Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Quinta, 13 Mai 2021

Aprenda a preparar uma deliciosa galinha caipira

A receita é típica da roça, quem provou a iguaria afirma que a carne tem um sabor marcante 

Sucuri de 5 metros é encontrada em quintal de um morador de Belém

O Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) da Polícia Militar do Pará foi acionado pelo Centro Integrado de Operações (Ciop), na madrugada da última sexta-feira (8), para realizar o resgate de uma cobra sucuri que estava no quintal de uma residência na Avenida Perimetral, bairro da Terra Firme, em Belém
Foto: Divulgação/Agência Pará

Segundo os moradores do local, o animal tinha cerca de 5 metros e estava se alimentando de uma criação de galinhas da família. Após o resgate, os militares do BPA soltaram a cobra na área de conservação ambiental denominada Refúgio da Vida Silvestre Metrópole da Amazônia (Revis), localizada no município de Marituba.

“Belém é uma cidade com vários canais a céu aberto e, especialmente nessa época do ano, a intensidade das chuvas e as marés aumentam e, consequentemente, o nível pluvial tende a crescer. Isso faz com que alguns animais migrem para áreas urbanas”, ressaltou o sargento Cleison Carlos Silva do Rosário, que atua no BPA.
Foto: Divulgação/Agência Pará
“É importante que o cidadão não mate nem maltrate os animais silvestres porque todos têm suas funções no ciclo da vida. A orientação é que o cidadão ligue para o Ciop, no número 190, e informe esse tipo de ocorrência”, frisou o policial militar.

Ovos de galinha de raça custam até 120 reais a dúzia em Rondônia

O Dia de Campo sobre melhoramento genético e criação de galo índio gigante, realizado pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RO) na propriedade do criador Amaides Feliciano, trouxe grandes perspectivas para os interessados em criar essa espécie avícola.

Localizada no quilômetro 18 da Linha 134, lado Norte, no município de Nova Brasilândia do Oeste (RO), a propriedade conta com um criatório onde as aves podem pesar até oito quilos e seu tamanho ultrapassa um metro de altura.

Supervalorizado, um galo da raça índio gigante pode valer mais de R$ 10 mil e os ovos serem vendidos por até R$ 120,00 a dúzia.

Considerando-se a velocidade com que se reproduzem, o melhoramento genético em aves pode ser obtido com maior rapidez que o da maioria das espécies domésticas. A idéia é produzir carcaças bem desenvolvidas com menor percentagem de gordura e maior de carnes nobres como: peito, coxa e sobrecoxa para as raças de corte ou maior capacidade de produção de ovos com alto valor nutritivo em animais de postura. 
Foto: Divulgação
No caso do produtor Amaides, ele utiliza a inseminação artificial onde, dependendo da raça das aves utilizadas, é possível obter animais mestiços ou selecionar características desejáveis da raça existente. Segundo o produtor, “os galos da raça índio gigante podem medir até 1,20 metros e pesar oito quilos com idade de sete a oito meses”, disse.

O criador João Antônio Brito Farias, de Alta Floresta do Oeste (RO), explica que a raça índio gigante é uma das raças que contribuem para o desenvolvimento sustentável da avicultura. “Em um nicho específico, como o da linhagem das aves caipiras, o índio gigante chama atenção, por passar por um processo de criação orgânica, sem o uso de hormônios ou manipulações químicas”, disse.

Outro criador e também palestrante, Marcelo Correia de Oliveira, de Cujubim, complementa dizendo que as aves dessa raça são utilizadas no melhoramento do plantel de aves caipiras.

“A carne de aves caipiras possui sabor e textura diferenciados das carnes de aves encontradas nos supermercados e o sabor da carne da raça índio gigante é semelhante à essa carne da raça caipira”, disse.

Outro fator importante está no valor comercial dessa linhagem. Um galo da raça índio gigante pode valer até R$ 10 mil e, em um encontro nacional que reuniu criadores da raça em Guareí, no interior de São Paulo, um animal de 11 meses, medindo 1,24 m de altura, foi arrematado em leilão por R$ 154 mil.

Em Nova Brasilândia do Oeste (RO) o pintinho tem sido negociado em por cerca de R$ 25,00 a R$ 50,00 reais e a dúzia de ovos pode ser comercializada por até R$ 120,00 reais. 
Foto: Divulgação / EMATER - RO

Galinha mora em sala de aula em Palmas e é usada por professor para ensinar

Os alunos de uma escola municipal de Palmas contam com a presença de uma integrante especial desde o início de 2017. É a galinha Dorotéia que passou a morar dentro da sala de aula. O professor Francisco David usa a ave para ensinar as crianças em diversos conteúdos de forma didática, além de ensino relacionado ao respeito ao próximo. As informações são do G1 Tocantins. 
Foto: Reprodução/TV Anhanguera
A galinha circula livremente por todos os espaços da escola e chegou a instalar o ninho dentro da sala de aula, ganhando um cantinho especial. Os estudantes, ansiosos para ver a família crescer, contavam os dias e marcavam de um por um no calendário.

A ave faz parte de um método de ensino do professor, que apaixonado por ensinar faz do fato inusitado um benefício. "Além do lúdico, tem a interdisciplinaridade. Isso ajuda muito as crianças a entender o conteúdo", explica.

O aluno Gustavo Silva, de 8 anos, conta o que já aprendeu após a chegada da galinha: "Aprendemos o que é vertebrado e invertebrado. Vertebrado é que tem ossos e invertebrado é que não tem".

O nascimento

A chegada de seis pintinhos também colaborou no aprendizado. Além dos cuidados de Dorotéia, os bichinhos também são cuidados e mimados pelas crianças. "Dar milho e água pra eles crescerem bem forte como a mãe", defende um aluno.

As crianças debatem para escolher os nomes dos novos bichos. "Brilhante, Dourado e o outro é Guerreiro", defende Ayla Melissa. "Amarelinho Jhone, Rafa e Nick", sugere outro aluno. "James, Sturt, Stil e Ben", defende Guilherme Reis.

A diretora da escola, Francisca Neri considera que a ideia é fundamentada e comemora os bons resultados. "Projetos que trazem aprendizagem e crescimento para as crianças serão bem vindos", aponta. De acordo com a monitora da sala, a diferença entre os pintinhos, em relação a tamanho e cores leva para a sala de aula o pensamento de amor respeito ao próximo.

No entanto, a família deve sair da sala de aula, já que precisa de um espaço maior para viver e os alunos precisam aprender a conviver com a saudade. "A gente vai ficar triste, por que ela foi a ideia mais legal do professor", conta uma aluna.