Publicidade

Internacional

Greenpeace realiza ato contra exploração de petróleo na Amazônia

Ativistas foram detidos após protesto realizado na maior refinaria da petrolífera francesa Total, na Bélgica, contra exploração de petróleo nos Corais da Amazônia

Portal Amazônia, com informações do Greenpeace

jornalismo@portalamazonia.com


Ativistas do Greenpeace realizaram, nesta segunda-feira (27), uma série de protestos contra a exploração petrolífera nos Corais da Amazônia.
Logo cedo pela manhã, mais de 40 ativistas de sete países escalaram uma chamine e uma grande coluna de flare na maior refinaria da empresa petrolífera Total, no porto da Antuérpia na Bélgica, o coração das suas operações na Bélgica. A empresa é uma das que pretende perfurar a região em busca de petróleo, ao lado da britânica BP.  Os manifestantes desdobraram um banner com a mensagem: “Total, não destrua o recife”. Já em um dos tanques de combustível da companhia, os ativistas-escaladores colocaram uma grande imagem dos Corais da Amazônia.
   
"Total, não destrua o recife" - No porto de Antuérpia, na Bélgica, mais de 40 ativistas do Greenpeace escalaram uma das torres da maior refinaria da empresa, em protesto contra a exploração de petróleo próximo aos Corais da Amazônia (Foto:Eric de Mildt/Greenpeace)
 
Ao deixar a delegacia, depois de ter sido detida por duas horas, a diretora executiva do Greenpeace Internacional, Bunny McDiarmid, comentou que a demonstração não-violenta pacífica é a única maneira de conectar publicamente a maior refinaria da Total, na Antuérpia, ao recife de corais, na costa da Amazônia, sob ameaça do projeto de exploração da Total. “Não é mais a distância de um mundo. Protesto não violento deve ser a norma para conter a implacável indústria de combustíveis fósseis, determinada a destruir o nosso planeta em prol do lucro. O movimento contra os combustíveis fósseis está crescendo em todo o mundo, se acostumem a ele”, afirmou.   Sede da Total tingida de preto Simultaneamente à ação na Bélgica, os ativistas também fizeram uma ação na sede da empresa, em Paris. Eles derramaram oleo falso na frente do prédio e exibiram mensagens em defesa dos Corais da Amazônia.
   
"Salve os Corais da Amazônia": ativistas do Greenpeace pedem que a Total cancele seus planos de exploração petrolífera na bacia da Foz do Rio Amazonas (Foto:Simon Lambert/Greenpeace)
 
Sobre os corais No início de 2017, o navio Esperanza do Greenpeace realizou uma expedição a 100 quilômetros da costa norte do Brasil para registrar as primeiras imagens dos Corais da Amazônia. À bordo estava a equipe de cientistas brasileiros que confirmou a existência do recife em 2010. De acordo com o Greenpeace, foi possível observar um bioma único, composto por diferentes espécies de corais, esponjas e rodolitos, lar de um número imensurável de animais marinhos - e três possíveis novas espécies de peixes.   Uma petição disponível no site da organização colhe assinaturas contra a exploração petrolífera na foz do Amazonas. Mais de 860 mil pessoas já Opens external link in new windowassinaram o documento.
 

Internacional

Home > Noticias > null

Greenpeace realiza ato contra exploração de petróleo na Amazônia

Ativistas foram detidos após protesto realizado na maior refinaria da petrolífera francesa Total, na Bélgica, contra exploração de petróleo nos Corais da Amazônia

Portal Amazônia, com informações do Greenpeace

jornalismo@portalamazonia.com


Ativistas do Greenpeace realizaram, nesta segunda-feira (27), uma série de protestos contra a exploração petrolífera nos Corais da Amazônia.
Logo cedo pela manhã, mais de 40 ativistas de sete países escalaram uma chamine e uma grande coluna de flare na maior refinaria da empresa petrolífera Total, no porto da Antuérpia na Bélgica, o coração das suas operações na Bélgica. A empresa é uma das que pretende perfurar a região em busca de petróleo, ao lado da britânica BP.  Os manifestantes desdobraram um banner com a mensagem: “Total, não destrua o recife”. Já em um dos tanques de combustível da companhia, os ativistas-escaladores colocaram uma grande imagem dos Corais da Amazônia.
   
"Total, não destrua o recife" - No porto de Antuérpia, na Bélgica, mais de 40 ativistas do Greenpeace escalaram uma das torres da maior refinaria da empresa, em protesto contra a exploração de petróleo próximo aos Corais da Amazônia (Foto:Eric de Mildt/Greenpeace)
 
Ao deixar a delegacia, depois de ter sido detida por duas horas, a diretora executiva do Greenpeace Internacional, Bunny McDiarmid, comentou que a demonstração não-violenta pacífica é a única maneira de conectar publicamente a maior refinaria da Total, na Antuérpia, ao recife de corais, na costa da Amazônia, sob ameaça do projeto de exploração da Total. “Não é mais a distância de um mundo. Protesto não violento deve ser a norma para conter a implacável indústria de combustíveis fósseis, determinada a destruir o nosso planeta em prol do lucro. O movimento contra os combustíveis fósseis está crescendo em todo o mundo, se acostumem a ele”, afirmou.   Sede da Total tingida de preto Simultaneamente à ação na Bélgica, os ativistas também fizeram uma ação na sede da empresa, em Paris. Eles derramaram oleo falso na frente do prédio e exibiram mensagens em defesa dos Corais da Amazônia.
   
"Salve os Corais da Amazônia": ativistas do Greenpeace pedem que a Total cancele seus planos de exploração petrolífera na bacia da Foz do Rio Amazonas (Foto:Simon Lambert/Greenpeace)
 
Sobre os corais No início de 2017, o navio Esperanza do Greenpeace realizou uma expedição a 100 quilômetros da costa norte do Brasil para registrar as primeiras imagens dos Corais da Amazônia. À bordo estava a equipe de cientistas brasileiros que confirmou a existência do recife em 2010. De acordo com o Greenpeace, foi possível observar um bioma único, composto por diferentes espécies de corais, esponjas e rodolitos, lar de um número imensurável de animais marinhos - e três possíveis novas espécies de peixes.   Uma petição disponível no site da organização colhe assinaturas contra a exploração petrolífera na foz do Amazonas. Mais de 860 mil pessoas já Opens external link in new windowassinaram o documento.
 

TAG Amazoniapetroleoexploracao mineralGreenpeaceprotesto