‘Água para Todos’ promete abastecer 250 comunidades isoladas no Amazonas

O Ministério da Integração Nacional deu aval, nesta segunda-feira (12), para a liberação do pacote de R$ 40 milhões para a segunda fase do programa ‘Água para Todos’ no Amazonas. De acordo com o Governo do Estado, aproximadamente 12,5 mil famílias do interior devem ser beneficiadas. Com o investimento, o programa chegará às calhas dos rios Purus, Solimões, Negro, Médio Amazonas, Juruá e Baixo Amazonas.

A segunda fase do “Água para Todos” é destinada a comunidades da chamada terra firme. O projeto consiste na instalação de um sistema de captação e tratamento de água subterrânea para abastecimento coletivo das famílias, com a implantação de poços tubulares de 65 a 100 metros, reservatórios centrais e rede de distribuição de até 1 km.

Do montante de R$ 40 milhões a serem repassados, cerca de R$ 20 milhões entram em licitação nos próximos dias, seguindo o cronograma acertado com o ministério. O restante da verba será liberado em parcelas, conforme o percentual de execução do “Água para Todos”.

Foto: Reprodução

O programa

Executado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), o programa vai contemplar 250 comunidades isoladas e que não têm redes de água para consumo humano.

Na primeira etapa do “Água para Todos”, a ação esteve voltada à instalação de sistemas de captação e tratamento de água de chuva nas residências. A etapa deve ser concluída em dezembro, beneficiando 10 mil famílias.

Dezesseis municípios foram atendidos nas calhas dos rios Purus, Solimões, Negro e médio Amazonas, contemplando Beruri, Boca do Acre, Tapauá, Canutama, Lábrea, Pauini, Anamã, Anori, Caapiranga, Manacapuru, Manaquiri, Barcelos, Santa Isabel do Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira, Careiro e Itacoatiara, com a instalação de 10 mil sistemas de captação domiciliar e 404 de captação coletiva, além da substituição de dois mil telhados de palha por alumínio.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Governo Federal cria cooperativa para reciclar resíduos da Terra Indígena Yanomami

Termo de Execução Descentralizada entre MPI e MTE visa ampliar a economia e renda de indígenas em contexto urbano, assim como a proteção ambiental e a autonomia da TI.

Leia também

Publicidade