Alojamento que receberá indígenas venezuelanos em Manaus segue em reforma

Foto: Reprodução/Rede Amazônica

Um prédio no bairro Coroado, na Zona Leste de Manaus, que abrigará os indígenas venezuelanos da etnia Warao, continua em obras. A recuperação do alojamento já dura dez dias e o prazo para realocação dos imigrantes termina nesta segunda-feira (29). O local tem cinco salas, banheiros e um espaço para 180 redes.

O prédio foi cedido pelo Governo do Amazonas como medida emergencial de ajuda humanitária aos indígenas que deixam a Venezuela devido a crise econômica e a falta de alimentos. Os refugiados venezuelanos começaram a migrar para capital amazonense no início deste ano e mais de 500 estão em Manaus.

Depois que o imóvel foi cedido pelo governo, as obras foram iniciadas. O fornecimento de água foi normalizado e a energia elétrica religada no local. O local vai ter capacidade para abrigar 300 pessoas. A previsão é que a obra seja finalizada na próxima semana.

Por enquanto, não há data para o início da transferência das famílias que acampadas na Rodoviária de Manaus e no Viaduto de Flores. Depois de pronto o abrigo ainda precisa ser mobiliado, conforme explicou a secretária de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Graça Prola.

“Nós estaremos com as folgas concluídas segunda-feira (29) e paralelo a isso nós estamos trabalhando o processo de compra dos equipamentos: fogões, geladeiras, panelas e tudo aquilo que é necessário para o serviço de acolhimento. A partir do término dessa aquisição estamos com famílias selecionadas e prontas para serem transferidas. Nosso planejamento todo de custos, de trabalho e de regularização de documentos está prevendo 12 meses, podendo ser ultrapassado em razão da situação socioeconômica e política da Venezuela que é um dos motivos principais da vinda deles para cá”, informou a secretária da Sejusc.

Atualmente, 517 indígenas venezuelanos migraram para em Manaus. Grande parte montou barracas na área próxima da rodoviária da cidade e no Viaduto de Flores, na Zona Centro-Sul da capital. Eles serão os primeiros irem para o alojamento.

Fome

Em busca de sobrevivência, os indígenas começaram a migrar para Manaus desde o início deste ano. Adultos, idosos e crianças se abrigaram na Rodoviária de Manaus e debaixo de um viaduto na Zona Centro-Sul. A presença dos imigrantes gerou a abertura de um inquérito civil pelo Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM).

O objetivo da ação é acompanhar medidas de apoio aos indígenas Warao. O MPF solicitou informações de órgãos públicos ligados à assistência social, direitos humanos e indígenas sobre as medidas adotadas para garantir o atendimento humanitário aos refugiados.

Após reuniões com vários órgãos, ficou definido que seriam disponibilizados ônibus para levar os imigrantes de volta ao país de origem no dia 2 de abril. A Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) iria disponibilizar dois ônibus para levar os venezuelanos, mas a viagem foi adiada. Um plano de ação é montado pelo governo e prefeitura. A Cáritas Arquidiocesana, que tem acompanhado e auxiliado um grupo de indígenas venezuelanos juntamente com a Pastoral do Migrante.

No último dia 4 de maio, a Prefeitura de Manaus decretou situação de emergencial social devido ao intenso processo de imigração dos indígenas da etnia Warao da Venezuela para capital amazonense. As informações são do G1 Amazonas. 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

‘Jamary’: premiado curta amazonense terá versões para TV e cinema

A produção do curta-metragem 'Jamary' teve início em 2020, quando Begê Muniz foi contemplado com o Edital Conexões Culturais Manaus - Lei Aldir Blanc.

Leia também

Publicidade