Manaus 30º • Nublado
Segunda, 24 Janeiro 2022

Parece ficção: relembre três casos que abalaram o Amazonas e poderiam virar documentários

show_1

Nos últimos anos, tem se tornado comum a produção de filmes e séries documentais baseadas em crimes que chocaram a sociedade e, até mesmo, nos criminosos que os cometeram. Essa prática, que já é comum em países como os Estados Unidos, é recente aqui no Brasil. 

Atualmente, foram lançados séries documentais e filmes de longa-metragem de crimes que chocaram o país, como: "O Caso Evandro" lançado em maio de 2021; "Elise Matsunaga: Era uma vez um crime", série documental disponibilizada em julho de 2021 e os longas "A menina que matou os pais" e "O menino que matou meus pais", recém lançados e que contam o caso da família Von Richthofen.

No Amazonas, houveram também crimes chocantes que poderiam ser boas produções, se adaptados para  filmes documentais e/ou séries, assim como os exemplos citados antes.

O Portal Amazônia relembra três casos do estado que impactaram a população e poderiam virar documentários.

 1. Caso Delmo

Ocorrido na década de 50, o jovem estudante Delmo Pereira, filho do Dono da Serraria Pereira, uma das empresas mais conhecidas da época, resolveu assaltar a serraria com o intuito de usar o dinheiro em clubes pela cidade. Agrediu o guarda da serraria e assassinou o chofer (como eram conhecidos os taxistas na época).

Entrou em contradição nos vários depoimentos que prestou e foi inclusive submetido ao soro da verdade. Ao ser levado de volta para a penitenciária, se envolveu em uma emboscada planejada pelos motoristas. Ao todo, 54 homens atraíram a vítima para morte e 27 homens assassinaram Delmo Pereira. De assassino, o estudante se tornou a vítima.

Os crimes se desdobraram em longos julgamentos realizados por anos e repercutiu na mídia nacional. Atualmente é possível encontrar itens do caso e jornais da época no museu do crime, localizado no Palácio da Justiça.

Leia mais: Caso Delmo: Relembre o crime que chocou o Amazonas! 

2. Caso Giselle 

Foto: Reprodução

Ocorrido em junho de 2012, no bairro Jorge Teixeira, uma mulher foi encontrada morta, por um dos genros, na casa em que morava com sua filha. A vítima apresentou 109 perfurações pelo corpo e durante as investigações, a filha Giselle chegou a afirmar que ela e seu filho foram mantidos em cárcere privado por um homem encapuzado que teria cometido o crime. Porém, mais tarde, o advogado de defesa orientou a acusada a admitir a culpa.

Giselle teria matado a mãe porque esta não lhe deu dinheiro para comprar mais droga. A ré afirmou que não lembrava de muita coisa porque estava sob efeito de entorpecentes há quatro dias. Disse ainda que sua mãe não a amava, que nunca a ajudou e chegou a ser expulsa de casa com seus filhos. Ela disse ainda que discutiam frequentemente, e que a mesma não aceitava que Giselle fosse usuária de drogas.

Após confessar matar a mãe a facadas, Giselle foi condenada a 20 anos e seis meses de prisão em regime fechado, em maio de 2013. O julgamento foi marcado pela comoção dos familiares da vítima e a frieza da ré. 

3. Caso Belota 

Foto: Reprodução

Crime que chocou pela frieza e motivação, o caso Belota é repercutido até os dias de hoje. Jimmy Robert mandou matar o pai, a tia e a prima para ficar com a herança da família, estimada em R$ 200.000 mil reais, que ia dividir com os outros dois envolvidos nos homicídios, Rodrigo Moraes Alves e Ruan Pablo Bruno Cláudio Magalhães. 

Na época, a empregada doméstica da família encontrou os corpos de Maria Gracilene Roberto Belota (tia), 55, Gabriela Belota  (prima),26, e até o cachorro da família, da raça Yorkshire, que estava pendurado próximo da cama de uma das vítimas, dentro de um apartamento no condomínio Parque Solimões, no bairro da Raiz. 

A princípio, a polícia acreditava que o crime tinha características de latrocínio. Porém, a dedução foi descartada após a Polícia Militar (PM) encontrar, no mesmo dia, o corpo de Roberval Roberto de Brito (pai), no bairro São Raimundo, Zona Centro-Oeste da Capital.

Jimmy alegou que matou o pai por conta de uma antiga mágoa e também pela herança. A tia e a prima foram assassinadas porque as duas tinham parte no patrimônio. O publicitário pretendia receber e dividir o dinheiro com a dupla, que o ajudou na execução do assassinato.

O caso que virou série !

Foto: Reprodução

Esse caso repercutiu nacional e internacionalmente. Tudo começou quando o político e apresentador de televisão, Wallace Souza, foi acusado de comandar o crime organizado no Amazonas, ao assassinar traficantes e viciados em drogas para exibir os casos no programa Canal Livre, apresentado por ele e exibido inicialmente pela então TV Rio Negro.

Wallace Souza era investigado pelos crimes de formação de quadrilha, tráfico de drogas, ameaça a testemunhas e porte ilegal de armas. Ele e os irmãos foram acusados de associação ao tráfico e de mandar matar traficantes adversários apenas para mostrar no programa de TV para aumentar a audiência e liderarem o crime organizado no Amazonas. Em julho de 2021, a Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas inocentou, por ausência de provas, os irmãos.

Em maio de 2019 estreou a série "Bandidos na TV" (em inglês, "Killer Ratings"), inspirada na história do deputado. Menos de duas semanas depois de sua estreia, a série já estava entre as 10 mais vistas no Reino Unido e Irlanda. 

E você, leitor do Portal Amazônia, gostaria de mais tramas inspiradas em casos reais da região norte?

Veja mais notícias sobre AmazôniaAmazonas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 24 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/