Manaus 30º • Nublado
Terça, 23 Abril 2024

Guia inédito de primatas que vivem na TI do povo Paiter-Suruí é criado por biólogo indígena

Guia de primatas. Foto: Fabrício Paiter
Os primatas da reserva indígena Sete de Setembro no interior de Rondônia, onde vivem os povos indígenas da etnia Paiter, foram catalogados em um guia inédito que contabiliza e identifica as espécies, baseados nos saberes científicos e tradicionais do povo Paiter.

O trabalho é fruto da dissertação de mestrado defendida pelo recém-mestre em Ciências Biológicas, Fabrício Paiter Suruí, sobre a Ethnoprimatologia do povo Paiter-Suruí. O estudo fez com que Fabrício se tornasse o primeiro Ethnoprimatólogo indígena no Brasil.

Os primatas catalogados habitam o território Sete de Setembro na região entre os municípios de Cacoal, Espigão D'Oeste e Rondolândia, nos estados de Mato Grosso e Rondônia: onde vive o povo Paiter-Suruí.

A montagem do trabalho contou com a colaboração de diversos pesquisadores não indígenas da áreas de mastozoologia, primatologia, ilustrador; especialistas tradicionais indígenas e velhos anciãos que vivem no território e que contribuíram para a catalogação.
Terra indígena Sete de Setembro. Foto: Fabrício Paiter

No processo de criação, todos cruzaram informações à respeito dos primatas, o que, segundo Fabrício, foi essencial e garantiu com que os resultados da pesquisa fossem relevantes e úteis para a conservação da biodiversidade e o bem-estar das comunidades indígenas.

Segundo o criador, o guia disponibiliza um material didático que valoriza e fortalece o conhecimento tradicional dos povos originários auxilia na conservação dos primatas que habitam a reserva Sete de Setembro. 

De acordo com Fabrício, o guia será uma ferramenta valiosa para educar e inspirar outras pessoas a apreciarem e proteger a biodiversidade e a cultura do Povo Paiter.

"Certamente representa um marco importante na minha carreira acadêmica e na preservação da cultura que combina o estudo dos primatas para compreensão das interações entre esses animais e o povo" 

pontuou.
Fabrício Paiter Suruí. Foto: Arquivo pessoal

Fabrício também contou que pretende continuar desenvolvendo outros trabalhos pautados em ciência e saberes indígenas para o presente e o futuro no local e regiões. Segundo o pesquisador, quando se une conhecimentos científicos com as ricas tradições e perspectivas dos povos indígenas, não apenas enriquece o campo da ciência, mas também fortalece a valorização e preservação das culturas e territórios dos povos originários. 

Acesse o guia AQUI.

*Por Marcos Miranda, do g1 Rondônia

Veja mais notícias sobre NotíciasEducaçãoRondônia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 23 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/