Manaus 30º • Nublado
Quarta, 19 Janeiro 2022

Jovem indígena escreve poesias e quer publicar livro

Luciano Soemakib Suruí é o primogênito entre nove irmãos. Tem apenas 21 anos de idade e mora numa aldeia, a cerca de 50 km do centro da cidade de Cacoal (RO). Precoce, desde os dez tem se dedicado a escrever contos e, aos quinze anos, fez-se poeta.

O jovem escritor já participou de antologias e coletâneas com outros autores, mas ainda não publicou nenhum livro para chamar de seu. Como tudo isso começou? Ele responde: "Sozinho, dediquei-me àescrita e à leitura, e isso me deu vontade e força para tornar-me escritor e poeta".

Divulgação

Apreciador dos escritos de Carlos Drummond de Andrade, Cora Coralina e de Machado de Assis, entre outros, Luciano lê um pouco de tudo: poesias, crônicas e romances. Gosta também de charges. Mas o que mais o influencia são os autores indígenas já reconhecidos, a exemplo de Daniel Munduruku, Márcia Kambeba, Julie Dorrico e Eliane Potiguara.

Futuro: Quer cursar letras e Direito

Na escola que o governo do Estado mantém na aldeia, Luciano estudou até o ensino médio. Afora as línguas portuguesa e inglesa, ele fala e faz questão de manter vivo o dialeto Tupi Mondé, predominante em sua etnia.

Seu projeto, agora, é cursar as faculdades de letrase de direito; "mas atualmente estou isolado por conta da pandemia do coronavírus", pondera. O maior sonho, contudo, é tornar-se escritor renomado e poder dividir com o mundo suas impressões e inspirações vividas na floresta.

Por ora, o escriba vai deixando suas tintasnos cadernos e na imaginação. Além de publicar livros, Luciano deseja estimular a prática literária entre os indígenas, promovendo concursos literários. 

Divulgação

A aldeia em que nasceu e mora Luciano Suruí tem mais de 300 curumins. "Aqui é uma comunidade bem grande, veja que as crianças têm sonhos, querem lutar pelos seus direitos. A educação é o caminho. Elas também se interessam em ouvir histórias das ancestralidades", afirma, sempre pronto para ajudar a ensinar e inspirar os pequenos.

O que escreve

O próprio rapaz explica: "Escrevo sobre a minha aldeia e o meu povo, nosso passado e nosso modo vida de hoje. Mas também faço muito contato e pesquisas com a sociedade não indígena".

Veja um poema dele:

 Eu sou

Eu sou um jovem poeta

Um menino cercado de sonhos

Feito de penas e cores

Adoro versar em todas as maneiras

Fazer amizade com os bichos e curumins

Não tenho caneta igual as dos poetas das cidades

Muito menos tinta aquarela

Para com ela brincar sobre madeiras

Mas tenho um coração grande

Mas tão grande que dentro dele

Cabem todas as coisas do meu povo

Eu penso dentro da mata

Dela vem minha inspiração

Eu faço canto

Com as flautas

Eu escrevo na terra

Com a ponta de uma flecha

E termino lançando arco

E viajo na canoa num rio sem fim.

Divulgação

Às ordens em minhas redes sociais e no e-mail: // Todas às segundas-feiras no ar na Rádio CBN Amazônia, às 13h20. 

Veja mais notícias sobre JotaÓ escreve.

Veja também:

 

Comentários: 1

Newton Pandolpho em Quarta, 27 Outubro 2021 19:38

Muito bom o poema, muito talentoso o poeta.
Luciano, que seus sonhos venham a ser realidade.

Muito bom o poema, muito talentoso o poeta. Luciano, que seus sonhos venham a ser realidade.
Visitante
Quarta, 19 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/