Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sábado, 05 Dezembro 2020

Conheça as arraias de água doce: peixes cartilaginosos e que possuem grande diversidade de espécies na região amazônica

A bacia amazônica possui a maior diversidade de peixes de água doce do mundo, são mais de 2000 espécies e dentre elas, as arraias são facilmente reconhecidas, tanto pelo seu formato peculiar de corpo, quanto pelo medo que causam, principalmente nas comunidades ribeirinhas, devido aos acidentes envolvendo esses animais.

As arraias são peixes cartilaginosos, ou seja, possuem um esqueleto constituído por cartilagem, assim como os tubarões, e existem espécies marinhas e espécies de água-doce.As arraias de água doce pertencem a família Potamotrygonidae, e apresentam o corpo achatado em formato de disco, onde as nadadeiras peitorais, bem desenvolvidas e projetadas para as laterais, constituem a maior parte do corpo. São essas nadadeiras peitorais que, por meio da ondulação do músculo, permitem que as arraias se locomovam.Na parte superior do corpo das arrais ficam posicionados os olhos e os espiráculos, que são duas aberturas, uma atrás de cada olho, fundamentais para a respiração desses animais. Na parte debaixo do corpo das arraias fica a boca, que apresenta pequenos dentes em formato de serra. As arraias se alimentam de plâncton (pequenos organismos que ficam suspensos na água e engloba seres fotossintetizantes), invertebrados e peixes.

Indivíduo adulto de Potamotrygon motoro (raia-pintada, raia-de-fogo) na margem de um rio. Foto: Itamar Júnior Tonial.

As arraias também apresentam uma cauda fina e comprida e que, no geral, possuem de um a quatro ferrões ósseos de formato retrosserrilhado (formato de serra com "dentes" voltados para trás). O ferrão contém toxinas e é utilizado como forma de defesa do animal ao se sentir ameaçado, o que acontece quando, por exemplo, alguém pisa nele. Acidentes com arraias são muito comuns na região amazônica e representam 88% dos casos de acidentes com arraias em todo o Brasil. Os acidentes com arraias ocorrem principalmente na época seca, provavelmente devido ao maior uso das praias pelas pessoas e pelas próprias arraias, que costumam ficar camufladas na areia e folhiço das águas rasas das margens dos rios, oque dificulta que elas sejam vistas. Apesar dos acidentes com arraias serem comuns na nossa região, ainda não existe antídoto e nem tratamento específico para a ferroada, principalmente pela complexidade do veneno que muda de composição mesmo dentro de uma mesma espécie.

Uma arraia de água doce camuflada em meio ao folhiço de um rio. Foto: Benoit Villette.

Hoje são reconhecidas 31 espécies de arraias de água doce, e na Amazônia esses animais têm grande potencial econômico, podendo ser comercializados para a alimentaçãocomo peixes ornamentais e também devido ao grande potencial farmacológico do veneno.No Amazonas, por exemplo, o comércio de arraias de água doce com finalidade ornamental é regulado pelo IBAMA, na qual 4 espécies podem ser exploradas a partir do sistema decotas anuais, que limita o tamanho máximo da largura do disco. Já o veneno de algumas espécies de arraias, segundo estudos recentes, apresenta atividade antimicrobiana contrabactérias e fungos, o que demonstra o potencial farmacológico que o veneno desses animais tem e a importância de investimento em pesquisas científicas para o desenvolvimento desses estudos.

Dentre as espécies de arraias de água doce reconhecidas para a Amazônia, duas espécies são consideradas ameaçadas de extinção: Paratrygon aiereba, conhecida popularmente como arraia-aramaçá, raia-branca e arumaçá e Potamotrygon leopoldi,conhecida como raia-preta e/ou raia de fogo. Essas espécies são ameaçadas principalmente devido aos barramentos de cursos d 'água (como a construção de hidrelétricas), perda e alteração de habitat e algumas, captura ilegal (principalmente devido ao tráfico de animais).

Espero que tenham gostado de conhecer um pouco mais sobre as incríveis arraias da nossa região. Abraços de sucuri pra vocês e até ao próximo animal da nossa exuberante Amazônia!

A raia-preta, Potamotrygon leopoldi, é uma das espécies de arraias de água doce ameaçadas de extinção. Foto: Jeso Carneiro.

*O conteúdo do texto é de inteira responsabilidade do(a) autor(a) e não reflete, necessariamente, a posição do Portal Amazônia.

Veja mais notícias sobre AmazôniaAmazônia Animal.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 05 Dezembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/