Manaus 30º • Nublado
Domingo, 17 Outubro 2021

O Instagram vai mudar, e a sua empresa?

Nos primórdios das redes sociais, tivemos o finado Orkut a maior febre entre os jovens e posteriormente os pais, avós, tios etc, naquele tempo a forma de consumo de conteúdo é muito diferente da que nós temos hoje, as ideias de monetização também eram restritas às tecnologias e limitações da época, mesmo com o crescimento do Orkut em 2008 com 32,7 milhões de usuários apenas no Brasil, que viabilizaram a criação de um escritório da plataforma em terras brasileiras, não impediu que a rede social perdesse espaço para o Facebook que rapidamente dominou até os dias atuais a atenção das pessoas.

Ponto interessante a tocar sempre como especialista em neuromarketing é atentar-se à forma de consumo, em 2008 no auge do Orkut existiam blogs de diversos nichos e dependendo dos acessos, políticas e alguns outros fatores você monetizava através do Google Adsense, mas isso é assunto para outro artigo, naquela época o consumo de informação era muito diferente do que é hoje, as pessoas paravam na frente do computador para consumir, ler, estudar, comparar, entender, descobrir etc.

Foto: Reprodução/internet

Entender como seu público alvo consome, é o segredo pra poder ofertar melhor seu produtos ou serviço, hoje a atenção das pessoas está muito volátil diante de tantas ofertas de sites, blogs, jornais digitais, apps etc. Anos atrás lojas de roupas femininas por exemplo, vendia muito já alcançando marcas de 6 dígitos só com texto e fotos nos blogs, hoje esse formato não vende como antes, esse foi um dos erros do Orkut que não entendeu a mudança de comportamento e necessidades da base.

Geralmente este erro de não entender o comportamento de consumo está atrelado ao de não inovar, que corrobora-se pelas palavras do próprio criador do Orkut, o engenheiro de software Orkut Büyükkökten "É muito importante inovar sempre e manter-se em contato com as gerações, padrões de uso e temas sensíveis à comunidade. As redes sociais que não evoluem ao longo do tempo correm o risco de ficar desatualizadas ou irrelevantes"

Entenda que se retirarmos a palavra REDES SOCIAIS e colocássemos EMPRESAS não estaria correto também?

Todos conhecemos o sucesso do Instagram que desde 2011 foi comprado pelo Facebook por 1 Bilhão de dólares, e sabendo dessas cifras podemos deduzir que interesse o comprador tem. O instagram tornou-se a 5ª rede social mais popular do mundo segundo o relatório da OpinionBox, com 1 bilhão de usuários ativos e +500 milhões acessos à plataforma todos os dias, com a marca expressiva de 50% utilizando várias vezes ao dia.

Já numa pesquisa mais específica, 86% dos entrevistados gostam muito no formato stories, aqueles vídeos temporários de 15", que representa uma marca interessante de comportamento onde 38% assiste stories várias vezes ao dia. Se você ainda não se convenceu, 82% segue alguma marca ou empresa, 78% não possuem conta comercial e já comprou algo que descobriu representando 52% dos entrevistados.

Em relação ao anúncios patrocinados, 43% se interessa e 12% clica nos anúncios para comprar, 54% acham que os anúncios tem a ver com seus interesses. Em uma outra vertente de mídia os influenciadores influenciam e muito, representando a marca de 67% dos entrevistados seguem influenciadores de 55% compram por indicação deles, perceptível que os negócios penetraram muito bem no instagram melhorando a experiência do cliente, acessibilidade, facilidade em utilizar, tornando cômodo para o usuário permanecer na plataforma.

Antes de falar das mudanças que ocorrerão em breve no instagram, quero lembrar de mais alguns dados interessantes como o do Reels que foi testado inicialmente no Brasil para oficialmente ser lançado em mais de 50 países, onde 74% gostam muito desta modalidade e 77% assistem e gostam de Lives. No Brasil as lives são geralmente de conteúdos, debates, discussões, mas na China em plataformas de marketplace as empresas e revendedores fazem LIVE SHOP onde mostram benefícios, promoções, características, formas de pagamentos, funções enfim, elevam ao máximo a percepção de qualidade e diferenciais destes produtos que eles vendem por si só.

Recentemente, o head do instagram anunciou algumas mudanças no algoritmo da plataforma e já era de se esperar, já que algumas mudanças comportamentais externas e internas no app foram muito evidentes, o algoritmo terá o foco em vídeos. Assim como o reels quando entrou pro instagram tinha mais visualizações como forma de testar e incentivar o uso da funcionalidade, tudo a partir de agora terá o foco em movimento, vídeos, reels, stories, feed em vídeo etc.

Então se você não tinha um planejamento de conteúdo, a partir de agora é interessante que você tenha e não fique de fora dos avanços mercadológicos, aproveitando a audiência das pessoas que estão nas redes sociais, utilize disto para aumentar sua visibilidade de forma inteligente e atrativa, foque em conteúdos em vídeos, utilize mais plataformas de apoios como YouTube mas não cometa o erro do Orkut, entenda onde está a atenção do seu público o comportamento de consumo, refaça a estratégia e execute, só não perca a chance pois o mercado não espera!


Aldo Melo

É Mercadólogo, Pós-graduado em Metodologia do Ensino Superior, MBA Executivo em Administração e Negócios, Esp. em Neuromarketing. Fundador da Agência Conectar - Comunicação e Marketing.

Veja mais notícias sobre O mercado não espera!.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 17 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/