Curso de edição de fotografia oferta 30 vagas gratuitas no Amapá

Devido à pandemia do novo coronavírus, a edição do curso deve contar somente com aulas virtuais que, após o término, podem ser acessadas novamente pelos alunos

Na segunda-feira (28), o Centro de Gestão da Tecnologia da Informação do Amapá (Prodap) abre inscrições para um curso on-line e gratuito de edição de fotografia. São oferecidas 30 vagas. Os cadastros podem ser feitos até sexta-feira (2), pela internet, no endereço processoseletivo.ap.gov.br.

Devido à pandemia do novo coronavírus, a edição do curso deve contar somente com aulas virtuais que, após o término, podem ser acessadas novamente pelos alunos. Do total das vagas, 5% são destinadas a pessoas com necessidades especiais. Confira o edital.

Foto: Divulgação

 Para se inscrever, o interessado deve possuir no mínimo 16 anos de idade, e conhecimentos básicos de sistemas operacionais, bem como acesso à internet, e ter conhecimento em fotografia.

A seleção dos candidatos acontece em 2 etapas: a primeira de caráter classificatório, com análise das informações enviadas na inscrição; e a segunda de caráter eliminatório, quando serão comprovados os dados e atribuída pontuação.

O curso ensinará como editar na plataforma “Lightroom”, envolvendo todo o processo de criação através de módulos como: gerenciamento e classificação de arquivos; revelação digital de um arquivo RAW e configurações avançadas do programa.

O resultado preliminar dos inscritos selecionados está previsto para o dia 6 de outubro, e o final no dia 9 de outubro. O curso, que integra o Projeto Cidadão Digital, possui carga horária de 12 horas. As aulas estão previstas para começarem no dia 19 de outubro.

O curso contém avaliações, que devem acontecer no próprio ambiente virtual. Para a conclusão do curso e certificação, o aluno deverá cumprir o mínimo de 75% de frequência.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Censo Demográfico: quilombolas rondonienses tem idade mediana um ano a mais que população total

Na região norte, o maior índice de envelhecimento dos quilombolas foi apresentado por Mato Grosso (76,93) e os menores foram no Amazonas (23,4) e Amapá (28,96).

Leia também

Publicidade