Região Norte tem o menor número de casos de dengue do País


Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos PúblicasMANAUS – O Norte é a região que tem menos casos de dengue no país. Foram 30 mil casos registrado, número 30 vezes menor que na região Sudeste. Esses foram os dados divulgados pelo Ministério da Saúde como resultado do Levantamento Rápido de Índice Aedes Aegypti (LIRAa). A pesquisa mostra os novos números de dengue e chikungunya no Brasil.De acordo com dados, a região Norte tem uma diminuição nos casos de dengue. No entanto, no todo, o Brasil registra aumento de casos em 2015. Até a metade de novembro, ultrapassaram 1,5 milhão. Um aumento de 176% em relação ao mesmo período do ano passado.Até novembro foram registrados 1.534.932 casos de dengue, que mataram 811 pessoas.  Em 2014 foram 555.462 casos com 453 mortes. Se comparar o ano de 2015 ao de 2013, quando aconteceu uma epidemia da doença, houve aumento de 7% nos registros de pessoas infectadas pela dengue.Na região Norte e Sul, o lixo foi o local com maior número de focos encontrados. No Nordeste, o tonel e caixa d’água, foram identificados como o principal criadouro do mosquito. No Sudeste e Centro-Oeste foram os vasos de plantas e garrafas.
O ministro da Saúde, Marcelo Castro, pediu a mobilização da sociedade e dos agentes públicos para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Ele lembrou que o mosquito agora transmite também a febre chikungunya e o vírus Zika.
O secretário de Vigilância em Saúde, Antônio Nardi, disse que é preciso ficar alerta não apenas no verão, quando ocorre o pico da doença. “O mosquito está se fortalecendo, se adaptando às condições climáticas, ficando mais resistente e exigindo de nós e de toda a sociedade uma mudança de comportamento no sentido de não deixá-lo se desenvolver”, disse.
A estatística de índices para Aedes aegypti, do Ministério da Saúde, realizada em outubro e novembro, cobre 1.792 cidades.
Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Censo Demográfico: quilombolas rondonienses tem idade mediana um ano a mais que população total

Na região norte, o maior índice de envelhecimento dos quilombolas foi apresentado por Mato Grosso (76,93) e os menores foram no Amazonas (23,4) e Amapá (28,96).

Leia também

Publicidade