Entenda a ‘Operação Cauxi’ deflagrada no Amazonas

MANAUS – Vai demorar para os cidadãos do município de Iranduba esquecerem o dia 10 de novembro de 2015. Nesta data, o Ministério Público do Amazonas (MP-AM), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), desarticulou um esquema criminoso que subtraiu mais de R$ 50 milhões dos cofres públicos com fraudes em licitações. Nesta segunda-feira (16), o MP-AM encerrou a primeira etapa das investigações e ofereceu denúncia à Justiça do Amazonas, incriminando 13 pessoas.O prefeito da cidade, Xinaik Medeiros (PROS), e o secretário municipal de finanças, David Queiroz, são apontados como líderes da organização. Xinaik pode ser condenado a até 55 anos de prisão pelo crimes de participação em organização criminosa, crime de responsabilidade, fraudes em licitações e lavagem de dinheiro.Entre os denunciados estão a irmã de Xinaik e tesoureira do Fundo Municipal de Saúde, Nádia Medeiros, e a sua filha, Ângela Rayane do Amazonas Medeiros de Araújo, além de Amarildo da Silva Medeiros, primo de Nádia e Xinaik.O Portal Amazônia preparou um infográfico para você entender como funcionou a ‘Operação Cauxi‘.
Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Justiça Federal suspende documentário que utiliza imagens do povo Korubo sem autorização dos indígenas a pedido da Funai

Não houve negociação nem autorização para a divulgação das captações, que aconteceram na Terra Indígena Vale do Javari, no Amazonas.

Leia também

Publicidade