues. Essa cena acompanha um relato registrado em um dos boletins enviados à Sociedade Geográfica Italiana, publicado em 1889 no relatório intitulado de Rio Branco.

Outras expedições significativas de Ermanno Stradelli ocorreram ao longo do rio Uaupés e seus afluentes. Ao todo, foram três expedições pelas águas deste rio, percorrendo cerca de 700 quilômetros. Na última delas, iniciada em 1890 e finalizada em 1891, o fotógrafo teve a companhia de Maximiliano José Roberto, um índio mestiço, que o auxiliou no registro de mitologias indígenas, dentre elas a Lenda do Jurupari, publicada em italiano, em 1890, pelo Boletim da Sociedade Geográfica Italiana.

Stradelli foi pioneiro ao registrar, de forma textual, e respeitando o contexto da mitologia com base na mitologia indígena. Jurupari, nesse sentido, aparece como figura legisladora, diferente da visão dos missionários católicos que o consideravam como demônio.

Por ter tido um olhar sensível e respeitador com os indígenas ele foi apelidado de O filho da Cobra Grande.

Stradelli viveu 43 anos no Amazonas, recebeu cidadania brasileira no ano de 1893. Atuou como promotor público em Tefé, após ter retornado à Itália e finalizado os estudos em Direito.

Sua última expedição ocorreu no Alto Rio Branco, organizada pelo governador do Amazonas Constantino Nery. Dessa expedição, Stradelli organizou um mapa da Bacia do Rio Branco, publicado junto ao álbum O Valle do Rio Branco, com fotografias de autoria de George Huebner.

Ermanno Stradelli faleceu, em 1926, em Manaus, após contrair lepra. Na contramão dos moldes daquela época, desenvolveu uma compreensão humanizada em relação as culturas indígenas

Além de ter sido pioneiro no registro fotográfico desses povos, Stradelli foi precursor na coleta, documentação e divulgação de narrativas mitológicas indígenas. Além de ter registrado, de forma escrita, a língua Nheengatu.

Este texto foi criado com base na publicação de:

RAPONI, Lívia (org.). A única vida possível: itinerários da vida de Ermanno Stradelli na Amazônia. São Paulo: Editora Unesp, 2016.

Para conhecer mais sobre Ermanno Stradelli e outros viajantes que passaram pela Amazônia, assista ao vídeo 2, da websérie Visualidades Amazônicas:

Sobre as autoras

Lorena Machado é artista e pesquisadora amazonense, possui mestrado em Letras e Artes (Universidade do Estado do Amazonas) e graduação em Artes Visuais (Universidade Federal do Amazonas).

Karen Cordeiro é artista e pesquisadora amazonense, possui mestrado em Letras e Artes (Universidade do Estado do Amazonas) e graduação em Artes Visuais (Universidade Federal do Amazonas). Possui como área de pesquisa a História da Arte no Amazonas.

*O conteúdo é de responsabilidade das colunistas 

Veja mais notícias sobre Visualidades Amazônicas.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 03 Fevereiro 2023

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/