Projeto de natação ‘Peixinhos Voadores’ abrirá 100 vagas para Santana, no Amapá

Com o encerramento das atividades, em novembro, o projeto “Peixinhos Voadores” abre 100 novas vagas para 2020, em Santana, a 17 quilômetros de Macapá. A iniciativa ensina natação para crianças e jovens em vulnerabilidade social.

Foto:Divulgação/Governo do Amapá

Desenvolvido pela Polícia Militar do Amapá (PM/AP), o projeto é realizado há 8 anos no segundo maior município do estado. O objetivo é levar, através do esporte, oportunidades e valores como formas preventivas contra a criminalidade.

As inscrições gratuitas estarão disponíveis a partir da segunda quinzena de fevereiro, e podem ser feitas na sede do Batalhão Ambiental da PM, localizada na Avenida Lucena de Azevedo, no bairro Daniel. A faixa etária é de 6 a 18 anos.

Documentos para inscrição

  •     Declaração escolar
  •     NIS (Número de Inscrição Social)
  •     Certidão de nascimento
  •     Comprovante de residência
  •     Duas fotos 3×4
  •     Um classificador transparente branco

Peixinhos Voadores em Macapá

O projeto na capital oferta 600 vagas. As inscrições iniciaram na segunda-feira, 2, no Quartel Geral da PM, que fica na zona sul, e seguem até o preenchimento total das turmas. O atendimento ao público é em horário comercial.

Fundada em 19 de abril de 2002, a iniciativa ganhou o nome em homenagem ao idealizador Sebastião Mota, que ficou conhecido como “Peixe Voador” por ter se tornado destaque em competições nacionais e internacionais de natação.

Como nadador e militar da Aeronáutica, o professor Mota passa os ensinamentos que aprendeu na carreira esportiva. Mais de 16 mil crianças e jovens fizeram parte do Peixinhos Voadores, ao longo dos 17 anos de trabalho.

Além de Macapá e Santana, o projeto é realizado em Mazagão e Larajal do Jari, no extremo sul do estado.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Acervo completo da revista científica Amazoniana é digitalizado pelo Inpa

Fruto de convênio do Inpa com o Instituto Max-Planck, da Alemanha, a revista Amazoniana circulou por mais de 40 anos.

Leia também

Publicidade