Estudo quer bloquear infecção da malária no Amazonas

MANAUS – Um estudo realizado no Amazonas pretende caracterizar a resposta dos mosquitos infectados pelo Plasmodium, gênero de parasitas causadores da malária, para bloquear a transmissão da doença aos humanos. Segundo o coordenador do projeto de pesquisa, Henrique Silveira, o objetivo é conhecer como o mosquito interage com a parasita e controla a infecção.
“Esta informação será valiosa para o desenho de ferramentas que possam controlar o desenvolvimento do parasita no mosquito e deste modo, bloquear a transmissão aos humanos”, disse Silveira. O estudo é desenvolvido com recursos do Programa Universal Amazonas do governo do Estado via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapeam).Foto: Divulgação/Fapeam
Segundo o pesquisador, durante o estudo a intenção é analisar os genes do mosquito que são expressos durante a infecção por Plasmodium vivax, uma das cinco espécies de parasitas da malária que contaminam o ser humano.
O projeto de pesquisa é desenvolvido em parceria com a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), a Universidade do Estado do Amazonas (UEA), o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e o Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa, de Portugal.
Análise
De acordo com Henrique Silveira, ao longo do estudo, os mosquitos são infectados, experimentalmente, e depois são dissecados utilizando uma lupa e agulhas de disseção para coletar o material biológico e caracterizar os genes associados à infecção.
Após esta fase, inicia-se a validação funcional dos genes identificados, ou seja, os pesquisadores verificam se há intervenção nos genes para analisar como eles irão agir ao longo da infecção.
Segundo o pesquisador, o estudo contribuirá no combate da doença mundialmente uma vez que ao utilizar mosquitos e parasitas locais, a pesquisa tratará com especificidades da região que podem ser determinantes para a luta ‘anti-malária’ em zonas onde há mais riscos da doença, como na Amazônia.
“Projetos com interesse local e com qualidade mundial são importantes para que os cientistas que trabalham nas instituições do Amazonas possam ter visibilidade nacional e internacionalmente. A Fapeam tem contribuído com a formação contínua de estudantes e com o avanço da Ciência e Tecnologia no Estado. Isto é fundamental para o desenvolvimento da nossa região”, afirmou.
Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Censo Demográfico: quilombolas rondonienses tem idade mediana um ano a mais que população total

Na região norte, o maior índice de envelhecimento dos quilombolas foi apresentado por Mato Grosso (76,93) e os menores foram no Amazonas (23,4) e Amapá (28,96).

Leia também

Publicidade