Durante pandemia, alunos da área ribeirinha de Manaus recebem material didático impresso em casa

O material dá continuidade ao ano letivo dos estudantes.

Para atender comunidades de áreas rurais, ribeirinhas e rodoviárias com pouco ou nenhum acesso à televisão e internet, a Prefeitura de Manaus tem levado materiais didáticos impressos a alunos da rede municipal residentes nessas localidades. Nesta segunda-feira (8), estudantes da escola municipal de educação fundamental Dian Kelly do Nascimento Mota, na comunidade do Abelha, na Calha do rio Negro, receberam as atividades em suas casas.

O material didático impresso foi entregue em comunidades da zona ribeirinha de Manaus. (Foto: Alex Pazuello/Semcom-PMM)

O material dá continuidade ao ano letivo desses estudantes, diante da dificuldade de participação do programa “Aula Em Casa”, realizado por meio da TV e de mídias sociais, e implantado durante a suspensão de aulas presenciais por conta da pandemia do novo coronavírus. Todo o conteúdo didático é baseado no programa, onde os professores assistem às aulas e as adaptam para as páginas.

Segundo a chefe de Divisão Distrital Zonal Rural (DDZ Rural), da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Edilene Pinheiro, a ideia partiu do próprio corpo docente. “Percebemos a necessidade de alternativas para esses estudantes. Pensando nisso, reunimos professores e diretores e decidimos fazer a impressão do material”, disse Edilene.

A própria equipe de professores da escola vai a campo entregar o material. O ato da entrega é uma oportunidade de os alunos reencontrarem seus professores, visto que as aulas presenciais na rede municipal estão suspensas desde março. “Estamos empenhados em fazer com que o aprendizado dos alunos continue, mesmo nesse momento de pandemia”, destacou o professor Josué Santiago.

Na Emef Dian Kelly, estão matriculados alunos da própria comunidade do Abelha, além do Julião, Fátima e Marina do Davi. Entre os estudantes estão Davi e Sara, filhos da dona de casa Rosiane Rodrigues. Ela relata que as aulas têm estimulado o aprendizado das crianças. “Meu filho não sabia desenhar, nem escrever o nome. Já a Sara passou a ser mais dedicada, tudo por conta das apostilas. E eu tenho ajudado eles a se esforçarem”, contou a dona de casa.

As entregas são executadas desde o início do programa “Aula Em Casa” e seguem enquanto as aulas presenciais estiverem suspensas, a cada 15 dias.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade