Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Quinta, 13 Mai 2021

Confira imagens do céu a partir do observatório astronômico de Manaus

Neste dia 8 de abril é comemorado o Dia da Astronomia, ciência que estuda o universo e os corpos celestes

Em Belém, estudante da rede municipal conquista medalhas em concursos científicos

Antony Sena,  tem 14 anos e é estudante do 8°ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental Honorato Filgueiras, no Jurunas.

Fenômeno 'arco-íris de fogo' aparece no céu de Manaus

O efeito da nuvem iridescente é raro e dura apenas alguns minutos. O fenômeno só acontece em camadas mais altas da atmosfera

Trânsito de Mercúrio: evento raro atronômico poderá ser visto em todo Brasil, nesta segunda

Nesta segunda-feira (11) será possível observar o trânsito de Mercúrio, fenômeno no qual acontece a passagem do planeta Mercúrio em frente ao disco do Sol. Este acontecimento astronômico poderá ser visto de todo Brasil e o Núcleo de Astronomia da UFPA (Nastro) irá promover observações no Forte do Castelo, em Belém. A programação será realizada das 9h30 às 15h05, horário que acontecerá o fenômeno. O evento é aberto ao público em geral.
Foto:Divulgação/NASA

As ocasiões que possibilitam ver a passagem do planeta Mercúrio e também de Vênus em frente ao sol são atípicas. O último trânsito de Mercúrio ocorreu em 2016, e o próximo só ocorrerá em 2032. As passagens do planeta Vênus em frente ao sol são mais raras ainda, tendo a última ocorrido em 2012 e a próxima só ocorrerá em 2117. “Estes planetas, que possuem órbitas internas à da Terra, podem ser vistos ‘transitando’ em frente ao disco do Sol. Mas não são fenômenos frequentes, sendo estas ocasiões muito mais raras para Vênus do que para Mercúrio”, explica o professor Luís Crispino, coordenador do Nastro.


Durante o trânsito de Mercúrio, o planeta será visto como um pequeno ponto passando em frente ao disco Sol, e as observações do sol, como é o caso desse fenômeno, têm que ser feitas com devido cuidado. “Se as observações forem feitas indevidamente, podem causar problemas irreversíveis à visão. Não recomendamos que as pessoas realizem observações do Sol sem a ajuda de profissionais da Astronomia”, aconselha ainda o professor Luís Crispino.


"Para assegurar que os interessados tenham uma boa experiência de observação, airá disponibilizar no Forte do Castelo pelo menos quatro telescópios, devidamente equipados, para a realização com segurança das observações solares”, afirma Igor Coimbra, Coordenador dos Projetos de Extensão associados ao Nastro. Haverá ainda professores, técnicos, bolsistas e voluntários do Núcleo de Astronomia da UFPA esclarecendo o público sobre este e outros fenômenos astronômicos.


Nastro


O Núcleo de Astronomia da Universidade Federal do Pará (NASTRO/UFPA) é um centro de ciência localizado na Amazônia Brasileira, dedicado a difundir o conhecimento em Astronomia e Astronáutica ao público em geral. Ao longo de mais de dez anos de , o núcleo promoveu e promove diversas atividades, incluindo observações astronômicas, demonstrações de conceitos científicos utilizando equipamentos industrializados e de baixo custo, seminários e oficinas.


Mato Grosso: Seminário de Astronomia terá palestra com professor de universidade americana

As inscrições para o 1º Seminário Internacional de Divulgação Científica em Astronomia estão abertas e podem ser realizadas aqui. O evento, que será realizado na próxima semana, de quarta a sexta-feira (16, 17 e 18 de outubro) em Tangará da Serra (a 239 quilômetros a médio-norte de Cuiabá), terá como destaque, a presença do professor Patrick Muller, da Hardin Simmons University, do Texas (EUA) que abordará a astronomia e fará oficina de caça-asteroides e imagens do céu profundo. A palestra terá tradução simultânea.




O Seminário ocorrerá no Centro de Formação e Atualização de Profissionais da Educação Básica (Cefapro) de Tangará. Além das palestras presenciais, estão previstas quatro videoconferências.

Foto: Divulgação

Participam também os estudantes Alex Cristofolini, Laíz Cruz e Michell Laurenti da rede estadual de ensino e que bolsistas do Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq).  Os três alunos vão fazer uma palestra da importância do aluno bolsista e, com isso, esperam incentivar os demais estudantes presentes a trilhar pelo mesmo caminho.


Segundo a professora Silvana Copceski, uma das organizadoras do seminário, podem participar professores e alunos, principalmente do ensino médio, que terão mais interesse no assunto. “Esse evento é para compartilhar conhecimento, tanto para alunos como para professores. É um evento internacional com palestrantes que se preocupam com o aprendizado tanto do aluno como do professor.


Silvana é professora da Escola Estadual Ramon Sanches Marques e bolsista da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa), além de treinadora do Comitê Internacional de Normas de Contabilidade (Iasc na sigla em inglês). O Iasc fornece dados astronômicos de alta qualidade para cientistas e cidadãos em todo o mundo.

Evento de astronomia em Manaus aborda a observação do céu a partir do olhar indígena

A observação do céu é uma prática que faz parte da cultura indígena. E os saberes desses povos tradicionais sobre o assunto vão ser discutidos na II Semana de Astronomia Indígena, que será realizada nesta quinta e sexta-feira, dias 25 e 26 de abril, em Manaus.

Único planetário fixo da Amazônia está localizado em Belém; conheça

Quem nunca se pegou em um dia estrelado, olhando para o céu e imaginando as maravilhas que estão acima de nós? Para conhecer mais sobre esse universo, as pessoas podem recorrer aos planetários, lugares que projetam um céu artificial. Segundo dados da Associação Brasileira de Planetários (ABP), o país conta com 41 planetários fixos, desse total, apenas um na Amazônia, em Belém, o Centro de Ciências e Planetário do Pará (CCPP).

O Portal Amazônia entrevistou a diretora do CCPP, Sinaida Vasconcelos, que falou sobre a criação do local e a importância dele para a divulgação científica.
Foto: Divulgação
O Planetário Sebastião Sodré da Gama foi inaugurado no dia 30 de setembro de 1999, por uma iniciativa do Governo do Estado do Pará. Na época, Belém recebeu um evento para a observação de um eclipse, para o momento, foram convidados astrônomos de várias regiões do país. As autoridades perceberam o interesse dos paraenses pela Astronomia. O prédio do planetário ficou sob os cuidados da Universidade Estadual do Pará (UEPA). E, desde 2012, além da cúpula principal, o espaço ganhou o Museu de Ciência.

Visita ilustre e reconhecimento

Em 2017, o atual ministro de Ciência e Tecnologia, o astronauta Marcos Pontes, visitou o CCPP e conheceu mais sobre o trabalho desenvolvido no Pará. Na ocasião, ele palestrou para 80 crianças de escolas públicas e ficou emocionado com o trabalho realizado no local.

Recentemente, o CCPP recebeu o Selo de Qualidade de Conteúdo da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB). Segundo a instituição, é um reconhecimento ao trabalho de divulgação de informações astronômicas de bom nível e valor científico.
Foto: Divulgação
Para educação

De acordo com Sinaida Vasconcelos, o planetário é uma escola informal, que busca sempre agregar valor e conhecimento na vida dos visitantes. "É um espaço lúdico de aprendizado, e que tem um dialogo muito próximo das escolas, mas que não tem uma formatação tão formal. As crianças e jovens aprendem de uma maneira diferenciada, principalmente, quando mostramos as projeções do céu, das estrelas e planetas", destacou.

A demanda é tanta, que muitas vezes, a equipe do Planetário precisa se preparar para receber os visitantes.  “Muitas vezes não conseguimos atender todo mundo, por esse motivo, sempre aconselho as escolas a ligarem com antecedência. Acho que toda cidade deveria ter, pelo menos, um planetário, o público gosta, eles tem curiosidade sobre o tema”, afirmou Sinaida.

Planetário ou observatório?

Um dos grandes erros das pessoas é achar que planetário e observatório desenvolvem o mesmo trabalho. Segundo o site do ABP, os planetários, assim como os observatórios, se caracterizam exatamente pela cúpula, mas a do planetário não se abre para o céu, e objetos como o telescópio não está inserido entre os equipamentos. Toda a demonstração acontece de forma interna, por meio de projeções e explicações. Já o observatório é usado para observações e estudos de eventos celestes.

Ficou interessado?

O Planetário do Pará Sebastião Sodré da Gama atende de terça-feira a sexta-feira, das 9h às 12h e de 14h às 17h30, no Centro de Ciências e Planetário do Pará, localizado na Av. Augusto Montenegro, em Belém. Mais informações pelo telefone (91) 3216-6303. Os agendamentos podem ser feito pelo email [email protected]

Confira os melhores horários para acompanhar o eclipse na Amazônia

Está previsto para esta segunda-feira (21) um dos eventos mais fascinantes da natureza, o eclipse solar total, que ocorre quando as órbitas do sol e da lua se cruzam e o satélite passa entre o sol e a Terra. Quando a lua cobre o sol, bloqueia os raios solares e faz uma sombra na Terra.

Desta vez, a faixa de totalidade do fenômeno, ou seja, a faixa de terra que ficará na penumbra, cruza os Estados Unidos. Serão 2 minutos e 40 segundo de completa escuridão para quem estiver entre Salem, no Oregon, e a cidade de Charleston, na Carolina do Sul.

Observadores que estiverem fora dessa região, a 3 mil quilômetros acima ou abaixo dessa faixa, poderão observar um eclipse solar parcial, em que a lua cobre parte do disco do Sol. No Brasil, os moradores das regiões Norte e Nordeste poderão avistar o fenômeno entre 12h46 e 18h04, horário de Brasília. No extremo norte do país, a previsão é que a escuridão chegue a 50%.

Quer acompanhar o eclipse desta segunda-feira? O Portal Amazônia traz uma lista com os melhores horários para acompanhar o fenômeno nos estados da região amazônica.

Confira:
Foto:Reprodução/Climatempo

Semana do Meio Ambiente oferece observação astronômica noturna neste fim de semana

Foto: Divulgação/Inpa
Quem gosta ou tem interesse de observar o céu terá uma boa oportunidade neste fim de semana. No sábado e domingo (10 e 11), o visitante do Bosque da Ciência do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) poderá ver através de dois telescópios os astros visíveis – como estrelas e planetas. Serão duas horas de observação astronômica noturna, com a atividade acontecendo das 19h às 21h.

A observação astronômica é gratuita e faz parte da programação da Semana do Meio Ambiente do Inpa. A “experiência” com os corpos celestes será conduzida pelos monitores do Clube de Astronomia da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), que é um projeto de extensão da Instituição. Meia hora antes, nos dois dias, terão início as caminhadas noturnas para observação de pássaros.  Durante toda a semana uma variada programação está acontecendo no bosque.

De acordo com um dos coordenadores do Clube de Astronomia da Ufam, Vinícius da Costa, do 3ª período do curso de Física, atualmente é possível ver, Júpiter e Saturno, os dois maiores planetas do sistema solar, e no sábado, a partir das 19h, o público poderá acompanhar o nascimento da lua na fase minguante. “Também poderemos ver aglomerados de estrelas, como o Ômega Centauri que o maior aglomerado globular conhecido”, adianta Costa.

Na oportunidade, será possível conhecer como funciona o universo, trocar experiência com os observadores de astronomia amadores e ainda tirar dúvidas com os monitores. Atividade semelhante o Clube de Física oferece todas as quartas-feiras, às 18h, no campo de futebol, da Faculdade de Educação Física da Ufam. A proposta do Clube é aproximar a Astronomia da população.

Curiosidade

Uma curiosidade sobre registros astronômicos aqui no Amazonas é o fato ocorrido na manhã de 13 de agosto de 1930, na região do rio Curuça, próximo à fronteira com o Peru, quando meteoritos explodiram pouco acima do solo e abriram um cratera de 1 quilômetro de diâmetro na floresta amazônica. O relato é encontrado no livro História da Astronomia no Brasil, disponível gratuitamente no site do Museu Nacional de Astronomia e Ciências Afins (Mast/MCTIC).

Inscrições

Todas as atividades realizadas em grupo na Semana do Meio Ambiente do Inpa – como caminhadas para observação de pássaros, trilhas para observação de insetos, observação astronômica e oficina para maquiagem sustentável intuitiva – precisam de inscrição.

Os interessados podem se inscrever pelo email  [email protected] ou ligar para (92) 3643-3135, exceto para a oficina de maquiagem que é feita diretamente com o instrutor, o biólogo e artista Emerson Pontes (Uýra), por meio dos seguintes contatos: [email protected] ou (92) 99425-5511.