Manaus 30º • Nublado
Sábado, 24 Fevereiro 2024

Produção de bicicletas registra queda no Amazonas

Produção de bicicletas registra queda no Amazonas

produção de bicicletas no Polo Industrial de Manaus (PIM) registrou queda de 11,5% em 2016 em comparação a 2015.  Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares  (Abraciclo), no último ano foram fabricadas 669.729 bicicletas, enquanto em 2015 o quantitativo chegou a 757.045  unidades. Os empresários estimam melhores resultados em 2017 com o crescimento nas vendas em resposta às ações implementadas no cenário econômico pelo governo federal e ainda, pela busca de cliente por uma melhor qualidade de vida a partir da prática de exercícios físicos.

Conforme os dados divulgados ontem pela Abraciclo, na comparação mensal, em dezembro de 2016 foram fabricadas  15.245 bicicletas, enquanto em novembro esse saldo chegou a 68+850 unidades. A redução chegou a 77,9%. Em relação a dezembro de 2015, os números apresentaram crescimento de 191,5%.

O gerente da Sense Indústria de Bicicletas da Amazônia Ltda, Joel silva, afirma que devido a empresa estar em fase  de consolidação das atividades no PIM há maior reforço nos investimentos estrutural, em marketing, projetos de  divulgação ação a nível nacional e qualidade dos produtos. Com o resultado, a fabricante contabiliza crescimento nas vendas. A indústria, que chegou a Manaus em 2014 ,contabilizou avanço de 30% na produção de 2016 em relação a 2015. “Estamos em fase de consolidação da marca no mercado local e nacional. O mercado está em retração, mas investimos dentro do que o mercado permite, em marketing e projetos de divulgação no país. Buscamos parceiros estratégicos e procuram os trabalhar um produto com conceito e qualidade”, disse Silva.

As bicicletas produzidas pela Sense são comercializadas em todos os Estados. De acordo com o empresário, nas primeiras semanas de janeiro deste ano as vendas em Manaus registraram crescimento de 100% em relação a dezembro de 2016 .

Trabalham os com o volume produtivo de 3 mil bicicletas ao mês. Estamos tendo boa aceitação ao produto. Acredito que a consolidação está ligada ao diferencial do produto que é a qualidade e ageometria” , afirmou.

Foto:  Walter Mendes/Jornal do Commercio

Na avaliação do vice-presidente da Federação da Indústria do Estado do Amazonas (Fiam) , Nelson Azevedo, o período de retração ainda atinge a todos os segmentos produtivos, inclusive, ao de duas rodas, o que segundo ele, justifica a queda na produção registrada pela Abraciclo.

Azevedo acredita que o investimento do cliente em uma melhor qualidade de vida, com a compra de uma bicicleta para a prática de atividades físicas, deverá contribuir com o crescimento na demanda pelo produto. O empresário também disse que as medidas econômicas adotadas pelo governo federal devem gerar melhores índices no cenário nacional e consequentemente no âmbito estadual. “ Em Manaus já vem os grupos de ciclistas que se reúnem para pedalar. Também vemos lugares onde a prática desse esporte acontece em lugares com o praças e orlas e tudo isso contribui para a compra de um a bicicleta. Porém , o movimento dos ciclistas acontece com maior intensidade em outras regiões do Brasil onde as pessoas utilizam a bicicleta até com o meio de transporte para o trabalho ou escola. Com certeza, após esse período de crise econômica teremos crescimento no volume de vendas desse item ” , considera.

O vice-presidente do segmento de Bicicletas da Abraciclo, João Ludgero, ressalta que no último trimestre de 2016 a associação registrou uma melhora nas vendas, no ânimo dos clientes e na maior demanda por produtos de maior valor agregado. Ele prevê crescimento nas vendas. “ As condições de competitividade do PIM, aliadas aos novos investimentos das associadas e oportunidades de mercado, permitem uma perspectiva de crescimento na ordem de 19 % para este ano”, acrescenta o executivo.




As fabricantes de bicicletas de todo o território nacional exportaram 8.423 unidades em 2016 , correspondendo a um aumento de 27,4% sobre o volume exportado no ano anterior, que havia totalizado 6.613 unidades, conforme dados apurados pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) e analisados pela Abraciclo. 

Os três principais destinos das bicicletas brasileiras em 2016 foram : Paraguai, com 4.192 unidades ante 2.960 unidades em 2015; Bolívia, com 2.962 unidades ante 1.19 3 unidades; e Uruguai, com 778 unidades ante 1.500 unidades. A maior variação anual envolveu os volumes exportados para a Bolívia, que evoluíram 148,3 %.

As empresas brasileiras em geral importaram 13 5.153 bicicletas no ano passado, o que significou uma queda de 44,4% em relação ao volume importado em 2015 (243.175 unidades), de acordo com levantamento do Mdic analisado pela  Abraciclo. 

Os três principais fornecedores destes produtos para o mercado brasileiro em 2016 foram China, com 115.841 unidades ante 217.607 unidades no ano anterior; Taiwan, com 11.013 unidades ante 19.197 unidades; e Portugal, com 3.918 unidades ante 947 unidades. O destaque em variação anual foi Portugal, com crescimento de 313,7% nas vendas para o Brasil, de 2015 para 2016.

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 24 Fevereiro 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/