Líder Yanomami pede que papa Francisco ajude Lula a salvar seu povo

Davi Kopenawa se encontrou com papa Francisco no vaticano. Invasão das terras Yanomami por garimpeiros ilegais tem causado desnutrição e mortes

O líder Yanomami Davi Kopenawa se encontrou com o papa Francisco nesta quarta-feira (10) para pedir apoio aos esforços do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em salvar o seu povo.

Os yanomami, cuja população é estimada em cerca de 31 mil pessoas, vivem na maior Terra Indígena do Brasil, nos Estados de Roraima e Amazonas. A invasão das terras por garimpeiros ilegais tem causado desnutrição e mortes.

Foto: Vatican Media/Divulgação

“Pedi ao papa (para) dar apoio ao governo Lula, porque Lula precisa de companheiros. Sozinho não consegue. A política não quer que Lula resolva”, disse Kopenawa aos repórteres.

“O papa falou que vai conversar com ele.” 

Kopenawa, um xamã que cofundou e preside a Hutukara Associação Yanomami (HAY), que faz campanha pelos direitos indígenas e pela preservação da Amazônia, encontrou-se com Francisco no Vaticano.

Ele mencionou a contaminação da água por mercúrio – usado por garimpeiros na mineração ilegal – como uma das maiores ameaças à sua comunidade, junto do desmatamento para a criação de gado e o cultivo da soja.

Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontou contaminação por mercúrio em nove aldeias do território Yanomami, a partir de amostras de cabelo de cerca de 287 indígenas coletadas em outubro de 2022.

O território Yanomami, uma área aproximadamente do tamanho de Portugal, tem sido invadido por garimpeiros há décadas, mas as incursões destrutivas se multiplicaram nos últimos anos, quando o ex-presidente Jair Bolsonaro desmantelou proteções ambientais.

Desde sua posse no ano passado, Lula tem liderado esforços para expulsar os garimpeiros ilegais do território. Em janeiro, o governo anunciou 1,2 bilhão de reais em ajuda para áreas indígenas.

Francisco tem feito da defesa do meio ambiente um dos pilares de seu papado e condenado repetidamente o saque de recursos naturais na Amazônia e em outros lugares.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Riqueza botânica do Parque Estadual da Serra dos Martírios é registrada em livro 

O livro é fruto do trabalho de sete pesquisadores do Ideflor-Bio, da Embrapa Amazônia Oriental e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Leia também

Publicidade