Banda Igapó de Almas lança videoclipe com imagens da Amazônia dos anos 90; confira

Imagens do clipe foram gravadas em VHS pelo poeta Netuno Leão. Videoclipe é o primeiro do álbum “Mar de Paradoxos”

Como uma confluência de diferentes águas e correntezas, o grupo potiguar Igapó de Almas faz de seu novo álbum, “Mar de Paradoxos”, uma série de encontros musicais. A banda se une ao poeta Netuno Leão na faixa “Água Água (Passa)”, que acaba de ganhar um vídeo. As imagens do clipe foram gravadas em VHS pelo próprio Netuno na Amazônia, nos anos 90, e agora exibem um caráter experimental com a edição de Antonio Gil.

Para o primeiro videoclipe do álbum “Mar de Paradoxos”, Igapó de Almas oferece um olhar poético sobre o que se costuma chamar de “Brasil profundo”, transitando entre comunidades ribeirinhas e a vastidão das águas.

Foto: Marina Mole/Divulgação

O frescor e a inventividade da banda de Natal (RN) se une à experiência de Netuno Leão, de 66 anos, um livre pensador atuante em diversas frentes. Engenheiro químico de formação, dedicou-se a trabalhos na área de desenvolvimento humano, inclusão social, sustentabilidade e arte-educação no Brasil. Paralelo a isso, manteve-se transitando pelas artes visuais, fotografia, desenho, pintura, yoga, teatro, cinema e música. 

No final dos anos 90, viveu na Amazônia coordenando um projeto de organização de comunidades ribeirinhas e pescadores, nos rios Tapajós e Amazonas. As imagens captadas por ele em VHS durante este período serviram de base para a montagem do videoclipe da música em que Netuno declama um de seus vários textos.

“Água Água (Passa)” é uma espécie de spoken word, onde o autor narra seu texto enquanto beats, percussões, guitarras e sintetizadores dão vida à sonoridade característica do projeto musical Igapó de Almas. “Mar de Paradoxos” é sucessor dos álbuns “A” (2014) e “Laborioso Vinho” (2018) e traz uma proposta de fluir sem excessos e complicações. Sofisticado sem errar a mão, o novo disco busca na simplicidade um caminho para criar e experimentar se desviando de cair em lugares comuns.

Para isso, os integrantes Pedras, Rafael Melo, Artur Porpino, Aiyra, Henrique Lopes e Walter Nazário receberam participações especiais. Além de Netuno Leão, a atriz Alice Carvalho escreveu a letra e cantou na música “Ijira”; a cantora, compositora e beatmaker BEX compôs a letra e cantou em “Paraglider”; e o cantor Tiago Terras, que foi vocalista nos shows do Igapó de Almas entre 2014 e 2018, foi convidado para um dueto com Pedras na música “Gotas de Tempo”.

“Mar de Paradoxos” marca um momento mais maduro do projeto, sintetizando os experimentos sonoros dos trabalhos anteriores, mas sem perder o foco de um olhar para o futuro. Buscando soar bem resolvido e descomplicado, o álbum quer contar histórias, desenvolver canções e convidar a um passeio musical plural e múltiplo – um reflexo do próprio cenário potiguar onde Igapó de Almas se insere. “Mar de Paradoxos” está disponível nas principais plataformas, em um lançamento do selo Rizomarte Records.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Novo santuário de árvores gigantes na Amazônia é revelado no oeste do Pará

No novo santuário, cientistas descobriram pelo menos mais 38 árvores de grande porte, duas delas com mais de 80 metros de altura.

Leia também

Publicidade