Manaus 30º • Nublado
Sexta, 01 Março 2024

Sete municípios da calha do Solimões entram em 'atenção' por causa da cheia

Sete municípios da calha do Solimões entram em 'atenção' por causa da cheia
A Defesa Civil do Amazonas (Defesa Civil - AM), por meio do Centro de Monitoramento e Alerta do órgão (Cemoa), emitiu nesta terça-feira (14), um informativo hidrometeorológico que coloca a região do Alto Solimões em 'Situação de Atenção'. O procedimento padrão informa as prefeituras o cenário atual das cidades e cobra medidas preventivas para o enfrentamento de uma enchente de proporções significativas.

“Nesta fase preventiva, realizamos o acompanhamento hidrológico e climatológico das regiões e orientamos às prefeituras quanto à apresentação do plano de contingência, que compreende, entre outros itens, o levantamento de pessoas que podem ser afetadas e possíveis danos socioeconômicos nas cidades”, informou o Secretário Executivo do órgão, coronel Fernando Pires Júnior.

A 'Situação de Atenção' é o primeiro estágio de um desastre, que pode evoluir para um Alerta e posteriormente para uma Situação de Emergência, e foi emitido para os municípios de Tabatinga, Benjamin Constant, São Paulo de Olivença, Amaturá, Santo Antônio do Iça, Tonantins e Atalaia do Norte.

Monitoramento

De acordo com o Cemoa, baseado em dados fornecidos pelo Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), a região do Alto Solimões é afetada pelas de chuvas das cabeceiras do rio Amazonas, que causam elevação gradual do rio Solimões. As previsões meteorológicas indicam ainda o aumento das precipitações naquela área. A região também recebe a influência de países vizinhos como Bolívia, Equador e Peru, que devem receber grande volume de chuvas nas próximas semanas.

No ciclo natural da enchente, o pico máximo da região do Alto Solimões ocorre em maio. Hoje, em Tabatinga, o nível do rio chegou a 11,65m, faltando 2,17m para atingir o nível máximo, que é de 13,82, registrado em 28 de maio de 1999.

Primeira resposta

Como parte do Sistema Nacional de Defesa Civil, o executivo municipal é o responsável legal pela primeira resposta ao desastre. Em Atalaia do Norte, por exemplo, pontes de madeira já estão sendo construídas para garantir o acesso da população ás casas.

Juruá

Na calha do Juruá, dois municípios (Guajará e Ipixuna), já estão em Situação de Emergência, afetando 2.562 famílias. O Governo do Estado, por meio da Defesa Civil, enviou 12 toneladas de ajuda humanitária às cidades. O material já saiu do município polo em Eirunepé, com destino as cidades afetadas.

A ajuda humanitária é composta por alimentos não perecíveis, kit´s de medicamentos para a saúde básica, e para prevenir doenças de veiculação hídrica, hipoclorito de sódio para a purificação da água, kit´s dormitório e de higiene pessoal.

As cidades de Juruá, Carauari, Itamarati, Eirunepé e Envira permanecem em Situação de Alerta, com possibilidade de evolução para Situação de Emergência.

Balanço da Enchente em 2017:

SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA

1 - Guajará (calha do Juruá)
2 – Ipixuna (calha do Juruá)

Famílias afetadas: 2.562

SITUAÇÃO DE ALERTA

1 - Juruá (calha do Juruá)
2 - Carauari (calha do Juruá)
3 - Envira(calha do Juruá)
4- Eirunepé (calha do Juruá)
5 - Itamarati (calha do Juruá)

SITUAÇÃO DE ATENÇÃO

1 - Tabatinga (calha do Solimões)
2- Benjamin Constant (calha do Solimões)
3- São Paulo de Olivença (calha do Solimões)
4- Amaturá (calha do Solimões)
5-Santo Antônio do Iça (calha do Solimões)
6-Tonantins (calha do Solimões)
7- Atalaia do Norte (calha do Solimões)

Veja mais notícias sobre Cidades.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 01 Março 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/