Manaus 30º • Nublado
Domingo, 27 Novembro 2022

Acerto de contas e disputa por poder motivaram mortes em presídio de Roraima

Acerto de contas e disputa por poder motivaram mortes em presídio de Roraima
A morte de 31 presos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc) em Roraima foi motivada por uma disputa de poder entre facções criminosas, segundo o secretário de justiça e cidadania do Estado, Uziel Castro. Em entrevista à rádio CBN, no início da tarde desta sexta-feira (6), ele disse que, ao contrário do que foi dito pela secretaria pela manhã, acerto de contas e disputa por poder motivaram mortes no presídio.

"Nós imaginamos que foi um acerto de contas entre membros de uma mesma facção criminosa porque nós conseguimos, aqui em Roraima, no dia 3 de novembro, fazer uma separação de facções. Então, membros de uma facção não se misturam com outra. Temos dois presídios grandes, onde estão separados os membros", disse à rádio.

Castro também afirmou que as vítimas da matança não pertenciam a nenhum grupo criminoso. "Pelo que preliminarmente nós verificamos, os que foram mortos não tinham ligação, não eram registrados, batizados, pertencentes a organização criminosa PCC e também não eram do Comando Vermelho", disse. "Nós encaramos como uma disputa interna pelo poder, uma rivalidade entre membros, e uma barbaridade o que houve, foi uma mortandade desmedida, uma crueldade sem tamanho de pessoas altamente violentas e uma perversidade muito grande".

"O que nós entendemos, através das investigações preliminares, é que foi uma disputa entre a própria organização, porque as pessoas que foram vitimadas, não pertenciam a nenhuma organização e eram neutras. Nós temos esse pensamento, que foi uma disputa interna entre poderes, uma rivalidade dentro da mesma facção", explicou.

Ainda segundo o secretário, o PAMC acolhe presidiários neutros e do Primeiro Comando da Capital (PCC). Ele também disse que, nos seis presídios de Roraima, os detentos que pertencem a grupos rivais, não se misturam. O serviço de inteligência do Estado já identificou 900 presos ligados a facções criminosas. Uziel explicou que os presos se identificam e se cadastram e, quando entram nos presídios, dizem de qual grupo são. Além disso, o governo também faz uma triagem para garantir que eles não se misturem.

"Antigamente, existia uma certa união entre as organizações criminosas, o que acontece é que o Estado demorou muito para aceitar o poderio dessas facções criminosas e agora não há como tapar o sol com a peneira. O que o Estado precisa fazer é combater essas facções criminosas com rigor e construir novos presídios, aumentando o efetivo de servidores e equipamentos", opinou dizendo que há dois anos, Roraima não tinha registro da presença de facções criminosas em presídios.*A Secretaria de Justiça e Cidadania de Roraima revisou o número de detentos mortos do massacre do Presídio Agrícola de Monte Cristo para 30 ao invés de 33 como havia informado no início das investigações.

Veja mais notícias sobre Cidades.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 27 Novembro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/