Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Segunda, 10 Mai 2021

Museu da Cidade funcionará em horário especial no feriado de domingo

Neste domingo, (8), o Museu da Cidade de Manaus funcionará em horário especial, das 9h às 14h (com última entrada às 13h20), devido ao feriado municipal do Dia da Nossa Senhora da Conceição, padroeira de Manaus. O espaço retomará sua atividade em horário normal, na terça-feira, (10), das 9h às 17h.

Foto: Divulgação

O museu está localizado no Paço da Liberdade, na Rua Gabriel Salgado, no Centro, em frente à Praça Dom Pedro II. A visitação é aberta de terça a domingo, das 9h às 17h, com entrada gratuita. Vale ressaltar que a última entrada para visitação acontece sempre às 16h20.



Escolas e grupos de turistas que queiram agendar visita podem entrar em contato pelo telefone (92) 3622-4991 e pelo WhatsApp (92) 98822-4497.

Autor amazonense Milton Hatoum lança livro ‘Pontos de Fuga’ na UEA, nesta sexta

O escritor amazonense Milton Hatoum, vencedor de prêmios nacionais e internacionais, estará, nesta sexta-feira (6), às 14h, no auditório da Escola Superior de Tecnologia da Universidade do Estado do Amazonas (EST/UEA) para o lançamento da obra “Pontos de Fuga”, segundo livro da trilogia “O Lugar Mais Sombrio” e também para um bate-papo com o público.

Foto:Rickardo Marques/Rede Amazônica

Neste volume, que tem o período marcado pela ditadura militar brasileira e pelos sonhos de liberdade, o protagonista deixa Brasília e retorna a São Paulo. Distante do pai opressor, dos amigos e de Dinah, atriz militante com quem tem uma relação amorosa, ele presencia a rigidez do regime autoritário no país, ao passo que prova as adversidades da vida adulta, sempre assombrado pelo misterioso desaparecimento de sua mãe.


Sobre o autor


Milton Hatoum nasceu em Manaus em 1952. Estudou arquitetura na Universidade de São Palo (USP) e estreou na ficção com “Relato de um certo Oriente”, publicado em 1989 e vencedor do prêmio Jabuti de melhor romance do ano. Seu segundo romance, “Dois irmãos”, de 2000, mereceu outro Jabuti e foi traduzido para 12 idiomas e adaptado para a televisão, teatro e quadrinhos. Com “Cinzas do Norte”, de 2005, Hatoum ganhou os prêmios Jabuti, Bravo!, APCA e Portugal Telecom. Em 2006, lançou “A cidade ilhada”, uma reunião de contos breves. É colunista dos jornais, O Estado de S. Paulo e O Globo. Em 2017, recebeu do governo francês o título de Officier de L’Ordre des Arts et des Lettres.


“Manaus 350 anos” é tema de exposição na Câmara dos Deputados

Como parte das comemorações relativas aos 350 anos da capital do Amazonas, pela primeira vez, uma exposição sobre Manaus foi instalada na Câmara dos Deputados, em Brasília. A mostra “Manaus 350 anos” é uma realização da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços (Cdeics) da Câmara dos Deputados, em parceria com a Prefeitura de Manaus, e está exposta no Espaço Mário Covas, no hall do Anexo II da Câmara, com visitação de 26 a 28 de novembro.
Foto:Divulgação/Manauscult


Vídeos, revistas de material turístico, balas de sabores regionais como cupuaçu e castanha para os visitantes e imagens de locais como o Teatro Amazonas, a Praça da Matriz e o Encontro das Águas compõem a exposição visual, que destaca os atrativos turísticos da cidade e o desenvolvimento tecnológico do Polo Industrial de Manaus (PIM).


Para o diretor-presidente da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Bernardo Monteiro de Paula, a realização da exposição no Congresso Nacional encerra o ano de comemorações dos 350 anos de fundação da cidade, dando também visibilidade à Zona Franca de Manaus, parte da formação da identidade do manauara.


“Esta é uma oportunidade de mostrarmos um pouco do que significa Manaus para a região Norte: sempre foi um forte polo econômico e que, desde a Copa Mundo FIFA de 2014, vem se consolidando como a metrópole da Amazônia, seja por ruas riquezas naturais incalculáveis, seja por sua cultura e identidade únicas, de diversidade de credos, expressões artísticas, sabores exóticos, ritmos singulares e prédios históricos que vêm sendo recuperados pelo poder público municipal. Por meio desta parceria institucional, realizada através do deputado Bosco Saraiva, a Prefeitura de Manaus promove o destino turístico Manaus no hub aéreo do Brasil, que é a capital federal, Brasília”, afirmou.

Foto:Divulgação/Manauscult


De acordo com o deputado federal Bosco Saraiva (Solidariedade/AM), presidente da Cdeics e idealizador da mostra, a proposta da exposição é apresentar a cidade de Manaus como destino turístico para a Amazônia. “A ideia surgiu do envolvimento que tenho com os movimentos culturais da cidade de Manaus e reconheço que precisamos documentar a trajetória da nossa cidade, reivindicando e promovendo o patrimônio histórico e cultural da cidade. Por isso, me sinto gratificado por ter apresentado uma série de reportagens que revelem aos jovens de Manaus a beleza e a grandeza da nossa cidade”, comentou.


A exposição segue no local com visitação até o dia 28 de novembro, sempre das 9h às 19h, no Espaço Mário Covas, no hall do Anexo II da Câmara dos Deputados – Brasília (DF).


Dia do Músico é celebrado na Estação das Docas com o Grupo Uirapuru

Nesta sexta-feira (22), a Estação das Docas recebe o Grupo de Expressões Parafolclóricas Uirapuru dentro do Projeto Pôr do Som, a partir das 18h30, na Orla do Armazém 3. A apresentação dará continuidade à programação alusiva ao Dia do Músico, comemorado em 22 de Novembro.
Foto:Divulgação/Grupo Uirapuru

No repertório, o público vai conferir carimbós feitos especialmente para o Grupo Uirapuru: Ver Belém e Vestido Estampado, além do Samba de Roda, ritmo típico da Bahia. Criado há mais de 30 anos, o Grupo Uirapuru surgiu das aulas de “Treinamento Folclórico” ministradas no Instituto de Educação Estadual do Pará (IEEP).


O projeto Pôr do Som é uma realização do Governo do Pará, por meio da Organização Social Pará 2000, que administra a Estação das Docas. A programação é gratuita.


A apresentação do Grupo Uirapuru no Projeto Pôr do Som. Dia 22 de novembro (sexta-feira), às 18h30, na Orla do Armazém 3 da Estação das Docas (Boulevard Castilhos França, s/n, Bairro da Campina). Entrada franca.


Centro Cultural Óscar Ramos recebe lançamento do livro ‘Meninos do Manaquiri’ nesta quinta

Recentemente inaugurado pela Prefeitura de Manaus, o Centro Cultural Óscar Ramos receberá nesta quinta-feira (21), às 19h, o lançamento do livro “Meninos do Manaquiri”, de Osíris M. Araújo da Silva. O espaço cultural, que sediará pela primeira vez um evento de lançamento, está situado na rua Bernardo Ramos, casas 69 e 77, no centro histórico, e estará aberto ao público no dia.


A obra de Osíris é um romance memorialista que conta com doses de humor, ironia, saudades e amor, enquanto narra uma viagem sentimental a um passado distante no Manaquiri, interior do Amazonas, onde os “Meninos do Manaquiri” viviam suas aventuras e descobrimentos, livre do controle direto dos pais, e em meio aos costumes e cultura dos moradores daquela região. A narrativa é baseada nas lembranças do próprio autor, que é um dos personagens.


“Restaram lembranças e saudades de um tempo em que estávamos vivos, plenos de vigor e capacidade de descobrir um mundo novo. O Manaquiri nos auxiliou bastante a compreender situações com as quais não tínhamos familiaridade, que nos ajudaram enormemente a construir vidas e personalidades desprovidas de hipocrisia e falsidade de caráter”, comentou Osíris.


Segundo o autor, o livro estará disponível para compra no dia do lançamento, no valor de R$ 50. “Para quem quiser adquirir a obra posteriormente, ela será vendida na livraria Leitura, do Amazonas Shopping. Futuramente também pretendemos lançá-la na plataforma digital”, complementou.


Sobre o autor
O economista e consultor de empresas Osíris M. Araújo da Silva é membro do Grupo de Estudos Estratégicos Amazônicos (Geea), do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas (Alcear), do Conselho Regional de Economia (Corecon/AM), do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA) e do Conselho de Gestão Estratégica da Prefeitura de Manaus.


Entre suas outras obras publicadas estão: "Gymnasianos" (2011), "Pan-Amazônia - Visão Histórica, Perspectivas de Integração e Crescimento" (2015), "Economia do Amazonas – Visões do Ontem, Hoje e Amanhã" (2016) e "Da Economia da Borracha à Zona Franca de Manaus – Uma Análise Comparativa", obra que está sendo editada e com lançamento previsto para 2020.


Centro Cultural Óscar ramos


Inaugurado no aniversário de 350 anos de Manaus, no dia 24 de outubro, o Centro Cultural Óscar Ramos é um espaço destinado para a promoção da cultura, que foi totalmente restaurado pela Prefeitura de Manaus para abrigar o acervo de um dos principais artistas amazonenses, Óscar Ramos, que morreu em junho deste ano.


O Centro Cultural está instalado nas casas 69 e 77,na rua Bernardo Ramos, no Centro. Construídas em 1819, as casinhas, feitas à base de taipa – barro e madeira – e pedra, foram consideradas umas das primeiras moradias de Manaus e carregam em sua arquitetura uma parte da história da cidade, do período colonial.


Festival Até o Tucupi’ começa nesta quarta, em Manaus

A décima quarta edição do “Festival Até o Tucupi” começa nesta quarta-feira (20), Dia da Consciência Negra, com o show “Drops Até o Tucupi de Negritude”, que reunirá Karen Francis, Anna Suav & Bruna BG, Ian Lecter, Kurt Sutil, Lua Negra e DJ Naty Veiga no palco do Teatro Amazonas, a partir das 20h.
Foto:Divulgação
A noite contará, ainda, com o show de lançamento do EP “Fruto do bem”, de Jéssica Stephens. O evento, que tem apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, tem classificação livre e entrada gratuita.

O Festival Até o Tucupi de Artes Integradas, que neste ano acontecerá de 20 a 23 de novembro, destaca artistas negros na programação e pulveriza atividades artísticas e de formação nas zonas central, norte e centro-oeste de Manaus. Toda a programação é gratuita e conta com Mostra de Música, oficinas, vivências, rodas de conversa, mostra audiovisual, entre outras atividades artísticas, que acontecerão no Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola, na Cidade Nova, zona norte de Manaus; e na sede do Coletivo Difusão, grupo realizador do evento, no Centro.


A Feira Urbana de Alternativas


FUÁ também integra o Festival, mobilizando feira criativa no espaço do Centro de Convivência, com gastronomia, feira de alimentos livres de agrotóxicos, feira de troca de livros e vinis, exposições artísticas, fotográficas e artes gráficas, design.

Difusão na Escola


No dia 21, o Coletivo Difusão apresenta a quarta edição do projeto “Difusão na Escola – Consciência Negra”, na Escola Municipal Professora Sônia Maria da Silva Barbosa, nos turnos da manhã e da tarde, com exibição de filmes e roda de conversas sobre temáticas raciais e apresentações artísticas.

Mostra de música


O Festival encerrará com a Mostra de Música, que terá participação de mais de dez artistas do Amazonas, Pará e São Paulo. As apresentações começam às 16h, na arena aberta e na área coberta do Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola.

Com forte presença de mulheres no line up, o Festival Até o Tucupi propõe paridade de gêneros nos palcos e destaca a presença das artistas Karen Francis, Renata Martins, a banda Pacato Plutão, que tem a cantora Cynara Lima nos vocais, além de conexão com a região norte, com show da dupla de rappers Anna Suav & Bruna BG, ambas com trabalhos consolidados na cidade de Belém/PA, que ainda convidam as rappers amazonenses Lary Go & Strela e Catarina.

O rock também tem presença garantida, em vertentes que vão do indie, passam pelo hardcore e o grunge, com as bandas Líbito, Alderia e Pacato Plutão.

No cenário rap, além das artistas de Belém, Anna Suav & Bruna BG, os amazonenses Ian Lecter e a banca Aposse92 – coletivo que reúne os rappers Kurt Sutil, Do Carmo, Jhonatan UE e Ligeirinho AM -, o Festival Até o Tucupi traz pela primeira vez a Manaus, o rapper paulista Raffa Moreira (autointitulado Aka BC Raffa), consolidado como ícone do subgênero ‘trap’ e fenômeno de hits como ‘Bro, faz sol’, ‘10K’ e a recente e controversa ‘Fah Fah Fah’.


PROGRAMAÇÃO COMPLETA

20/11 (quarta-feira)
20h – Abertura do Festival Até o Tucupi 2019 – Dia da Consciência Negra, com Karen Francis, Anna Suav & Bruna BG, Ian Lecter, Kurt Sutil, Lua Negra, DJ Naty Veiga e Jéssica Stephens
Local: Teatro Amazonas


21/11 (quinta-feira)
8h às 17h – Difusão na Escola ‘Consciência Negra’
Local: Escola Municipal Professora Sônia Maria da Silva Barbosa – Rua Monte Sião, s/nº, Cidade de Deus (zona norte)
19h às 21h – Oficina “Vivência em comunicação de festivais independentes”, com Anna Sauv
Local: Coletivo Difusão – Rua Joaquim Nabuco, 2092, Centro
Acesso: gratuito, com vagas limitadas a 20 pessoas


22/11 (sexta-feira)
14h às 20h – Ocupação no Difusão, com ações de formação e artística, roda de conversa, #MobilizaCultura
Local: Sede do Coletivo Difusão
19h às 21h – Oficina “Vivência em produção de festivais independentes”, com Elisa Maia e Michelle Andrews
Local: Coletivo Difusão
Acesso: gratuito com vagas limitadas a 20 pessoas


23/11 (sábado)
14h – Mostra Audiovisual e roda de conversas
Local: Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola (Cineteatro) – Rua Gandú, 119, Cidade Nova
16h às 22h – Mostra de Música, com Renata Martins, Trialis, Karen Francis, Lua Negra, Líbito, Alderia, Aposse92, Pacato Plutão, Anna Suav & Bruna BG (PA), Ian Lecter, Raffa Moreira (SP)
Local: Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola (Arena Aberta e Área de Coberta)

Festival de Ópera do Theatro da Paz apresenta concerto sinfônico da OSTP

O XVIII Festival de Ópera do Theatro da Paz apresenta mais um concerto da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP) nesta terça-feira (19), às 20h​, no Theatro da Paz. O espetáculo terá regência do maestro titular Miguel Campos Neto e conta com a participação dos alunos do ​primeiro Curso de Formação em Ópera.
Foto:Divulgação/Agência Pará


Para abrir o concerto, a orquestra apresenta a abertura da ópera "A Flauta Mágica" de Mozart, com ritmos contrastantes e vivos, além de obras dos italianos Giuseppe Verdi, Giacomo Puccini e Gaetano Donizetti.


Para o maestro Miguel Campos Neto, que também é diretor artístico do festival, a participação dos alunos do primeiro Curso de Formação em Ópera é fundamental como parte do processo de aprendizagem para atuar em alto nível em espetáculos operísticos.


"Tocar com uma orquestra profissional é muito importante para formação de um cantor, e além do caráter pedagógico, a participação deles tem um efeito de incentivo, de empolgação. É fundamental para o público saber que estão olhando futuros profissionais, como Adriane Queiroz, Atalla Ayan, dois paraenses e grandes nomes da ópera, que começaram da mesma forma, cantando papéis pequenos e foram crescendo", comenta Miguel.


O maestro acrescenta que além de produzir espetáculos, é uma diretriz também do Festival de Ópera promover a formação de agentes que atuam na área da cultura. “Então, estamos empenhados nisso, em formar bons profissionais do ramo operístico".


Programa


W. A. MOZART (1756 - 1791)

Abertura da Ópera “A flauta mágica”

A flauta mágica - Hm! Hm! Hm! Hm! (Quinteto)

1ª Dama: Ione Carvalho (soprano)

2ª Dama: Hosana Ramos (soprano)

3ª Dama: Denise Dacier (mezzo-soprano)

Tamino: Hugo Barbosa (tenor)

Papageno: Oséas Duarte (barítono)

 

Così fan tutte - La mia Dorabella (Trio)

Ferrando: Marcos Vigário (tenor)

Guglielmo: Ytanaã Figueiredo (barítono)

D. Alfonso: Milton Monte (barítono)

 

Così fan tutte - Soave sia il vento

Fiordiligi: Adriane Gabriele (soprano)

Dorabella: Denise Dacier (mezzo-soprano)

D. Alfonso: Oséas Duarte (barítono)

 

Così fan tutte - Alla bella Despinetta (Sexteto)

Fiordiligi: Kézia Andrade (soprano)

Dorabella: Elisabeth Moura (soprano)

Despina: Juliana Kreling (soprano)

Ferrando: João Carlos Prata (tenor)

Guglielmo: Ytanaã Figueiredo (barítono)

D. Alfonso: Milton Monte (barítono)

 
G. DONIZETTI (1797 - 1848)


L’Elisir d’amore - Una parola, o Adina (Dueto)

Adina: Kézia Andrade (soprano)

Nemorino: Alexsandro Brito (tenor)

Intervalo

L. VAN BEETHOVEN (1770-1827)

Abertura da Ópera Fidelio

 

Fidelio - Mir ist so wunderbar (Quarteto)

Marzelline: Dulcianne Ribeiro (soprano)

Leonore: Elizabeth Moura (soprano)

Jaquino: Josué Costa (tenor)

Rocco: Milton Monte (barítono)

 

G. PUCCINI (1858-1924)

La Bohème - In un coupè? … O Mimì tu più non torni (Dueto)

Rodolfo: Andrew Lima (tenor)

Marcello: Idaias Souto (barítono)

 

G. VERDI (1813-1901)

Rigoletto - Figlia! ... Mio padre! (Dueto)

Gilda: Ione Carvalho (soprano)

Rigoletto: Idaias Souto (barítono)

 

G. PUCCINI (1858-1924)

Intermezzo da Ópera Manon Lescaut

 

La Rondine - Bevo al tuo fresco soriso (Quarteto)

Magda: Lanna Bastos (soprano)

Ruggero: Andrew Lima (tenor)

Lisette: Rebeca Leitão (soprano)

Prunier: Mário Ícaro (tenor)


Serviço


A Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP) apresenta nesta terça-feira (19), às 20h, um concerto sinfônico com trechos de ópera.


A entrada é franca e os ingressos podem ser retirados na bilheteria do Theatro no dia 19/11, 1h30 antes do espetáculo, com limite de dois ingressos por pessoa.


As entradas também serão disponibilizados a partir de 9h desta segunda-feira (18) pelo Ticket Fácil, com taxa de conveniência do site a R$ 2 por ingresso.



Em Manaus, Festival Cultura Urbana começa nesta sexta com batalhas de Break, MCs e All Style

A primeira edição do Festival Cultura Urbana começa nesta sexta-feira (15), às 17h, na Pista de Skate – Parque São José (rua I, 236, São José – ao lado do Uai Shopping), na zona leste. O evento, promovido pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, contará com diversas atividades da chamada cultura de rua como shows de artistas do Hip Hop, intervenções de grafite e batalhas de Break Dance, MCs e All Style. O projeto continua no sábado (16), na Praça de Alimentação da Cidade Nova; e no domingo (17), no Prosamim Mestre Chico. Toda a programação é gratuita.


As inscrições para participar das batalhas são gratuitas e serão realizadas somente no primeiro dia do evento, para as categorias Break Dance, MCs e All Style, cada uma com 32 vagas. As disputas acontecerão em três etapas: Eliminatórias, na sexta-feira; Semifinal, no sábado; e a Final, no domingo. Haverá premiação para os vencedores das três categorias.


Os concorrentes da categoria de Break Dance serão avaliados pelo Bboy Roxo; os da categoria All Style, por Fernando Jacquiminut; e os MCs serão julgados pelo público. De acordo com Mayking, produtor cultural do movimento Hip Hop, os critérios de avaliação são consistência do movimento, originalidade, musicalidade, criatividade e grau de dificuldade.


Segundo Mayking, o Festival Cultura Urbana chega para preencher uma lacuna que existe nas manifestações de rua e para possibilitar o intercâmbio entre artistas já renomados e os estreantes.


“O Festival garante o diálogo entre os protagonistas da cena e artistas que se encontram nas periferias à procura de oportunidade”, comenta. “Sabemos que é um grande projeto e que terá grande impacto na formação de novos artistas, e o melhor de tudo é que está ocupando as zonas menos vistas e visitadas pela sociedade, buscando esse novo olhar para a comunidade, dando uma oportunidade de novos artistas mostrarem seu trabalho, além de mostrar que a arte afasta os jovens dos perigos que rondam as comunidades, como a violência”, pontua.


As atrações – Atração da primeira noite do Festival, o grupo Manauaras em Extinção vai apresentar músicas de “Tauari”, EP que será lançado no final de novembro. “São músicas autorais que remetem às crônicas urbanas, misturando um pouco de folclore, de guitarrada, rock, beats e muita poesia, muito rap contido”, afirma o rapper Jander Manauara.  “O nome do EP ‘Tauari’ se refere a um cigarro usado pelas benzedeiras do interior do Amazonas, que usam esse cigarro para abençoar as pessoas, e esse é o sentido da crônica do show do Manauaras em Extinção”, comenta.

Foto:Reprodução/Youtube

Um dos principais expoentes do rap do Amazonas, o rapper Victor Xamã, que é atração do segundo dia do Festival, na Praça de Alimentação da Cidade Nova (avenida Atroaris, 1236, Cidade Nova), na zona norte, promete um show enérgico.


“Vou levar um pouco dos meus dois discos: ‘Janela’, lançado em 2015, e ‘Verde Esmeralda & Cinza Granito’, que lancei no final de 2017. As pessoas podem esperar um show totalmente enérgico, com o rap do Norte em expansão constante, mostrando que a música, a arte aqui na nossa região não é desemprego”, pontua.


Xamã também avalia a cena cultural urbana do Estado e destaca a qualidade da produção local. “Eu enxergo a cena de uma maneira totalmente positiva. Há 15 anos nós não tínhamos esse número de artistas produzindo conteúdo de extrema qualidade. Só acho que falta uma sensibilidade do público para entender que as coisas que são produzidas aqui têm tanta importância como as produções de outros lugares. Somos uma terra rodeada por cultura, mas não é todo mundo que dá valor merecido”, observa.


No domingo (17), o encerramento da primeira edição do festival será no Prosamim Mestre Chico (Prosamim Mestre Chico, 165, Centro), na zona Sul, com show do grupo Coletivo 333. Segundo Luan Pinho, representante do grupo, o show será completo. “Todos os MCs vão participar, cada um vai mostrar seu estilo em cada uma das músicas”, conta. O repertório contará com sucessos como “Poetas no Esgoto”, que deu nome ao primeiro trabalho do grupo, em 2017, e que satiriza a realidade dos artistas da região que são submetidos a trabalhar no “underground”; e novidades como “A placa”, lançamento do Coletivo.


PROGRAMAÇÃO
Dia 15 (Pista de Skate – Parque São José)


17h às 21h – Pocket shows, intervenções de grafite, batalhas de Break, MCs e All Style; DJ Carapanã


19h – Manauaras em Extinção

Foto:Divulgação/Manauaras em Extinção



Dia 16 (Praça de Alimentação da Cidade Nova)


17h às 21h – Pocket shows, intervenções de grafite, batalhas de Break, MCs e All Style; DJ Carapanã


19h – Victor Xamã



Dia 17 (Prosamim Mestre Chico)


17h às 21h – Pocket shows, intervenções de grafite, batalhas de Break, MCs e All Style; DJ Carapanã


19h – Coletivo 333


Manaus sedia Conferência Internacional de Turismo Sustentável na Amazônia

Desde esta quarta-feira (13), até esta sexta-feira (15), Manaus é sede da Conferência Internacional de Turismo Sustentável na Amazônia, a Conates Amazônia 2019, evento de turismo e empreendedorismo sustentável que chega à sua 14ª edição no Brasil e 4ª na região amazônica brasileira. Promovida pela Marinho Comércio Exterior, a conferência conta com o apoio da Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult).


Com acesso gratuito, as atividades serão realizadas no Palacete Provincial e no Colégio Amazonense Dom Pedro II, no Centro Histórico da cidade. Este ano, a conferência conta com a temática “Saúde, Esporte e Lazer: Etnias e Línguas Indígenas”, valorizando a participação comunitária e da cultura indígena, além de chamar a atenção para a importância da sustentabilidade do turismo receptivo na região Norte.

Foto: Ramilla Rodrigues/ICMBio


De acordo com a coordenadora da Conates Amazônia, a mestre em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Olinda Marinho, a edição deste ano busca dar continuidade a um processo participativo de construção da sustentabilidade do turismo receptivo da região, que conta com a participação comunitária, conscientização e sensibilização estratégica.


“O evento busca fortalecer esse laço da participação comunitária, dando mais visibilidade à região, à cultura indígena e ao empresariado do trade turístico local. Desejamos fortalecer também as diretrizes da responsabilidade socioambiental do turismo na Amazônia, pois acreditamos que um evento como este, que promove discussões sobre o assunto, que abre espaço para diferentes opiniões relacionadas à sustentabilidade, como também para colaboradores que utilizam das ferramentas sustentáveis, possa fortalecer ainda mais esses processos de participação, de conhecimento e de conscientização”, ressaltou Olinda.


Atividades


As atividades da Conates Amazônia 2019 acontecerão das 9h às 18h, no Palacete Provincial, localizado na Praça Heliodoro Balbi, s/n, no Centro, e no Colégio Amazonense Dom Pedro II, situado na avenida Sete de Setembro, s/n, Centro.


A programação deste ano contará com a presença de cônsules de vários países, com palestras, debates, oficinas, rodada de negócios e workshop. Além disso, o evento ocupará o espaço da Praça Heliodoro Balbi para a exposição de comércio sustentável, com feira gastronômica e criativa e desfile com biojoias e artesanatos amazônicos.


A Conates Amazônia 2019 realizará, ainda, no dia 15/11, visita técnica no município de Novo Airão, localizado a 195 km em linha reta de Manaus.


Inscrições


As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas no local ou pelo site oficial do evento.


Conates


A Conferência Nacional e Internacional de Turismo Sustentável (Conates) teve sua primeira edição em 2008, se consolidando em edições posteriores como o principal evento de sustentabilidade e produtor de cidadania ecológica para melhoramentos na evolução da qualidade de vida humana associada à atividade turística do Brasil.

Festival Amazonas de Dança continua com apresentações e ações formativas até domingo

A nona edição do Festival Amazonas de Dança (FAD), que começou na última terça-feira (05), com a estreia do Balé Jovem Claudio Santoro, segue com intensa programação artística e ações formativas em vários espaços administrados pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa. Todas as atividades são gratuitas. Confira!


Nesta quinta-feira (07), o Corpo de Dança do Amazonas, que participa do FAD como companhia convidada, apresenta “Carnaval dos Animais”, às 10h, no Teatro da Instalação (rua Frei José dos Inocentes, Centro). Na coreografia, a dança contemporânea, os elementos do cartoon e a caricatura dão a tônica das cenas onde a coreógrafa Adriana Góes retrata os indivíduos em situações que se assemelham a animais de outras espécies. O espetáculo será reapresentado na sexta-feira, no mesmo local e horário.
Foto:Michel Dantas/SEC AM


A partir das 18h, o Teatro da Instalação também será palco para os espetáculos “Daily Vlog”, de Anderson Galdino, e “Ruína”, da Cia. de Dança Fragmento de Rua, ambos com classificação indicativa livre. ”Daily Vlog” mostra a relação de um Bboy youtuber com seus seguidores. Já “Ruína” aborda o desmatamento da Amazônia, com os corpos em cena retratando a natureza, as sensações de dor, sofrimento e luta, assim como a resistência à violência que a floresta vem sofrendo.


Na sexta-feira (08), tem apresentação de “Aponte”, de Alana Nascimento e Talita Menezes; “Memórias no Chão”, do Grupo Caminhos; e “Waranã”, de Will Cruz, todos no Teatro da Instalação, a partir das 18h. Classificação livre.


“Aponte” trata sobre conflitos, transculturalidades, efervescência, os embates que se travam entre a vontade de ir e voltar. Em cena são abordadas questões como angústia e saudade.


“Memórias no Chão” é uma performance em dança atrelada à pesquisa desenvolvida durante a carreira acadêmica da autora, Brisa Ramos, diagnosticada com Epilepsia Mioclônica Juvenil. O espetáculo é sustentado pela motivação de (re)construir um caminho na Arte para um corpo marginalizado pela doença, ressignificando a necessidade de compreender o corpo e reafirmar sua potência criativa.


“Waranã” tem como contexto, os diversos contos, lendas e mitos sobre o “nascimento” do Guaraná, o que aconteceu depois, e quem foram os primeiros a entender seus efeitos, criando uma nova história por meio da dança.


Também na sexta, a Cia. Expressão e Vida apresentará “As formas de dizer meu nome”, às 20h, no Teatro Amazonas. O espetáculo faz referência ao ser que, ao longo do tempo, dá significância a sua vida através de suas experiências desde o nascimento, ou até antes dele, acreditando que a forma como se é dita ou vivenciada interfere em sua relação com o mundo através das experiências.


No Sábado (09), a Flip Produções apresenta “Ananse”, às 17h30, no Largo de São Sebastião. Na sequência, a Cia. Arte e Movimento fará “Enruína”. Os espetáculos também têm classificação livre.


“Ananse”, intervenção que surge a partir da lenda africana do Deus Ananse, conhecedor de todas as histórias. Aborda a condição do negro na sociedade desde a escravidão até os dias atuais.


“Enruína” surge de reflexões sobre a relação corpo-espaço e memória-lugar em casas abandonadas de Centro da cidade de Manaus. Pensando conceituar e experimentar um corpo-ruína, o trabalho incita nos intérpretes a relação com seus próprios fragmentos, marcas pessoais e medos que se inter-relacionam com os resquícios das casas.


Às 20h, no Teatro Amazonas, a Contém Dança Cia apresentará “Chico – o corpo em cores e sons”. O espetáculo mergulha, experimenta, vive e sente no corpo as composições de Chico Buarque de Holanda, onde cada intérprete fala das suas experiências e sentimentos íntimos em consonância com as músicas que falam do universo feminino. Classificação indicativa para 16 anos.


No domingo (10), no último dia do 9º FAD, a Índios.Com Cia. de Dança apresentará o espetáculo “Filhos da Terra”, às 17h30, no Largo de São Sebastião. O encerramento do festival acontecerá a partir das 19h, no Teatro Amazonas. A Pajê Cia. de Dança fecha a programação com o espetáculo “Mithus”.


“Filhos da Terra” é uma intervenção na qual as bailarinas se utilizam da paisagem sonora do espaço público, assim como elementos da cultura indígena (paneiros, cuias e urucum), com o intuito de chamar atenção para corpos inviabilizados como os ameríndios, e para a percepção do corpo em relação à terra, que oferece uma boa energia, de cura, de vida.


“Mithus” é baseado na obra literária “She” de Robert A. Jonhson, e faz uma viagem pelo reino das fantasias mitológicas que libertará as mulheres das preocupações mesquinhas do cotidiano. Ao retornar à realidade, elas têm a grata surpresa de se reconhecer neste reino fascinante e misterioso dos mitos, o verdadeiro reino interior em cada uma das mulheres.
Foto:Divulgação/SEC-AM


Atividades formativas


O FAD conta, ainda, com várias atividades formativas entre oficinas, palestras, vivências e rodas de conversa. Na quinta-feira (07), o Centro Cultural Usina Chaminé (Avenida Manaus Moderna, s/n, Centro) receberá três ações: a oficina de dança contemporânea”, às 14h, com a Contém Dança Cia; palestra sobre a história do jazz, às 15h, com a Pajê Cia de Dança; e a roda de conversa “Memórias no chão e seus processos: Da academia para a cena”, com o Grupo Caminhos, às 16h.


Na sexta-feira (08) será a vez do Teatro Gebes Medeiros (Avenida Eduardo Ribeiro, 937, Centro – antigo Ideal Clube) receber atividades formativas. Às 14h haverá uma oficina sobre processo de criação e partilhando da técnica corporal e gestos, com a Flip Produções; seguida de um diálogo com os bailarinos da Cia. Fragmento de Rua sobre o processo de criação da obra, às 15h20; e de uma roda de conversa sobre o processo de criação do espetáculo, com Bboy Flare Boy TV, às 16h40.


A programação formativa termina no sábado, às 9h, com vivência coreográfica e conversa sobre dança e política com a Índios.com Cia de Dança, no Largo de São Sebastião.


As inscrições para as atividades podem ser feitas por meio do  link: bit.ly/oficinasFAD. As vagas são limitadas a 40 pessoas em cada ação.




PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Quinta-feira (07/11)


Teatro da Instalação (rua Frei José dos Inocentes, Centro)


10h – “Carnaval dos Animais”, com o Corpo de Dança do Amazonas
Classificação livre


18h – “Daily Vlog”, de Anderson Galdino
Classificação livre


18h20 – “Ruína”, da Cia. de Dança Fragmento de Rua
Classificação livre


Centro Cultural Usina Chaminé (Avenida Manaus Moderna, s/n, Centro)


14h – Oficina de dança contemporânea, com a Contém Dança Cia


15h – Palestra sobre a história do jazz, com a Pajê Cia de Dança


15h20 – Roda de conversa “Memórias no chão e seus processos: Da academia para a cena”, com o Grupo Caminhos


Sexta-feira (08/11)

Teatro da Instalação


10h – “Carnaval dos Animais”, com o Corpo de Dança do Amazonas
Classificação livre

18h – “Aponte”, de Alana Nascimento e Talita Menezes
Classificação livre

18h30 –  “Memórias no Chão”, do Grupo Caminhos
Classificação livre

19h10 – “Waranã”, de Will Cruz
Classificação livre


Teatro Gebes Medeiros (Avenida Eduardo Ribeiro, 937, Centro – antigo Ideal Clube)


14h – Oficina sobre processo de criação e partilhando da técnica corporal e gestos – Fotos utilizadas na criação, com a Flip Produções

15h20 – Diálogo com os bailarinos sobre o processo de criação da obra, com a Cia Fragmento de Rua

16h40 – Roda de conversa sobre o processo de criação do espetáculo, com Bboy Flare Boy TZV
Teatro Amazonas

20h – “As Formas de Dizer Meu Nome”, da Cia. Expressão e Vida
Classificação livre


Sábado (09/11)


Largo de São Sebastião (Centro)


9h – Vivência coreográfica e conversa sobre dança e política, com a Índios.com Cia de Dança

17h30 – “Ananse”, de Flip Produções
Classificação livre

18h – “Enruína”, da Cia. Arte e Movimento
Classificação livre


Teatro Amazonas

20h – “Chico – o corpo em cores e sons”, de Contém Dança Cia.
Classificação indicativa para 16 anos.



Domingo (10/11)

Largo de São Sebastião


17h30 – “Filhos da Terra”, da Índios.Com Cia. de Dança
Classificação livre


Teatro Amazonas

19h – Cerimônia de encerramento

19h20 – “Mithus”, da Pajé Cia. de Dança
Classificação livre

Exposição Amazônia: Arte & Fatos, de Rui Machado estreia em galeria de Manaus

Amazônia: Arte & Fatos, é a mais nova exposição do renomado artista amazonense Rui Machado, em cartaz na Galeria do ICBEU Manaus, desde o último dia 26 de outubro.


Esta é a  segunda exposição individual  do artista na Galeria de Artes do ICBEU-Manaus. A primeira aconteceu no ano de 2011 e contou com o apoio da Embaixada dos Estados Unidos da América do Norte no Brasil.
Foto:Divulgação/Rui Machado


Para o artista, estas duas são as maiores exposições de sua trajetória, tanto pela quantidade de obras quanto pela importância que o ICBEU – Manaus  exerce em sua vida e em sua historia. Ambos nasceram em 1956 e seu fundador também chamava-se Ruy Machado (Alencar), foi um amigo importante e muito estimado pelo artista. Em 2016, Rui Machado e o ICBEU – Manaus completaram 60 anos. Rui foi homenageado pelo ICBEU com a Medalha Cultural e Educacional, sendo esta a maior honraria que a instituição  outorga a personalidades da cidade.
    

As obras retratam costumes, objetos, traços comportamentais e paisagens da realidade e do imaginário do caboclo amazônico, todas em acrílica sobre tela. Uma das obras mede 80x80 cm e as demais 50x50 cm. A curadoria foi feita pelo próprio artista.


Sobre a inspiração para essa mostra, Rui Machado conta que todos os quadros foram criados especialmente para esta ocasião.


"Com relação ao nome da exposição, ‘Amazônia: Arte & Fatos’, quis dizer que nessa série de trabalhos tem arte da Amazônia e fatos que aqui acontecem. Alguns quadros retratam paisagens amazônicas, uns como denúncia, outros com um sentimento de esperança de uma Amazônia preservada e um mundo melhor. Mostro a fauna, flora, arte indígena e povos da floresta. Tudo isso é arte amazônica e foram criados para esta ocasião”.

Foto:Divulgação/Rui Machado


Para o diretor-presidente do ICBEU, Luis Fabian Barbosa, Rui persiste criativo, instigante, provocador, intenso, tal como nossa colossal e preciosa Amazônia.


“É um verdadeiro trabalho de antropologia visual, a produção artística de Rui Machado para esta exposição, certamente precedida de cuidadoso estudo do ethos amazônida. A visão do artista - ora realista, ora romântica - choca e surpreende, preocupa e emociona, proporciona ao espectador diversos sentidos e triunfa, ao fazer brotar o desejo e a esperança de preservação da Amazônia, de sua mata, de seu povo, de sua cultura.”


O catálogo da exposição é uma edição bilíngue, projeto gráfico da editora Reggo, com imagens do fotógrafo Roumen Koynov. Além das obras, o catálogo vem acompanhado de um CD com 19 músicas autorais de Rui, em parceria com outros artistas.
  

As obras ficam expostas até o dia 26 de novembro, na Galeria de Artes do ICBEU Manaus - Unidade Centro, que fica na avenida Joaquim Nabuco, 1286, de segunda a sexta, das 15h às 20h. A entrada é gratuita.
  
Foto:Divulgação/Rui Machado


Sobre Rui Machado


Rui Machado é artista plástico e poeta. Nasceu em Manaus no dia 17 de agosto de 1956. Sua relação com as artes começou cedo, com diversas manifestações, desde desenho e escrita, até esculturas. Sua primeira exposição de artes plásticas foi em 1982, denominada Travessia, no hall do Teatro Amazonas, dentro do Projeto Hahnemann. Já em 1984, lançou seu primeiro livro de poesias, intitulado Anjos e Mistérios.


Possui, até agora, 25 prêmios e homenagens. Como poeta, possui mais de 50 composições. Recebeu seu primeiro prêmio musical em 2017, no 6º Festival Amazonas de Música, em 1º Lugar com a música “Remando Estrelas” em parceria com Valdo Cavalcante. Em 2018, também foi vencedor do FECANI, Festival da Canção de Itacoatiara, com a música “Por um triz”, também em parceria com Valdo Cavalcante.

Confira o horário de funcionamento de complexos turísticos de Belém, neste feriado de finados

A Organização Social Pará 2000, que administra a Estação das Docas, Parque Zoobotânico Mangal das Garças e Parque Estadual do Utinga informa ao público o horário de funcionamento dos complexos neste final de semana, do feriado de Finados.
Foto:Divulgação/Ideflor PA


Parque Estadual do Utinga


Dia 01/11 (sexta-feira) - das 06h às 17h
Dia 02/11 (sábado) - das 06h às 17h
Dia 03/11 (domingo) - das 06h às 17h


Estação das Docas


Dia 01/11 (sexta-feira) - das 10h às 02h
Dia 02/11 (sábado) - das 10h às 02h
Dia 03/11 (domingo) - das 09h às 00h


Programação:


Dia 01/11


- Pôr do Som - Grupo Trilhas da Amazônia- 18h30 às 20
- Exposição Belém das Águas e da Fé, de 23 de outubro a 3 de novembro de 2019, no armazém 2 da Estação das Docas (Boulevard Castilhos França). Aberta ao público das 10 às 22 h.


Parque Zoobotânico Mangal das Garças


Dia 01/11 (sexta-feira) - das 09h às 18h
Dia 02/11 (sábado) - das 09h às 18h
Dia 03/11 (domingo) - das 09h às 18h
03/11 - 10h – Entorno do Memorial Amazônico da Navegação - Momento EcoZoo – Marreca Asa de Seda / Mangal Ecológico - Oficina de brinquedos de papel


Programação diária


10h / 16h  – Momento Soltura das Borboletas no Borboletário
11h / 15h / 17h30  – Momento Alimentação das Garças no Recanto da Curva
A entrada no Parque é gratuita. Para visitar os espaços monitorados é necessário adquirir ingresso por R$ 5 cada espaço.





Festival Amazonas de Dança, concertos e espetáculos teatrais estão na agenda do Teatro Amazonas em novembro

A nona edição do Festival Amazonas de Dança é um dos destaques da agenda do Teatro Amazonas no mês de novembro. A programação inclui ainda concertos da Série Guaraná, espetáculos teatrais e encontro de tenores. Confira a agenda completa!

Foto:Divulgação/Secretaria de Cultura do Amazonas


1º/11, às 20h



Abrindo a programação de novembro, Guilherme Arantes apresenta o show do CD “Flores & Cores”, 27º disco do cantor. Neste show intimista, Guilherme Arantes apresenta canções inéditas do novo trabalho assim como seus maiores sucessos, entre eles “Planeta Água”, “Meu Mundo e Nada Mais”, “Um Dia, Um Adeus”, “Deixa Chover” e “Cheia de Charme”. Os ingressos estão à venda no www.bilheteriadigital.com ao preço de R$ 180 (plateia), R$ 140 (frisas) e R$ 100 (1º, 2º e 3º pavimentos). Classificação: 18 anos.


2/11, às 20h


O Balé Folclórico do Amazonas apresentará “Cenas Amazônicas”. O espetáculo é uma compilação de coreografias do repertório da companhia, desde de sua criação até os dias atuais. Baseado na Amazônia, retrata os rios espelhados que são fonte de renda de muitos ribeirinhos, o clima mágico que permeia esse lugar, a riqueza de suas lendas, dos sons trazidos da floresta, os fantásticos relatos indígenas, a diversidade da flora e da fauna e muito mais. Classificação livre e entrada gratuita.


3/11 – 11h e 19h


Dois eventos estão marcados para o primeiro domingo do mês. Às 11h, a Orquestra de Câmara do Amazonas, sob regência do maestro Marcelo de Jesus, recebe os alunos do Centro Suzuki Amazonas para o “Concerto Didático Suzuki”. A apresentação, que faz parte da programação da Série Guaraná XVI, terá obras de Vivaldi, Mozart, Bach, Tom Jobim, entre outros compositores. Entrada gratuita e classificação livre.


Às 19h, acontecerá o “VIII Encontro de Tenores do Brasil”, com Miquéias William, Hélenes Lopes, Enrique Bravo e Rafael Stein, acompanhados pela Orquestra Amazonas Filarmônica, sob regência do maestro Luiz Fernando Malheiro. As canções eruditas serão apresentadas pelos artistas em solos, duetos e outras formações. “O sole mio”, “Nessun Dorma”, “Granada” e “Con te partirò” são algumas das músicas que compõem o repertório. Os ingressos custam de R$ 80 a R$ 150 (valores de inteira) e estão à venda no www.bilheteriadigital.com.


5/11, às 20h


No Dia Nacional da Cultura, acontecerá a abertura do 9º Festival Amazonas de Dança (FAD), com entrada gratuita. A programação do primeiro dia contará com a estreia do Balé Jovem Claudio Santoro, com apresentação de duas coreografias: “Suíte Retratos”, em parceria com a Orquestra de Violões do Amazonas, sob regência do maestro Davi Nunes; e mostra parcial do espetáculo “Grito”, com coreografia de Adriana Góes e direção artística de Baldoino Leite.


A noite contará ainda com a apresentação o espetáculo “Ingênuo Amor”. Com direção de Reysson Brandão e coreografia de Juliana Borges, a obra retrata a inexperiência de duas amigas de personalidades distintas que se envolvem com dois rapazes cujo resultado leva à reflexões sobre o que se deve valorizar em uma relação, até onde é valido lutar pela sua paixão platônica e quando se deve parar de insistir para não sofrer e poder levar sua vida adiante.


7/11, às 20h


A Amazonas Filarmônica, sob regência do maestro Luiz Fernando Malheiro, e o Coral do Amazonas apresentam “Noite de Zarzuelas”, dentro da programação da Série Guaraná XVI. O concerto reunirá obras do gênero espanhol de compositores como Ruperto Chapí, Federico Moreno Torroba, Amadeo Vives e Gerónimo Giménez. A apresentação contará com os solistas Carol Martins, Dhijana Nobre, Jaiana Silva, Raquel de Queiroz, Enrique Bravo, Juremir Vieira, Wilken Silveira, Josenor Rocha e Joubert Júnior. Entrada gratuita e classificação indicativa para 10 anos.


8/11, às 20h


Dentro da programação do Festival Amazonas de Dança (FAD), a Cia Expressão & Vida apresentará “As formas de dizer meu nome”. Com direção e concepção coreográfica de Salomão Carvalho, o espetáculo faz referência ao ser que, ao longo do tempo, dá significância a sua vida através de suas experiências desde o nascimento, ou até antes dele, acreditando que a forma como se é dita ou vivenciada interfere em sua relação com o mundo através das experiências. Classificação livre e entrada gratuita.


9/11, às 20h


No sábado, também pelo FAD, a Contém Dança apresentará “Chico – O Corpo em Cores e Sons”, com concepção e direção de Francis Baiardi. O espetáculo mergulha, experimenta, vive e sente no corpo as composições de Chico Buarque de Holanda, onde cada intérprete fala das suas experiências e sentimentos íntimos em consonância com as músicas que falam do universo feminino. Entrada gratuita e classificação indicativa para 14 anos.


10/11, às 19h


“Mithus”, da Pajê Cia de Dança, encerra a programação do 9º Festival Amazonas de Dança. O espetáculo, dirigido por Jeanne Abreu, é baseado na obra literária “She” de Robert A. Jonhson, e faz uma viagem pelo reino das fantasias mitológicas que  libertará as mulheres das preocupações mesquinhas do cotidiano. Ao retornar à realidade, elas têm a grata surpresa de se reconhecer neste reino fascinante e misterioso dos mitos, o verdadeiro reino interior em cada uma das mulheres. Entrada gratuita e classificação livre.


11/11, às 20h


Gabriela Dias e banda fazem o show “Canto das águas”, que apresenta a musicalidade brasileira em canções de artistas consolidados como Dorival Caymmi e Gilberto Gil, além de trabalhos novos que a influenciam como Vanessa Moreno e Luedji Luna. Tem como enfoque a musicalidade afro-brasileira e nordestina, exaltando cultura e regionalidade, em estilos como baião, ijexá e samba. Classificação livre e ingressos a R$ 10 para todos os lugares.


12/11, às 20h


A Orquestra de Câmara do Amazonas apresentará, dentro da programação da Série Guaraná XVI, o concerto “Fantasia”. No repertório, obras de Max Bruch, Charles Hubert Parry e Ralph Vaugh Williams. A regência fica por conta do maestro Marcelo de Jesus. Entrada gratuita e classificação indicativa para 10 anos.
13/11, às 9h e 20h


No dia 13, dois eventos acontecerão no palco do Teatro. Às 9h, o “X Encontro Nacional do Ministério Público da Violência Doméstica”, que contará com apresentação da Amazonas Filarmônica e do Coral do Amazonas. O evento terá entrada gratuita e classificação livre.


Às 20h, será a vez do cantor Nicolas Júnior gravar o DVD “História e Geografia do Amazonas em cantoria”, um trabalho educativo, com intuito de popularizar a história através da música. Entre os temas abordados nesse DVD estão Cabanagem, Cacicados, o Negro no Amazonas e Zona Franca. A entrada será gratuita e a classificação indicativa para 16 anos.


14/11, às 20h



Também pela Série Guaraná XVI, a Amazonas Filarmônica fará o concerto “Schubert 3 / Bruckner 4”. Sob regência de Luiz Fernando Malheiro, a orquestra executará a Sinfonia n.3 em ré maior, D.200, de Franz Schubert; e Sinfonia n.4 em mi bemol maior “Romântica”, de Anton Bruckner. Entrada gratuita e classificação indicativa para 10 anos.


15 e 16/11, às 20h


As atrizes Danielle Winits e Christine Fernandes fazem a estreia nacional de “Parabéns Senhor Presidente”. O espetáculo dirigido por Fernando Philbert, transporta a plateia para o ano de 1962, a partir do encontro de Marilyn Monroe e Maria Callas, após a cena clássica de Marilyn cantando “Happy Birthday Mr. President” para John Kennedy. Escrito por Fernando Duarte e Rita Elmôr, o texto organiza um diálogo que expõe, ao mesmo tempo, as distâncias e as proximidades entre as duas, ressaltando a beleza do universo feminino em sua complexidade.  Ingressos à venda no www.bilheteriadigital.com, ao preço de R$ 50 (primeiro lote) e R$ 80 (segundo lote). Os valores são para todos os lugares. Classificação indicativa: 14 anos.


17/11, em vários horários


A Cia Trilhares realizará a 6ª Mostra Cultural, com apresentação de diversos espetáculos: “Uma viagem pela Amazônia” (9h), “Cordel de Lisbela” (10h30), “A menina que buscava o sol” (14h), “A procura do amor e “A missão de Alice” (16h), “Noites cariocas” e “Maré de amor” (19h). Ingressos a R$ 30 (todos os lugares) e classificação livre.


18/11, às 17h e 20h


Já a Mostra de Teatro Infantil da Cia. Espatódea Trupe terá apresentações às 17h e às 20h. Ingressos para todos os lugares ao preço de R$ 40.


20/11, às 20h


Abertura do “Festival Até o Tucupi 2019”, com diversos shows. A entrada será gratuita


21/11, às 17h e 20h


A Associação Belas Artes do Amazonas apresentará o ballet “Dom Quixote”, inspirado na obra homônima de Miguel de Cervantes. O ballet fez sucesso e, assim como outras grandes coreografias de repertório, foi sendo levemente modificado a cada remontagem. A característica fundamental do espetáculo são os traços hispânicos, com seus animados cavaleiros e espevitadas senhorias, que vão totalmente ao contrário da política de seu país de origem, a União Soviética. Ingressos a R$ 20 para todos lugares e classificação livre.


22/11, às 20h


O Ballet Álvaro Gonçalves apresentará “Aladdin e a Lâmpada Maravilhosa”. No espetáculo, o humilde jovem Aladdin se encanta pela princesa Jasmine, que acaba de fugir do palácio. Ao mesmo tempo, ele é escolhido para entrar na caverna do tesouro para recuperar a lâmpada mágica que libertará o Gênio de um sono de mil anos, e que lhe garantirá a realização de três desejos. Entre a busca da lâmpada e a conquista do amor de Jasmine, Aladdin viverá muitas aventuras. Ingressos a R$ 120 (plateia e frisas), R$ 80 (1º pavimento), R$ 60 (2º pavimento) e R$ 40 (3º pavimento). Classificação livre.


24/11, às 10h, 14h e 19h


No dia 24, acontecerá a “Mostra Interarte 2019”, com apresentações às 10h, 14h e 19h. Ingressos a R$ 60 (plateia e frisas), R$ 40 (1º e 2º pavimentos) e R$ 20 (3º pavimento).


26/11, às 20h


A Banda Sinfônica do Amazonas, sob regência do maestro Marcelo Vieira, apresentará o concerto “Bienal de Banda Sinfônica”, no qual serão apresentadas músicas do repertório Sinfônico e canções populares mais executadas pelo mundo, além de obras dos compositores contemporâneos de bandas sinfônicas nacionais e internacionais. Entrada gratuita e classificação livre.


28 e 29/11, às 20h


O espetáculo “Balés Brasileiros”, que integra a programação da Série Guaraná XVI, será apresentado pelo Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas, Corpo de Dança do Amazonas, Coral do Amazonas e Amazonas Filarmônica, sob regência de Luiz Fernando Malheiro. Com duração de duas horas, apresentará “Alvorada na Floresta Tropical” (Heitor Villa-Lobos), com coreografia de Sumaia Farias; a estreia mundial da cantata cênica “Romance das Icamiabas” (Nivaldo Santiago), com coreografia de Monique Andrade; o poema sinfônico “Imbapara” (Oscar Lorenzo Fernández), com coreografia de Adriana Góes; e o bailado “Maracatu de Chico Rei” (Francisco Mignone), com coreografia de Nonato Melo. Entrada gratuita e classificação indicativa para 10 anos.

Festival com músicas e peças teatrais para jovens homenageia Nossa Senhora de Nazaré

Organizada por jovens e para jovens, uma programação marcada para sexta-feira (1º), na Zona Leste de Macapá, será mais um evento para homenagear Nossa Senhora de Nazaré, considerada a santa padroeira da Amazônia. O 1º Nazaré Fest Show Jovem, com bandas de música e peças teatrais, inicia às 18h com uma missa.




A programação acontece na área da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no bairro Perpétuo Socorro. Para o evento, os jovens da região montaram uma banda e ainda organizaram uma encenação.
 
 
Foto: Divulgação

O objetivo da programação também é atrair a juventude para a igreja e proporcionar entretenimento através da fé católica. A festa é organizada pelo grupo Juventude Missionária, que conta com a participação de mais de 50 pessoas do bairro.



“A festa surgiu a partir do Círio, como uma continuidade, decidimos colocar o jovem como protagonista. Tem vários eventos que abordam a família, crianças, mas é difícil um para o jovem, com aquilo que a juventude curte fazer. Nós seremos a continuidade dos trabalhos dentro da igreja e na sociedade, então por que não dar espaço para essa juventude?”, explica Angleson Pinheiro, um dos organizadores.




Estão confirmadas apresentações das bandas Eterna Aliança, Parusia, e Kadosh, além do DJ Ryan Santos.



Após a missa, que inicia às 18h, também está programada uma procissão pelas ruas do bairro, com a imagem de Nossa Senhora de Nazaré e a cruz peregrina. Em seguida, na chegada, acontecem as apresentações. Também haverá venda de comidas típicas.

Projeto “Manaus ao Luar” reúne feras das toadas no Balneário do Sesc

O Sesc am, com o apoio da Rede Amazônica, realiza mais uma edição do Manaus ao Luar. O evento acontece no dia 08 de novembro, a partir das 19h, no Balneário do Sesc, no Campos Elíseos, zona Centro-oeste de Manaus. Os artistas terão a missão de fazer o público dançar ao som de muita toada.

 
A música ficará por conta dos cantores Canto da Mata, Israel Paulain e Zezinho Corrêa, além das participações especiais, da Marujada de Guerra, da Batucada do Garantido e também Garantido Show, agitando a noite de luar.

 
O evento é aberto ao público, e os ingressos para o show poderão ser adquiridos por meio da doação de um quilo de alimento não perecível, que serão destinados às instituições atendidas ou cadastradas pelo programa Mesa Brasil do Sesc AM. Os alimentos deverão ser entregues no dia do evento e, no momento da entrega, cada participante receberá a pulseira de acesso.

Foto: Divulgação
 
A programação também contará com um concurso de frases de exaltação à lua e funciona da seguinte maneira: A equipe de recreação do Sesc AM irá entregar fichas para o público presente e cada pessoa interessada em concorrer irá escrever sua frase e, em seguida, entregar aos organizadores.

O material será avaliado por um júri e as três melhores frases serão premiadas O Manaus ao Luar tem o objetivo de oferecer uma programação musical e recreativa. O encontro ocorre sempre em ambiente aberto enaltecendo a iluminação lunar.

Estação das Docas vai expor o trabalho do paraense Odair Mindello

Segue até o dia 3 de novembro (domingo), na Estação das Docas, em Belém, a exposição “Belém das águas e da fé”, do artista plástico paraense Odair Mindello. São 26 obras expostas no armazém 2, entre 10 e 22 h, com entrada franca.

Nascido em Belém do Pará, Odair Mindello retrata em suas obras um estilo único, repleto de composições, repetições, contrastes e analogias à cultura e à fé manifestada pelo povo paraense, em cores vibrantes e traços firmes e definidos. Além de algumas obras já contempladas pelo público em outras ocasiões, a exposição “Belém das águas e da fé” conta com telas nunca expostas fora da galeria do artista.
Foto: Divulgação
“Mindello retrata nosso habitat, através de um amplo repertório, e a partir da contemplação e da relação entre volumes, linhas, formas, cores e texturas resgata e expõe a cultura e hábitos do cotidiano paraense”, afirmou a curadora da exposição, Milene Coutinho.

Odair Mindello não representa uma escola específica e nem segue tendência ou modismo. Criou uma obra pessoal, com linguagem e personagens de um mundo concreto. Baseia seu universo artístico nas observações do cotidiano, apropriando-se de objetos populares e vários ícones amazônicos, tendo como referência a as atrações urbanas e o meio ambiente.

“Belém das águas e da fé é um convite a todos que desejam e se permitem envolver-se pelos caminhos da cultura e fé paraenses, retratados pelo estilo único de Mindello”, destacou Milene Coutinho.

Festival de Cinema de Alter do Chão segue até domingo, com programação gratuita

O filme  documentário Raízes-Um Piano na Amazônia produção da pianista gaúcha Carla Ruaro foi exibido no nesta sexta-feira (25) no FestAlter. “A proposta  foi desafiadora  e com parceiros e apoiadores foi concluída. Nós ultrapassamos as barreiras da área urbana e de forma inovadora em uma experiência única, que combinou o artístico e o social conseguimos içar um piano ao interior de um barco e percorrer os rios da Amazônia, na área geográfica de Santarém, mais precisamente na Resex Tapajós-Arapiuns", detalhou a diretora artística, a carioca, Tatiana Cobbett. A equipe do filme teve apoio da Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Cultura (Semc).
Foto:Divulgação/Tatiana Cobbett


Confira a vasta programação na página oficial do evento


A exibição de 29 minutos foi na tenda Munduruku e mostrou as peculiaridades amazônidas, entre as belezas naturais e o artístico cultural. Entre a plateia, servidores municipais da pasta de Cultura do município, que participaram da trajetória de produção dessa ação inédita a favor da arte e propagação da cultura ribeirinha da Amazônia. “Na tela deste documentário vejo muito amor pela arte à valorização do povo nortista dessa imensa Amazônia. A escolha de Santarém nas filmagens seja de curta, documentários e longa-metragens que propagam e perpetuam a nossa história. E quando fomos procurados, literalmente embarcamos nessa produção e juntos somamos com outros servidores estamos como personagens no filme”, destacou o secretário municipal de cultura, Luis Alberto Figueira.


O prefeito de Santarém, Nélio Aguiar, presente na exibição do documentário, destaca a explosão de emoções promovidas pelo áudiovisual no destaque a realidade da Amazônia. “É emocionante o filme pelo conjunto de artes envolvidas e principalmente com a criatividade de povos da Amazônia. É gratificante vermos no filme o empenho da pianista gaúcha Carla Ruaro e no apoio da nossa equipe da pasta da Cultura em realizar com louvor essa produção. Ela levou o talento dela e interagiu com os nativos da floresta, que prontamente a receberam e na troca os ribeirinhos mostraram as peculiaridades artísticas e arte de raiz  e resultou na sétima arte no formato documentário. E esse nicho de artes continua a ganhar mais espaços em vários lugares do mundo nas participações em festivais de cinema. E a nossa história ganhando mais espaço no Brasil e exterior", disse o gestor santareno.


Estudantes da Escola Municipal de Ensino Fundamental e Médio Antônio de Sousa Pedroso (Escola Indígena Borari) disseram que se sentiram felizes através das imagens do filme, ao ver a alegria colegas da classe estudantil.


"Através do filme sinto-me representada pelas imagens da vegetação nativa, da cultura, das brincadeiras nos ramais das comunidades, das nossas músicas, dos barcos e canoas e que vemos no documentários. Muito feliz por eles interagirem no aprendizado da música instrumental. Maravilhoso o filme. E parabéns os envolvidos", destacou a estudante Ádria Castro.


O Fest Alter encerrará no domingo (27), sempre das 9h às 22 horas. Na programação as exibições de curtas, médias e longas-metragens, além de documentários, filmes realizados por telefone celular, oficinas, palestras, seminários e show (artistas locais da música, dança, apresentações de etnias indígenas, folclóricas e outras). O evento gratuito, no entanto a coordenação solicita às pessoas que possam levar 1kg de alimento não perecível, que será destinado a entidades filantrópicas da Vila de Alter do Chão e área urbana de Santarém.


Foto:Divulgação/Agência Santarém



O Projeto Raízes


Um Piano na Amazônia tem como proposta artística, pedagógica e social levar o piano e a música de compositores contemporâneos ao seu próprio povo. Sem patrocínio, o projeto contou com apoio da Secretaria de Cultura de Santarém e financiamento colaborativo através de plataformas de crowdfunding. A ação foi desenvolvida pela pianista Carla Ruaro, brasileira que vive na Europa. O ousado projeto tem a direção artística/produção da cantora, compositora e bailarina Tatiana Cobbett.


Os shows musicais de piano e atividades lúdicas das imagens do filme foram gravados na segunda quinzena de novembro e no inicio de dezembro de 2017. O palco nas localidades foi o  barco Jorge Olinto, dinâmica de exibição incomum nas comunidades da Amazônia, mas foram sim realizados na Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns (Resex) pelo "Projeto Floresta". Ao todo foram 12 comunidades envolvidas direta e indiretamente com as atividades. Participaram dos bastidores oito servidores da Secretaria Municipal de Cultura, entre eles, o titular da pasta, Luis Alberto Figueira.


Premiação, menção e demais indicações do filme


O filme documentário foi indicado em três grandes festivais de cinema na Europa. Na Finlândia,  o filme foi premiado com menção honrosa e prêmio de melhor fotografia no Festival de Cinema de Kalajoki; em Portugal, na cidade de Matosinhos, o filme concorreu como melhor curta no Festival de Aventura, que ocorreu entre 12  e 15 de setembro; na Itália, concorre ao prêmio de melhor curta metragem no Festival Prisma de Filmes Independentes de Roma.


DVD


O documentário conta a história da pianista que quis se aproximar das raízes da obra que interpreta. Fascinada pelo processo de desconstrução e reconstrução da música e da intérprete e – proporcionando o nascimento de uma nova artista – ela descobre uma trajetória de vida, consciente da sua responsabilidade na arte, dando um maior sentido aa sua carreira. É uma verdadeira e profunda viagem transformando e redescobrindo a música através da experiência, do contato e da troca com compositores, povo e meio ambiente.


A pianista Carla Ruaro, além de exibir o filme nos festivais, ainda realiza concertos para lançar o CD, que traz no repertório inédito obras de compositores contemporâneos da Amazônia.


CD


As músicas contemplam o processo de reconstrução e releitura de obras dos compositores amazônidas entre eles os de Santarém, como o saudoso Maestro Wilson Fonseca.


Programação do Amazon Sat exibe flashes ao vivo do Boi Manaus 2019

A programação do Amazon Sat vai exibir, nas noites desta quarta e quinta-feira (23 e 24), flashes ao vivo direto do Boi Manaus 2019. O evento comemora os 350 anos de Manaus e o Amazon Sat contará com o apresentador Natan Balieiro durante a cobertura.


O Amazon Sat é transmitido em mais de 50 cidades da Amazônia pela TV Aberta e TV a cabo. Nas capitais, pode ser assistido pelos canais 44.1 (Manaus), 23.1 (Boa Vista), 36 (Rio Branco), 22.1 (Porto Velho) e 29.1 (Macapá).

Foto: Diego Oliveira


O Boi Manaus é gratuito e integra o calendário oficial de comemorações do aniversário da cidade, promovido pela Prefeitura de Manaus. Ele acontece no Complexo Turístico Ponta Negra, zona Oeste.


A tradicional festa contará com mais de 30 artistas do Boi-Bumbá se revezando em quatro trios, totalizando 20 horas de diversão, somando os dois dias da festa. Em sua 22ª edição, o Boi Manaus receberá nomes como David Assayag, Sebastião Júnior, Israel Paulain, Arlindo Júnior, Márcia Siqueira, Klinger Araújo, entre outros. Nos dois dias, a festa terá início às 16h.


Natan Balieiro apresenta o programa The Show, exibido pelo Amazon Sat às quartas-feiras, nos dos talk-shows mundiais, mas com entrevistados. O programa também conta com entrevistas com artistas e celebridades, com objetivo de exaltar a cultura do Amazonas.


Manaus 350 anos


O público que for à Ponta Negra também poderá conferir a exposição “Manaus 350 anos”, que conta com a pesquisa e curadoria do renomado historiador amazonense Otoni Mesquita e tem por objetivo contar a história da cidade de Manaus, ao longo de seus 350 anos de desenvolvimento, por meio do uso de imagens históricas e cartões-postais antigos, apresentando, tanto à população local, quanto aos turistas, parte da rica e diversa história da cidade de Manaus, seus povos, costumes, belezas e monumentos a partir de aproximadamente 80 imagens históricas.

 
A programação de aniversário da cidade de Manaus contará ainda com a inauguração do Centro Cultural Óscar Ramos, nas casas mais antigas da cidade 69 e 77, no centro histórico, e também com a entrega do Pavilhão Universal, concluindo o projeto de resgate do importante conjunto das praças Tenreiro Aranha e Adalberto Vale.

 
Haverá, ainda, a histórica apresentação do “Hino de Manaus”. O trabalho de resgate, coordenado pelo Conselho Municipal de Cultura (Concultura), com apoio da Secretaria de Comunicação (Semcom), contará com partituras para orquestra, banda marcial e piano. A composição de Nicolino Milano e Thaumaturgo Sotero Vaz, datada de 1906, ganha partitura oficial 16 anos após ser aprovada como “Hino Oficial de Manaus”, conforme a Lei Municipal 718/2003. Após a apresentação, a ideia é popularizar o hino, uma vez que será gravado em CD e DVD.

 
Programação Boi Manaus


23 DE OUTUBRO (QUARTA)


16h – 16h50 – Integrante Novo 01 e Kuarup

17h – 17h50 – Robson Jr. e Hellen Veras

18h – 18h50 – Grupo A Toada e Carlos Batata

19h – 19h50 – Carlinhos do Boi e Canto da Mata

20h – 20h50 – Fábio Casagrande e Pa Chaves

21h – 21h50 – Prince do Boi

22h – 22h50 – Arlindo Júnior

23h – 23h50 – Sebastião Júnior

00h – 01h – Show dos bois-bumbás Corre-Campo, Garanhão e Brilhante


24 DE OUTUBRO (QUINTA)


16h – 16h50 – Márcia Siqueira e Mara Lima

17h – 17h50 – Paulinho Viana e Júnior Paulain e Marujada

18h – 18h50 – Edilson Santana e Carrapicho

19h – 19h50 – Klinger Araújo e Fabiano Neves

20h – 20h50 – Edmundo Oran

21h – 21h50 – Israel Paulain

22h – 22h50 – David Assayag

23h – 23h50 – Leonardo Castelo e Batucada

Ponta Negra recebe exposição ‘Manaus 350’ com imagens históricas da cidade

Integrando a programação especial do aniversário de 350 anos de Manaus, a Prefeitura de Manaus estreará nesta terça-feira, 22/10, às 17h, a exposição “Manaus 350”, que reunirá obras do artista visual e historiador amazonense Otoni Mesquita. A mostra estará instalada no Complexo Turístico Ponta Negra, zona Oeste da capital.
Foto:Divulgação/Otoni Mesquita


A exposição, com curadoria, pesquisa e intervenção artística de Otoni Mesquita, retratará, em 75 imagens, pontos turísticos e históricos, além de visões particulares do artista sobre Manaus durante os séculos 18, 19 e 20, proporcionando ao público, a possibilidade de rever lugares antes de suas transformações ao longo dos anos.

 

“Eu acredito que está exposição em grande parte é uma história afetiva sobre a cidade de Manaus. São recortes de uma Manaus que muitos não conhecem, uma amostra de imagens dos séculos 18, 19 e 20.  E eu quis trazer o ponto de vista daquilo que não é tão visível hoje em dia, nesta cidade onde as imagens paralisaram no século 21, sem grandes mudanças. É uma memória realmente de Manaus, recortes que trazem saudosismo, como os Benjamins na Eduardo Ribeiro, o Parque do Mindu. Posso dizer que são imagens de outras Manaus, que desapareceram com o passar do tempo e a exposição possibilitará rever grande parte deles”, pontuou Otoni.

 

A exposição ficará localizada no estacionamento do calçadão da Ponta Negra, próximo à feira de artesanato, por tempo indeterminado, e contará, também, com imagens do acervo da Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom). A área em volta da exposição, com o mirante com vista ao Rio Negro, enaltece uma das principais inspirações do artista em algumas de suas obras.

 

“Parte das imagens escolhidas do meu acervo são gravuras e fotografias. Algumas eu descolori, colocando-as em preto e branco, e outras eu colorizei, dando um céu mais vivo, o céu de Manaus, que é contemporâneo, tem sua característica e que vai ser um elemento que vai aparecer com muita frequência nas obras”, ressaltou Mesquita.

 
Foto:Divulgação/Otoni Mesquita


Programação


Na semana do aniversário da cidade, a Prefeitura preparou uma série de atividades para presentear os manauaras. A cidade já está vestida com as cores da campanha que traz em suas peças personagens com histórias marcantes sobre a capital.

 

Além da exposição “Manaus 350”, no dia 24/10, as casas 69 e 77, que figuram entre as residenciais mais antigas da cidade, localizadas na rua Bernardo Ramos, no Centro Histórico, passarão a abrigar o Centro Cultural Óscar Ramos, uma homenagem ao grande artística amazonense morto em junho deste ano.

 

Ainda dentro da programação, haverá a histórica apresentação do “Hino de Manaus”, tocado pela camerata da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), em frente ao Paço Municipal, que hoje abriga o Museu da Cidade, entregue no aniversário da capital em 2018 e que já contabiliza mais de 70 mil visitações.

 

O trabalho de resgate do hino foi coordenado pelo Conselho Municipal de Cultura (Concultura) com o apoio da Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom). A composição de Nicolino Milano e Thaumaturgo Sotero Vaz, datada de 1906, teve seu instrumental repaginado e foi regravada pela orquestra Amazonas Filarmônica e pelo Coral do Amazonas no Teatro Amazonas, contando agora – 16 anos após ser aprovada como hino oficial de Manaus – com partituras para orquestra, banda marcial e piano. Após a apresentação, a ideia é popularizar o hino, uma vez que o mesmo foi gravado em CD e DVD.
 
Foto:Divulgação/Otoni Mesquita


Durante o evento, o Concultura fará o lançamento do Edital da 9ª edição dos Prêmios Literários Cidade de Manaus, que objetiva premiar, anualmente, obras inéditas, em língua portuguesa, de autores brasileiros, nos gêneros novela, conto, romance, poesia, crônicas, texto teatral, ensaios, jornalismo literário, entre outros.

 

A programação segue com o lançamento de obras literárias do projeto ‘Memória Reencontrada’. Serão apresentados os livros “O petróleo descobriu Nova Olinda. E o Brasil acreditou”, de Etelvina Garcia. O encerramento das festividades, no Centro Histórico de Manaus, fica por conta do Trio Remanso.

 

Já no dia 25/10, a Prefeitura inaugurará o Pavilhão Universal, símbolo do legado arquitetônico, histórico e patrimonial de Manaus, uma edificação ímpar de ferro da Belle Époque que será entregue revitalizado, reformado e com novo serviço. O novo espaço abrigará um Centro de Atendimento ao Turista, no Centro de Manaus.
 

Boi Manaus


Os parabéns à cidade serão celebrados com o tradicional Boi Manaus, que este ano iniciará no dia 23, a partir das 16h, e se estenderá no dia 24, com o brinde pelos 350 anos da cidade no Complexo Turístico Ponta Negra. Mais de 30 atrações entre levantadores de toada, Bumbás de Manaus, grupos de dança, torcida e ritmistas de boi-bumbá se revezam em dois dias de festa no comando dos tradicionais trios elétricos.


Festival de Cinema de Alter do Chão começa nesta segunda, em Santarém; confira programação

Na última sexta-feira (18), na Sala de Cultural do Theatro Victória, profissionais de comunicação receberam maiores esclarecimentos sobre a vasta programação do Festival de Cinema de Alter do Chão (Fest Alter). A coletiva de imprensa contou com a presença de representantes da organização do evento e dos apoiadores: Prefeitura de Santarém e instituições de segurança. Na estreia, na segunda-feira (21), está confirmada a palestra da premiada cineasta Tizuka Yamasaki, além de atração artística musical instrumental com o renomado violonista Sebastião Tapajós. A coordenação do Fest Alter informa que já no primeiro dia terão atividades, a partir das 09 horas, na Praça do Çairé, no Lago dos Botos.


O diretor do Fest Alter, Locca Faria, destacou a importância dos apoiadores nesse evento, que deve receber aproximadamente 50 mil pessoas. "Assim que procuramos o governo municipal e órgãos de segurança e lançamos a proposta do Festival e pedido de apoio, logo recebemos retorno. Estamos certos de que juntos deles e com a grande parceira do público, e baseados em dados outros grandes eventos ocorridos na Vila de Alter do Chão, estamos tranquilos que vamos alcançar o propósito do Fest Alter, quanto a segurança e pela diversidade artes. Teremos mais de 200 filmes, distribuídos em curtas, médias e longas-metragens, além de documentários, filmes realizados por aparelho celular, oficinas, palestras, seminários e shows [artistas locais da música, dança, apresentações de etnias indígenas, folclóricas e outras]", detalhou.


O comandante do 3º BPM, Tenente Coronel Tarcísio Morais da Costa, explicou como funcionará a segurança para o evento. "Nós estaremos com grande efetivo e na parceria com os demais órgãos. Vamos assegurar que o Fest Alter possa transcorrer dentro da normalidade. E devido ao alto número de pessoas que estão vindo para o município, o reforço policial estará mobilizado tanto na Vila de Alter do chão e em outros pontos da área urbana”, informou.


Em relação ao fluxo de pessoas na vila e nos pontos de praia, o 4º Grupamento de Bombeiros Militar (4º GBM) estará com efetivo em sistema de rodizio: serão quatro socorristas civis e três militares, e ainda a viatura de combate a incêndio. O expediente de serviço dos militares será das 09h às 22h e na terça (22) ao domingo (27), das 15h às 22h, detalhou o representante do comando do 4º GBM, Tenente Alberto Corrêa.


Para o  titular da pasta da Cultura no município de Santarém (PA), Luis Alberto Figueira (Pixica), o evento já é um marco em números que já ultrapassam grandes e tradicionais Festivais de Cinema no Brasil. "A exemplo do 47º  Festival de Gramado com 1.100 inscritos. O primeiro Festival de Cinema de Alter do Chão teve 1979 filmes inscritos. As produções vieram de lugares da Amazônia, de outras cidades brasileiras e do exterior e resultou na inclusão de 98 países participantes, e isso engrandece Santarém e junto, o Brasil diante do mundo. Ficamos muitos felizes em saber sobre as mobilizações principalmente do setor educacional tanto da área rural, quanto da área urbana", disse.


O evento é coordenado pela Krioca Comunicação e tem apoio da Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) e demais pastas.


Foram selecionados os filmes


Mostra Competitiva


Longas-metragens – 29


Médias-27


Curtas-138


Smartphone-30


Mostra Paralela


Longas-metragens - 04


Médias-04


Curtas-38


Smartphone-19


Filmes Convidados-14


Ufopa


Longas-12


Médias-10


Curtas-44


As atividades na Praça do Çairé (Lago dos Botos) iniciam na segunda feira (21), às 9 horas, mas a cerimônia de abertura do inicia às 19h, no palco Tapajós, dentro do Lago. Nas apresentações de artes de Sebastião Tapajós e a Orquestra Sinfônica de Santarém. E às 20h30, a projeção do filme  “Encantados” de Tisuka  Yamasaki, seguido de debate com a diretora.


Confira a vasta programação pela página oficial do evento em: https://festivaldealterdochao.com.br/#programacao


Sobre a cineasta Yamasaki nasceu em uma fazenda no interior do Rio Grande do Sul, mas foi criada em Atibaia (São Paulo), O primeiro filme, o  curta metragem em 16mm, “Mouros e Cristãos” (1972), coordenado pelo diretor Nelson Pereira dos Santos (1928). Com ele, trabalhou como assistente de direção em “O Amuleto de Ogum” (1974) e “Tenda dos Milagres” (1977). Foi ainda assistente do cineasta Glauber Rocha (1939-1981) em “A Idade da Terra” (1978-1980), além de colaborar com outros diretores, como Lael Rodrigues (1951-1989). Em 1978, a cineasta abriu a sua própria produtora - a Centro de Produção (CPC).


Com o filme “Gaijin - Caminhos da Liberdade”, produzido em 1980, conquistou vários prêmios, incluindo o de melhor filme no Festival de Gramado e uma menção especial do júri no Festival de Cannes daquele ano. Três anos depois lançou seu segundo longa “Parahyba Mulher Macho” (1983) - baseado no livro Anayde Beiriz, “Paixão e Morte na Revolução de 30”, de José "Joffily (1945). Recebeu por ele alguns prêmios, entre os quais o de melhor filme no júri popular do Festival de Brasília (1983) e também o de melhor direção no Festival de Cartagena, na Colômbia. Na sequência realizou o filme “Patriamada”.


Depois de um longo período fazendo trabalhos de direção para a televisão - como a minissérie “O Pagador de Promessas "” (1987 - Rede Globo) e a novela “Kananga do Japão” (1989 - TV Manchete) voltou à direção cinematográfica, em 1990", com “Lua de Cristal”, direcionado para o público infantojuvenil, protagonizado por Xuxa Meneghel (1963) e Sérgio Malandro.


Seis anos depois fez o longa “Fica Comigo” (1996) - um drama que aborda o tema da adoção. Também realizou mais uma sequência "de filmes dirigidos ao público infantil: “O Noviço Rebelde” (1997), com o humorista Renato Aragão; “Xuxa Requebra” e e “Xuxa Pop Star”. A cineasta retornou ao tema da imigração japonesa com “Gaijin: Ama-me como Sou” (2005) conquistando os prêmios kikito de melhor filme e direção no Festival de Gramado do mesmo ano. Em 2009 dirigiu outro dirigiu outro filme infantil “Xuxa em o Mistério de Feiurinha”. Também dirigiu “Aparecida, o Milagre” (2010).


Câmara Federal em atividade paralela realiza - “Expresso Cultural 168”


A Prefeitura de Santarém foi convidada a participar da atividade denominada Expresso Cultural 168” promovida pela Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados. A proposta é ouvir os artistas e fazedores de cultura da região amazônica. A temática do encontro, "Economia Cultural no Brasil e na Amazônia: desafios e potencialidades”. Está confirmada a participação da presidente da Comissão de Cultura, a deputada Federal Benedita da Silva. O encontro será na Vila de Alter do Chão, segunda (21), às 14h30, nas dependências do hotel Borari, localizado, na Rua Dom Macêdo, 1061. O ponto de referência é no lanche da Dona Glória (Chorinho da Dona Glória).