Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sexta, 27 Novembro 2020

Quarentena, benzimento e pimenta inspiram novo single de ‘agenoragostinhoeleo’

Em ritmo reggae dancehall, o trio amazonense anuncia o primeiro disco da banda, previsto para acontecer no início de 2021. Os arranjos fazem referência a vivências da quarentena, benzimento e simbologia da pimenta.

"São elementos presentes na nossa cultura, a reza, o benzimento, a pimenteira para espantar o mau olhado. Foram inspirações que vieram nesse período de quarentena, durante a experiência do isolamento", explica o músico Agenor Vasconcelos.
Foto: Divulgação

"Gravamos o disco em estúdio. Após um mês e meio de ensaios intensivos, gravamos o disco em uma única sessão. Trabalhamos oito horas seguidas. A performance ao vivo do trio está registrada em 15 faixas. O disco será lançado, provavelmente, na segunda quinzena de janeiro de 2021", completa Agenor.

Agostinho Guerreiro, guitarrista do trio, pontua os desafios de continuar produzindo durante o período de pandemia.

"Foi diferente o processo de construção porque tivemos que ficar isolados e mandando as músicas via digital, mas saiu. Após a pré-produção, tivemos poucos encontros para reforçar as músicas porque a gravação foi ao vivo. Esse disco traz um pouco do resumo de nossas vertentes. Estamos curtindo muito e ansiosos para o lançamento", diz Agostinho.

O baterista Léo Moraes também ressaltou a relação entre a pandemia, produção do disco e o trabalho do músico nesse período.

"Ter produzido este disco na quarentena foi muito importante para manter o nosso foco na música e nas coisas que a gente gosta de fazer nesse período difícil e diferente que a gente tá vivendo. Foi muito importante ter ganho este edital para conseguir realizar a produção nesse momento que tá sendo bem difícil de trabalhar com arte e que nosso setor está sendo muito prejudicado, sem previsão de volta", diz Léo.

Lyric Video "A pimenteira dela" (2020)

Agenoragostinhoeleo

Após 10 anos de criação e produção da Banda Alaídenegão, Agenor Vasconcelos formou um novo grupo. Junto com Agostinho e Léo, guitarrista e baterista de também renomados projetos, como a banda Selva Madre, essa formação é o encontro de gerações dedicadas à cena musical de Manaus, driblando os desafios de se manter fazendo música.

Desde 2005, os músicos realizam, de maneira independente, festivais e eventos periódicos, administram estúdios de ensaio/produção, espaços culturais, ministram aulas e diversas outras atividades dedicadas à música.

Agenor, baixista e vocalista, ganhou junto com a Banda Alaídenegão o prêmio Melhor da Prata SESP Pompéia, 2013 (SP). A nível local, ganhou 2 prêmios Xibé de melhor baixista, assim como o de melhor banda. Produziu outros projetos como A música das cachoeiras (Natura Musical), Amazônia Music Conspiração, Flor da Selva, Cauxi Eletrizado.

O prêmio Xibé também foi concedido em 2015 à Selva Madre, criação de Agostinho, que trabalhou na produção da banda Ayuhuasca, sucesso do reggae local no início dos anos 2000.

Léo é um baterista referência no Instituto Ritmos do Mundo, escola dedicada à bateria em Manaus. É baterista das bandas Selva Madre e Jack e a Guitar 

Veja mais notícias sobre AmazonasArteCulturaMúsicaVídeos.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 27 Novembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/