Decreto que proíbe atividades não essenciais entra em vigor no Amazonas; confira o que abre e fecha

O Decreto estadual que proíbe funcionamento de atividades não essenciais começa a valer a partir deste sábado (26) e segue até o dia 10 de janeiro de 2021.

 A partir deste sábado (26), passa a valer o novo decreto do Governo do Amazonas, que proíbe a abertura de atividades não essenciais pelos próximos 15 dias, a fim de conter o avanço da covid-19. Segundo dados da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), até esta sexta–feira (25), o Estado tinha registrado mais de 195 mil casos e 5,1 mil mortes pela doença.

Entre as atividades proibidas estão a de funcionamento dos shoppings, flutuantes, bares e acesso à salões em restaurantes. Academias, mercados, feiras e oficinas mecânicas continuam funcionando. 

Vias do Centro Comercial de Manaus estão bloqueadas. (Foto:Gato Jr/Rede Amazônica)

Confira lista completa do que abre e do fecha até o dia 10 de janeiro de 2021, seguindo o decreto.

O que fica fechado:

  • estabelecimentos comerciais e serviços não essenciais e destinados à recreação e lazer;
  • espaços públicos em geral (exceto para práticas esportivas individuais);
  • boates, casas de shows, flutuantes, casas de eventos e de recepções, salões de festas, parques de diversão, circos e similares;
  • bares;
  • shoppings (exceto como pontos de coleta de compras eletrônicas em seus estacionamentos, em formato de guichês);
  • feiras e exposições de artesanato;

O que está proibido:

  • reuniões comemorativas (inclusive de Ano Novo) em espaços públicos, clubes e condomínios;
  • eventos de formatura, aniversários e casamentos, independente da quantidade de público;
  • eventos promovidos pelo Governo;
  • visitas a pacientes internados com Covid;
  • visitação a presídios e a centro de detenção para menores;
  • venda de produtos por ambulantes;

O que pode abrir:

  • serviço de transporte de passageiros;
  • funcionamento do setor industrial;
  • atendimento presencial médico, odontológico e de fisioterapia, com agendamento prévio e de forma emergencial;
  • comércio de artigos médicos e ortopédicos;
  • clínicas veterinárias e de serviço de assistência à saúde dos animais, apenas para atendimentos de urgência e emergência;
  • petshops e estabelecimentos que comercializem alimentos e medicamentos destinados a animais, apenas nas modalidades delivery, drivethru ou coleta;
  • as feiras e mercados públicos;
  • supermercadistas de pequeno, médio e grande porte, atacadista e pequeno varejo alimentício;
  • padarias, apenas nas modalidades delivery, drive-thru ou coleta;
  • restaurantes e lanchonetes, apenas nas modalidades delivery, drive-thru ou coleta;
  • bares registrados como restaurante poderão funcionar apenas nas modalidades delivery, drive-thru ou coleta;
  • distribuidora de água mineral e gás de cozinha;
  • postos de combustíveis, limitando-se as lojas de conveniência apenas para as compras rápidas;
  • bancos, cooperativas de crédito e loteria;
  • oficinas mecânicas e estabelecimentos que comercializam peças automotivas, materiais elétricos e de construção;
  • lavanderias;
  • serviços notariais;
  • escritórios de advocacia e contabilidade;
  • assistência técnica de eletrônicos, eletrodomésticos e demais itens;
  • óticas;
  • floriculturas;
  • hotéis, com suas áreas e serviços restritos aos hóspedes;
  • os eventos esportivos profissionais, sem a presença de público;
  • academia e similares;
  • realização de apresentações artísticas, desde que transmitidas pela internet, sem a presença de público

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Unemat empossa primeira indígena como coordenadora de curso intercultural

A professora Eliane Boroponepá Monzilar, do povo Balatiponé Umutina, foi cedida pela Seduc para coordenar o curso de Licenciatura Intercultural Indígena.

Leia também

Publicidade