Manaus 30º • Nublado
Sexta, 01 Julho 2022

Atlético Rio Negro Clube: Museu mostra o sonho de garotos que se tornou realidade

Captura-de-Tela-2021-11-16-as-09.53.2_20211116-141237_1

O torcedor Rio Negrino que tiver interesse em conhecer a história de um dos mais importantes clube social e esportivo do Amazonas é só visitar o museu lá instalado: são mais de 3,8 mil peças, entre manuscritos, documentos, fotografias, livros de atas, troféus, medalhas, móveis, reportagens de jornais, revistas e até objetos pessoais de atletas que ajudaram a construir com sua participação os momentos de glória do clube que, desde sua fundação, marcou um período importante da história esportiva no Amazonas. 

O museu foi inaugurado em 13 de novembro de 1993 e recebeu o nome de um antigo diretor, Rubens Samuel Benzecry, em homenagem póstuma a esse diretor.

Foto: Divulgação

Resultado de 15 anos de pesquisa levantando, recuperando e restaurando objetos, o clube preservou seu acervo. Todas as peças e objetos ali encontrados tem uma história ligando personagens que participaram do clube. 

O início de tudo

O Atlético Rio Negro Clube tem sua história intimamente ligada ao futebol. Foi fundado no dia 13 de novembro de 1913, na casa da família Nascimento, na Rua Henrique Martins, hoje Lauro Cavalcante, em Manaus (AM), sonho de um grupo de jovens adolescentes que gostavam de se reunir para jogar futebol. 

O idealizador do clube foi Schinda Uchôa, à época com dezesseis anos. No decorrer dos anos, Schinda Uchôa na época residindo na cidade do Rio de Janeiro, retornou a Manaus para receber o título de Presidente de Honra do Clube. Porém, o passo importante para sua fundação foi dado por outro fundador: Manoel Affonso do Nascimento, que cedeu o porão de sua residência para a fundação da agremiação. 

Edgar Lobão, o mais velho do grupo, com 19 anos, foi o primeiro presidente do clube. O pai de Manoel Affonso do Nascimento, Paulo Ferreira do Nascimento, entrega as taças de cristal bacará, de propriedade da família, para brindar com vinho do Porto a criação do clube.

Nasce assim, desta forma, a festa mais tradicional do clube, 'O Porto de Honra', que tradicionalmente foi executado sempre no dia do aniversário do clube. A família Nascimento é a maior responsável pelo surgimento da agremiação, sendo que, a matriarca Maria Affonso do Nascimento foi sua eterna madrinha. Foi ela quem contribuiu com o suporte para que o clube fosse fundado.

E foi nesse mesmo dia que Maria Affonso do Nascimento presenteou na pessoa de seu filho Manoel Affonso do Nascimento um broche de brilhante que lhe pertencia, o que era vendido um a um dos brilhantes para comprar os primeiros equipamentos que eram importados da Inglaterra.

Foto: Abrahim Baze/Acervo

Amor ao esporte

Mas é o esporte o principal motivo da existência e manutenção do clube e é, sobretudo, a ele que se refere a maior parte das peças do museu do Rio Negro. Histórias de títulos, pioneirismo, de craques e figuras intimamente ligadas ao clube. Um fantástico acervo, dificilmente encontrado em outro clube de futebol. Memórias registradas com detalhes reveladores uma verdadeira viagem ao passado de uma cidade encravada em plena floresta amazônica.

E o voleibol surgiu no Amazonas também através do Atlético Rio Negro Clube. Em 1928 os atletas Ésio, Heitor, Lúcio, Edwuino, Euclides e Arthur formaram o primeiro time de voleibol do clube.

Em 30 de dezembro de 1930, o esporte já estava consolidado e conquista o Campeonato Norte/Nordeste em Recife (PE). O Clube foi campeão da taça Luiz Martins, com os seguintes atletas: Augusto Brito, Jacob Melo, Januário Nóbrega, Agnaldo, Renato Sá de Andrade e Humberto Ponzi. Figuras importantes do cenário político do Amazonas foram atletas de voleibol do Rio Negro, Arthur Virgílio Filho, Leopoldo Amorim da Silva Neves (pudico), Adalberto Ferreira do Vale este destacou-se no time do Santos em São Paulo.

O clube também teve tradição em regatas, sendo campeão desse esporte em 1922. A competição se deu na baía do Rio Negro, foi em comemoração ao primeiro século de imigração francesa para o Estado do Amazonas, patrocinada pelo Consulado da França em Manaus.

Foto: Divulgação/Jornal do Commercio

Porem é o futebol que tem o maior número de recordações. A foto do primeiro time campeão amazonense de 1921 têm lugar especial. Antes disso, não havia campeonato estadual, os times se enfrentavam entre si, em torneios de onde saia os campeões.

O primeiro campeonato amazonense de tênis de quadra também foi realizado pelo Atlético Rio Negro Clube sob o patrocínio da Federação Amazonense de Desportos Atléticos (FADA), em 1949, ocasião em que o clube foi campeão. 

O Atlético Rio Negro Clube também foi o único clube amazonense cujo um diretor seu foi presidente de um clube nacional. Hilton Gonçalves, seu ex-diretor de esporte, foi presidente do Flamengo de 1946 à 1947 e de 1957 à 1960. A carta de renúncia dele para o Rio Negro encontra-se na parede do Museu, junto a uma carta do ex-presidente do Flamengo, Augusto Veloso.

Esportes Olímpicos nasceram no clube

Na área de esporte de competição, o Rio Negro manteve equipes de handebol (infanto-juvenil, juvenil, júnior e adulto) nos naipes masculinos e femininos; natação (mirim, petiz e sênior); triathlon; voleibol (infantil, juvenil, infanto-juvenil e adulto) masculino e feminino; futebol (infantil, juvenil, júnior e profissional); futebol feminino de campo e de areia; além do basquete. O primeiro título de beisebol foi conquistado em 1920 e de esgrima em 1923. O basquete em 1931 e o tênis de mesa em 1940.

No futebol profissional começou a conquista em 1921 seguindo-se nos anos 1923, em 1927, 1931, 1932, 1938, 1940, 1941 e 1943. Em 1945 à 1959 o clube ficou afastado do futebol. O próximo título veio em 1962, e depois em 1965, 1968, 1971, 1974, 1975, 1977, 1979, 1981, 1982 e 1985. O Rio Negro foi Tetra Campeão Amazonense nos anos de 1977, 1988, 1989 e 1990, data em que encerramos a pesquisa.

Misses 

Quem não conhece a história da Miss amazonas, Miss Brasil e Vice Miss Universo, Terezinha Morango? Mas não é só Terezinha Morango que merece destaque. Também merecem destaque Edna Frazão Ribeiro, a primeira Miss Amazonas pelo clube, em 1929; Maria Amália, que também conquistou o título estadual pelo clube em 1949; e finalmente Ane César, a última Miss Amazonas, candidata pelo clube, em 1987.

O Atlético Rio Negro Clube também tem tradição na vida cultural, uma vez que grandes escritores que foram membros do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas e da Academia Amazonense de Letras foram diretores, tais como: Genesino Braga, Álvaro Maia, Manoel Bastos Lira, Arlindo Porto, Moacir de Andrade, Aristophano Antony, Max Carpenthier, Robério Braga, Jurandir Batista de Sales, Gebes Medeiros e tantos outros nomes. 

Beldades foram destaques nos concursos do Atlético Rio Negro Clube. Foto: Abrahim Baze/

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista 

Veja mais notícias sobre Histórias da Amazônia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 01 Julho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/