Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Domingo, 11 Abril 2021

Mais de cem indígenas foram assassinados em 2017 no Brasil, aponta Conselho Indigenista

Mais de cem indígenas foram assassinados em 2017 no Brasil, aponta Conselho Indigenista
Cento e dez indígenas foram assassinados em 2017. É o que aponta relatório divulgado nesta quinta-feira pelo Cimi Conselho Indigenista Missionário. O documento também destaca que ocorrências de apropriação indevida das terras tradicionais, casos de suicídio e mortalidade na infância continuam a preocupar. As informações são da Agência Brasil.
Foto:Marcello Casal jr/Agência Brasil
O Relatório Violência contra os Povos Indígenas no Brasil constatou um aumento na maioria dos 19 tipos de violência contra a pessoa, o patrimônio e a omissão do poder público.

De acordo com o Cimi, ano passado, foram registrados oito assassinatos a menos que em 2016.

Mas conselho ressalta que usa dados repassados pela Secretaria de Saúde Indígena e que a própria Sesai informou que os números são parciais pois ainda há possibilidade de receber notificação de novos assassinatos.

De acordo com a antropóloga Lucia Rangel e uma das organizadoras do estudo, os assassinatos estão relacionados diretamente com os conflitos de ocupação de terras.

O Cimi identificou 20 conflitos relativos aos direitos territoriais em 2017.

Entre os destaques, o ataque de 200 pessoas contra o povo Akroá-Gamella, no Maranhão. Dois indígenas foram baleados e outros dois tiveram as mãos decepadas.

Laércio Gamela destaca que a comunidade pretende resistir e conquistar o território.

Os três estados responsáveis por 70 por cento dos assassinatos de indígenas são Roraima, Amazonas e Mato Grosso do Sul.

Com relação as mortes por omissão do estado, o Cimi apontou 702 casos de mortalidade na infância.

Outra questão considerada dramática pelo Conselho é a quantidade de registros de suicídio: 128 casos, um aumento de 20 por cento em um ano. Segundo o ministério da Saúde, a taxa de suicídios entre indígenas é 3 vezes superior à média do país.

Antes de embarcar, os venezuelanos passam por procedimentos de regularização de documentos e atualização da caderneta de vacinação.

O major Tássio de Oliveria, chefe de Comunicação da Operação Acolhida, diz que as metas do programa de interiorização estão sendo cumpridas.

Veja mais notícias sobre Cidades.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 12 Abril 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/