Manaus 30º • Nublado
Segunda, 29 Novembro 2021

Você sabia que grandes avenidas de Manaus já foram igarapés?

Galerias-construidas-no-igarape-do-espirito-santo-atual-Eduardo-Ribeiro-_20211019-155817_1

Quando se fala na história de Manaus, logo se pensa no Ciclo da Borracha, na Belle Époque e no período áureo de desenvolvimento econômico e social que a cidade viveu no início do século XX. Porém, antes mesmo da borracha, Manaus passou por grandes transformações que proporcionaram o surgimento do espaço urbano que conhecemos hoje.

Um fato que poucos sabem é que as grandes avenidas de Manaus, como a Av. Eduardo Ribeiro e a Av. Getúlio Vargas já foram igarapés que precisaram ser aterrados e canalizados para modernização da capital. Confira a seguir:

Avenida Eduardo Ribeiro após aterro do igarapé do Espírito Santo. Foto: Divulgação/SEC

Entre os anos de 1892 e 1900, a cidade de Manaus passou por um processo chamado "fase da instalação" sob o governo de Eduardo Ribeiro com o intuito de transformar a capital em um modelo de referência europeia de arquitetura e urbanismo.

Foi nesse período que ocorreram vários melhoramentos urbanos, construção de monumentos, palácios, pontes e edifícios hoje históricos. Com esse intuito, viu-se a necessidade de aterrar igarapés que passavam pela cidade. Uma das ideias era ter uma avenida principal que se tornasse um cartão postal da cidade na época e que houvesse conexão com outras avenidas.

Um dos igarapés que foi aterrado foi o Igarapé do Espírito Santo, localizado nas margens do Teatro Amazonas e onde hoje está localizada a conhecida Avenida Eduardo Ribeiro

Apesar do projeto ter sido iniciado no governo de Eduardo Ribeiro, foi no governo de Fileto Pires Ferreira que o então Igarapé Espírito Santo, que era um dos "braços" do Rio Negro, começou a ser efetivado. Além da preocupação com a arquitetura, inspirada no Barão Haussmann (responsável pela reforma urbana de Paris) havia uma preocupação sanitária, pois os igarapés irradiavam muitos mosquitos agentes transmissores de doenças. 

Já a atual Avenida Getúlio Vargas, que  era chamada na época de rua 13 de Maio, era tomada por um igarapé que se estendia até os arredores da Igreja dos Remédios. O seu aterramento ocorreu em meados da década de 20 e 30.

 Como dito anteriormente, um dos objetivos dessa urbanização era se adequar aos moldes modernos de urbanismo que vinham da Europa. No século XX, a capital amazonense vivia um período muito próspero financeiramente e um dos principais motivos foi devido à exportação da borracha. 

Mesmo com a modernização, ainda havia uma forte influência indígena e cabocla na região. Não se observava com a intensidade de hoje a circulação de automóveis. Por outro lado, havia a presença de carroças e carruagens. Aos poucos, Manaus se desenvolveu mais e se tornou a metrópole onde hoje habitam mais de 2 milhões e 200 mil pessoas. 

Veja mais notícias sobre Amazonas.

Veja também:

 

Comentários: 1

Jeane em Sexta, 29 Outubro 2021 09:12

Gostaria de saber sobre a história de etelvina..

Gostaria de saber sobre a história de etelvina..
Visitante
Terça, 30 Novembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/