Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sexta, 29 Mai 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/

Realidade alarmante: violência contra a mulher se extende para o meio digital

Realidade alarmante: violência contra a mulher se extende para o meio digital
 A violência contra as mulheres está presente tanto no ambiente virtual, quanto fora dele. Porém, a reprodução dessa violência no âmbito online Alcança novos caminhos. Com o avanço das redes sociais, a quantidade e impacto desses ataques têm aumentado de maneira relevante nos últimos anos. Segundo dados da Central de Denúncias da ONG Safernet, em 2018 , foram processados mais de 16 mil denúncias anônimas de violência ou discriminação contra mulheres.


O debate sobre a violência de gênero é algo que ganhou mais visibilidade nos últimos anos. Em 1994, durante a Convenção Interamericana para Previnir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher, realizada em Belém (PA), ficou decidido que qualquer ato ou conduta baseada no gênero, que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico a mulher, tanto na esfera púbica como na privada é considerada um caso de violência de gênero.

Foto: Reprodução/Shutterstock

Já a violência de gênero via Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) é classificada como atos que são cometidos, instigados ou agravados, de forma parcial ou completa, pelo uso de tecnologias, como por exemplo, chats, redes sociais e blogs. O ato impacta diretamente mulheres que dependem do uso das TICs para conduzir seus trabalhos ou até que se tornar mais expostas devido a sua profissão.

Conscientização


O tema foi debatido durante a 9ª edição do Fórum da Internet no Brasil, promovido pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br). A palestra abordou a violência digital contra as mulheres, e contou com a participação da ONG Artigo 19, criada em 1987 para promover o direito à informação e liberdade de expressão em todo o mundo.


De acordo com a responsável pelo programa de proteção e segurança da ONG Artigo 19, Barbara Eleonora, o ataque que as mulheres e a comunidade LGBTQI+ sofrem através das redes sociais é um fenômeno mundial. “A violência no mundo online e offline estão correlacionados. As pessoas acham que por estar atras de um avatar, o ataque de alguma maneira se torna abstrato, outros acham que a vitima está exagerando. Atualmente, existe uma desvalorização do que é a saúde mental”, comentou.

Foto: Reprodução/Shutterstock
 

Tipos de violência

Entre os tipos de violências sofridos pelas mulheres na internet estão: pornô de vingança, invasão de páginas e perfis, censura, roubo de identidade, impedimento de acesso, ataques massivos, descrença, abuso sexual, extorsão, divulgação de informações pessoais, vigilância, uso indevido de imagens, controle e manipulação, fake news, fotos sexuais não solicitadas, perseguição, discurso de ódio, doxxing, dog pilling, entre outros. Os dados envolvendo a violência na internet são alarmantes.

Segundo o site Genderit, mulheres e LGBTQI+ de até 30 anos são os mais vulneráveis a esse tipo de ataque. Cerca de 33% das vitimas relataram problemas emocionais que afetaram a vida online e offline. Um dos dados mais alarmantes é de que 40% dos ataques sofridos na internet vieram de pessoas próximas. Para a analise, foram estudados mais de 1.126 casos de internautas que sofreram algum tipo de violência na rede.

Na opinião da defensora pública, Rita Lima, a falta de informação sobre os direitos das mulheres é o principal obstáculo para que mais casos sejam notificados. “Infelizmente, muitas mulheres ficam com medo de denunciar seus agressores e desconhecem quais são suas opções de ajuda. Como defensora pública, eu peço que qualquer pessoa que passou por uma situação de violência na internet procure a defensoria, nós trabalhamos em rede, ou seja, teremos uma gama de fontes que poderão ajudar. Mas lembrando que cada caso requer uma medida diferenciada”, explicou.

Veja mais notícias sobre Mulher.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 29 Mai 2020
No Internet Connection