TCE-AM pede que prefeitura de Manaus justifique aumento de tarifa de ônibus

Tarifa paga pelos usuários passou de R$ 3 para R$ 3,30 dia 28 de janeiro. Foto: Marcio James/Semcom-AM

A relatora das contas da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) no Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), conselheira Yara Lins dos Santos, negou o pedido de suspensão do reajuste da tarifa do transporte coletivo em Manaus, na manhã desta quinta-feira (2). O pedido foi feito pelo Ministério Público de Contas junto ao TCE-AM, em medida cautelar, ta tarde desta quarta-feira (1).

No documento, a conselheira determina que, “após análise detida do pedido, considerando a complexidade da matéria em estudo (que versa sobre a equação financeira-econômica do contrato de concessão) e necessidade de apreciar as razões da parte Representada”, o prefeito Arthur Neto e o superintendente da SMTU, Audo Costa, apresentem justificativas para o aumento, em um prazo de cinco dias, em resposta ao MPC.

De acordo com a conselheira, somente após o final do prazo estipulado e ao tomar conhecimento das justificativas é que irá se manifestar a respeito do assunto. A tarifa do transporte coletivo em Manaus teve um aumento de 10% para o usuário no último dia 28 e passou a ser cobrado R$ 3,30. O reajuste total é no valor de R$ 3,55, porém R$ 0,25 são custeados pela Prefeitura de Manaus.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: qual a função de uma ‘área de preservação permanente’?

As APP são consideradas um instrumento essencial à política de preservação ambiental.

Leia também

Publicidade