Voçorocas: as crateras que se formam na região urbana de Manaus

Desde 1987, relatos de desenvolvimentos dessas crateras surgem principalmente nos bairros da zona Leste e Norte de capital do estado do Amazonas.

Em algum momento você já se deparou com algumas áreas rurais ou urbanas onde nota-se a presença de uma cavidade na terra, ou seja, um “buraco” ou cratera que se formam em barrancos próximos as casas, considerados de áreas de risco. Essas deformações do solo são chamadas de voçorocas.

O Portal Amazônia entrevistou o Professor Dr. Antônio Fábio Sabbá Guimarães Vieira, professor do departamento de Geografia e Líder do Grupo de Pesquisa Geografia Física da Amazônia, responsável pelo estudo, monitoramento e contenção das voçorocas, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) para explicar sobre o fenômeno.

Também conhecido como boçoroca, a voçoroca é uma incisão erosiva que apresenta queda em bloco das camadas do solo, paredes verticais e fundo plano com profundidade superior a 1,5m, em formato de U.

“Desta forma, a voçoroca é uma feição erosiva (resultante da erosão dos solos, portanto, ela não é uma erosão, mas o resultado da erosão).” Comenta o especialista.

Foto: Acervo Pessoal / Antônio Fábio Sabbá Guimarães Vieira

 A voçoroca pode surgir em qualquer ambiente que apresente algumas características físicas naturais combinadas (declividade do terreno, chuvas, solo friável e ausência de vegetação ou vegetação inadequada) capazes de promover a formação de escoamento superficial concentrado ou em alguns casos a partir de escoamento subsuperficial. Dentre as ações realizadas pelo homem, destaca-se os seguintes para o surgimento de voçorocas na área urbana de Manaus;h

1) drenagem artificial com saída d ́água à meia-encosta;

2) sistemas de drenagem sem dissipadores de energia eficientes;

3) desmatamento;

4) desmatamento e terraplenagem (com ocupação);

5) desmatamento e terraplenagem (sem ocupação)

6) desmatamento e exploração mineral.

Foto: Acervo Pessoal / Antônio Fábio Sabbá Guimarães Vieira

Como consequência, essas incisões causam consequências econômicas e sociais, além de consequências ambientais, muitas vezes de forma irreversível.

“Além da perda da área e solo, provoca assoreamento dos cursos d’água à jusante da incisão, soma-se ainda a morte de espécies vegetais e a consequente utilização da incisão pela população local e empresas como área de despejo de lixo doméstico, restos da indústria da construção civil de outros tipos de atividades. O acúmulo de lixo só agrava o problema, pois além de conter a voçoroca, provoca a proliferação de doenças e promove a contaminação dos cursos d’água a partir da decomposição dos restos orgânicos e inorgânicos despejados nessa.” explica.

De 1987 até a presente data, há relatos de voçorocas se desenvolvendo no ambiente urbano de Manaus. Assim, deste ano até agora, já foram cadastradas voçorocas nos bairros Cidade Nova, Francisca Mendes, Canaranas, Nova Cidade, Mauazinho, São Jorge, São José, Colônia Antônio Aleixo, Distrito Industrial 2, dentre outros. Hoje a Zona Leste lidera o número de ocorrências de voçorocas, seguida da Zona Norte. Vale destacar que muitas das voçorocas podem surgir em ambiente sem ocupação humana, todavia ao se instalar moradias no seu entorno a área passa a ser considerada de risco. Uma simples via de acesso que passe próxima da voçoroca já a torna uma área de risco. Desde então, as causas para o constante surgimento e expansão das voçorocas em Manaus, continuam sendo basicamente as mesmas.

Foto: Divulgação

Mas afinal, as Voçorocas podem ser evitadas ?

De acordo com o professor, acredita-se que se houvesse um controle e monitoramento maior das causas das voçorocas, como, por exemplo, o desmatamento e terraplenagem, o surgimento de novas voçorocas poderia ser menor.

“Ainda assim, uma equipe de campo monitorando áreas susceptíveis à ocorrência de voçorocas poderiam se antecipar com medidas preventivas, uma vez que os custos de contenção e os impactos correlatos, são muitas vezes maiores que o valor monetário da área ocupada pela incisão.”

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

MPF recomenda que cooperativas de garimpo de Rondônia cumpram exigências da Agência Nacional de Mineração

O MPF estabeleceu o prazo de 30 dias para que as cooperativas apresentarem resposta escrita sobre o atendimento ou não das recomendações.

Leia também

Publicidade