Palestrantes debatem sobre Inteligência Artificial na Campus Party Amazônia

As aplicações da inteligência artificial ganharam destaque no evento.

A Campus Party Amazônia, traz, em sua primeira edição na capital amazonense, a maior experiência tecnológica em internet, que reúne em um só lugar o que há de mais inovador e interessante no universo geek, nerd e hi-tech da atualidade.

O evento realizado no Studio 5 Centro de Convenções, chega ao terceiro dia de programação nesta sexta-feira (13) e segue até o dia 15 de outubro, explorando, sob vários olhares, um dos assuntos mais polêmicos e comentados do momento, que é o uso da Inteligência Artificial (IA) nos mais diversos segmentos da sociedade.

Durante o período da noite, o palco Petrobrás abriu espaço para uma palestra com o objetivo de explicar o funcionamento de modelos generativos como o CHatGPT e suas aplicações.

A palestrante Vanessa Câmara acredita que, apesar dos receios sobre o uso da inteligência artificial, é necessário entender, primeiramente, a IA como uma ferramenta facilitadora de processos.

“As pessoas ficam realmente preocupadas com isso. Não só para pessoas que não trabalham na área técnica, mas as pessoas que também trabalham na área técnica elas têm esse receio. Mas é preciso acreditar que a IA veio para facilitar alguns trabalhos e também incentivar as pessoas a buscarem mais conhecimento, a se integrarem também na área da tecnologia e trabalharem por uma melhor performance nos seus próprios trabalhos utilizando a Inteligência Artificial”, avalia.

Para aprofundar ainda mais o conhecimento dos campuseiros e do público visitante, a #CPAmazônia oferece diversas atividades voltadas à IA e sua utilização, como o workshop ‘IA Generativa: conexão entre mentes e máquinas’ que aborda a convergência entre inteligência artificial generativa e a conexão entre a mente humana e as máquinas.

De acordo com o coordenador do workshop, Yuri Quiisbert, a proposta é mostrar ao público que a ferramenta de inteligência artificial pode interagir de forma positiva com a mente humana, para a obtenção de resultados exitosos.

“A nossa principal ideia é dizer que ambos, tanto a máquina quanto a mente, devem trabalhar juntas pra impactar um mundo maior. Em vez de a gente tentar se combater uma com a outra, em vez de tentar competir uma com a outra, é importante se unir, somar as duas pra conseguir chegar num resultado ainda maior do que um, sozinho, conseguiria chegar”, ponderou.

O líder da marca Thec da Ebac, Pedro Brocaldi, que apresentou uma palestra sobre programação no palco What’s Next, falou sobre as semelhanças no processo de raciocínio entre a mente humana e a inteligência artificial.

“A inteligência artificial simula a inteligência humana com as redes neurais. O ser humano testa o que dá certo e melhora ou ele desiste, com a inteligência artificial é a mesma coisa, ela segue o mesmo processo. Então, esse é um pouco da linha que a gente segue. Como trabalhar com a inteligência articial? Ela não é um substituto, ela é uma ferramenta”, concluiu.

Sobre a Campus Party Amazônia

A Campus Party Amazônia tem o apoio da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Secretaria de Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), Governo do Amazonas e Prefeitura de Manaus. Realização: Gouvêa Experience, Instituto Campus Party (ICP) e Fundação Rede Amazônica (FRAM). 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: qual a função de uma ‘área de preservação permanente’?

As APP são consideradas um instrumento essencial à política de preservação ambiental.

Leia também

Publicidade