Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Quinta, 13 Mai 2021

Conheça o tacaranguejo, mistura de tacacá com caranguejo

 Queridinho da região Norte, o tacacá ganhou uma nova versão com a receita da empresária paraense Rubenita Sampaio

Amazônia Independente: movimento propõe a emancipação da região norte

Após a consulta, em que 42% da população foram às urnas, cerca de 90% dos eleitores se declararam favoráveis à divisão

Nova espécie de rã da Amazônia tem voz de passarinho

O sapinho pertence ao gênero Adenomera, que inclui diversas outras espécies distribuídas em quase toda a América do Sul

Pesquisadores são surpreendidos com descoberta de sapo bilíngue na Amazônia; veja o vídeo

Da coleta dos sons até a publicação do artigo, anunciando o “sapinho” bilíngue, foram sete anos de pesquisa

9 cenários que vão te dar vontade de conhecer a Amazônia

 

A Amazônia é uma região cercada por cenários que poderiam estar em filmes de Hollywood

Água salgada na Amazônia: conheça cinco praias de mar que vale a pena visitar no Pará

Está calor, não está?! Pensando nisso, a equipe do Portal Amazônia separou algumas dicas de praias da região do Sal, para quem quiser conhecer mais das maravilhas de águas salgadas do Pará e aproveitar para se refrescar nas suas próximas férias. Confira:

Mulheres são as principais vítimas de doenças cardiológicas provocadas por estresse

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares são responsáveis por 31% das causas de morte todos os anos

Projeto Forma Pará oferta 350 vagas em cursos de graduação no interior do estado

O governo do Pará, por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), anunciou o lançamento do edital do Processo Seletivo Especial (PSE) para o preenchimento de 350 vagas em sete turmas de cursos de nível superior ofertados pelo Projeto Forma Pará. O anúncio dos cursos do Forma Pará foi realizado no Teatro Experimental Waldermar Henrique, com a presença de professores e outras autoridades.
Foto:Divulgação/Agência Pará

Serão ofertados pela Universidade do Estado do Pará (Uepa) e pela Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) em sete municípios:

Operação de Carnaval do Procon Pará inicia ações de fiscalização

O Procon Pará, vinculado à Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), iniciou a Operação de Carnaval, que já fiscaliza pontos localizados na capital do Estado, diante da grande procura dos brincantes por passagens aéreas, hospedagens, abadás e ingressos para camarotes. O objetivo principal é verificar se os locais de venda estão atuando de acordo com o Código de Defesa do Consumidor.



Neste primeiro momento, equipes de fiscais começam a entregar recomendações técnicas para que os responsáveis levem as informações necessárias para os brincantes. Algumas delas são: se o consumidor tem direito a algo durante a permanência no bloco, a posição em que poderá ficar, preços que devem estar de forma clara e precisa, a política de troca em caso de defeito e a presença do Código de Defesa do Consumidor.

Foto: Divulgação

“Nós já iniciamos a fiscalização de forma preventiva nos postos de vendas, orientando os responsáveis a se adequarem quanto à legislação”, explicou o agente do Procon Pará, Edson Costa.
Segundo a coordenadora de Fiscalização do órgão, Ágatha Barra, o Procon agendou uma reunião com representantes da Liga dos Blocos de Carnaval, que tem mais de 20 blocos de rua. “Nós queremos fazer essa reunião, justamente, para ajustar e esclarecer possíveis dúvidas dos representantes da Liga de Blocos sobre atuarem de acordo com a legislação”, ressaltou a coordenadora.


AlertaOs foliões precisam se atentar para os valores cobrados no ato da compra, pois podem ser diferentes para cada forma de pagamento, além de saber sobre troca de abadás, em caso de defeito e ao que o passaporte dá direito.



A operação vai ocorrer durante este período de pré–carnaval. O consumidor que já adquiriu o passaporte para a folia, mas esteja se sentindo lesado, deve procurar a sede do Procon, localizada na travessa Lomas Valentinas, n. 1.150 ou ligar para o número 151.

Estado promove receptivo para 1,2 mil turistas que desembarcam em Belém

Na manhã desta segunda feira (13), o navio Amsterdam chegou a Belém, trazendo 1,2 mil turistas de várias nacionalidades, incluindo americanos, holandeses e alemães. O cruzeiro percorreu o oceano Pacífico, visitando a América Central e agora deve percorrer toda a costa brasileira até a Argentina. Este é o segundo navio com estrangeiros que chega na capital paraense em menos de 10 dias.



O desembarque foi no trapiche de Icoaraci, onde os visitantes estrangeiros puderam conhecer o artesanato paraense e a cultura popular, com apresentação de brincantes do Arraial do Pavulagem. De lá, 21 ônibus saíram para iniciar as rotas pelos pontos turísticos. Uma delas percorreu o centro histórico e os patrimônios culturais e arquitetônicos, como Teatro da Paz e Museu de Arte Sacra.
Foto: Divulgação

A temporada de cruzeiros que recoloca o Pará no roteiro turístico mundial tem o receptivo coordenado pelo governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo (Setur). "Nossa temporada começou em dezembro com dois cruzeiros e termina em maio com 13 cruzeiros em 2020, desembarcando em Icoaraci e Belém. Portanto, o trabalho continua sempre melhorando a cada recepção", ressalta o secretário de Estado de Turismo, André Dias.


A ação é articulada com outras instituições, como a Secretaria de Estado de Cultura (Secult), Polícia Militar, Prefeitura Municipal de Belém e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).
No Theatro da Paz, os turistas tiveram uma visita guiada onde conheceram um pouco mais sobre o patrimônio histórico e a elite paraense que viveu na época da borracha. Eles foram surpreendidos com uma apresentação especial, no palco, de um quarteto de cordas que tocou um recital de músicas clássicas. "Great" (ótimo), "Wonderful" (maravilhoso), elogiaram os visitantes.




O americano e planejador urbano aposentado, Bill Oman, que esteve em Belém em 2016, estava ansioso para visitar os atrativos arquitetônicos e históricos da cidade, que completou 404 anos neste último domingo (12). "Gostei tanto que voltei. E, por isso, escolhi um tour cultural, para poder entrar nos teatros e museus", afirma o turista que veio de São Francisco, na Califórnia (EUA).


Foto: Divulgação

A portuguesa e professora aposentada Ana Maria Carolino não perdia a chance de fotografar cada detalhe do monumento arquitetônico. "Estou adorando, é uma maravilha. Me surpreendeu positivamente. É a primeira vez em Belém, muito bonito aqui. O Teatro eu não esperava ser tão bonito como realmente é. Tudo lindo. O teto, o chão e as paredes, as pinturas, adorei", contou entusiasmada.


Turismo

Segundo o titular da Setur, André Dias, o turista de cruzeiro gasta cerca de 100 dólares em compra de souvenirs, artesanatos e passeios em geral. “O navio traz mais de mil pessoas, ou seja, mais de 100 mil dólares são injetados na economia em uma única visita”, prospecta.Para o artesão Rodrigo Miranda, que trabalha há 20 anos como ceramista em Icoaraci, esse novo momento do turismo na cidade dá mais gás e incentivo para quem trabalha com artesanato. "É gratificante. A gente vende pouco artesanato para quem é daqui. O turista que vem de fora do Brasil valoriza mais, eles gostam das cerâmicas com pinturas de araras, pássaros, algo que lembra a floresta. Pra gente, está sendo muito bom, porque nos sentimos valorizados com o nosso produto circulando pelo mundo", diz.


Mas, para impulsionar ainda mais a atividade turística em Belém, a cidade precisa sair do abandono, sobretudo, em estrutura receptiva. O presidente da Companhia de Portos e Hidrovias, Abraão Benassuly, que também participou das boas vindas aos visitantes, afirma que o Estado já trabalha para readequar o porto de Icoaraci.


"Nunca houve nada aqui em Icoaraci, de estrutura, que pudesse proporcionar para o nosso turista conforto e segurança. É um desembarque improvisado. Preocupado com essa situação, o secretário André Dias encaminhou o pedido de estudos pra CPH, para instalarmos uma estrutura adequada para os transatlânticos. O nosso governador já autorizou que iniciássemos os procedimentos para contratação da empresa que fará esse estudo, para assim elaborarmos o projeto e a executarmos a obra", afirma Benassuly.

Secretaria de Cultura celebra a Cabanagem e os 404 anos de Belém; confira programação

Para celebrar os 185 anos da Cabanagem, revolução popular realizada na Província do Grão-Pará durante o Brasil Império, o Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), organizou o Preamar Cabano, uma ação totalmente gratuita, que ocorre a partir da próxima terça-feira (7) até o dia 12 de janeiro. A programação conta com várias atrações e encerra com a entrega do Porto Futuro, marcando as comemorações pelos 404 anos de Belém.

Foto:Divulgação/Agência Pará


Com composições musicais e poemas inéditos que fazem referência à revolução Cabana, a “Cantata Poética Cabana”, interpretada pelo cantor e compositor Rafael Lima e pelo poeta Antônio Juraci Siqueira, abre a programação no dia 7, às 18h, no Museu do Estado do Pará (MEP). Na sequência, uma animação inédita sobre a Cabanagem será exibida em vídeo mapping na fachada do museu, fazendo a capital paraense reviver um dos capítulos mais marcantes de sua história.

Ao final da exibição, um cortejo com grupos de cultura popular sairá do museu em direção à Praça da Fonte, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, onde acontecerão os shows da DJ Ananindeusa e Orquestra Aerofônica. Ainda no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, onde funciona o Museu de Arte Contemporânea do Estado do Pará, estão abertas quatro exposições com peças do rico acervo do Estado.


Na Sala Ruy Meira está montada a exposição “Percursos na Arte Brasileira”, com curadoria do Sistema Integrado de Museus e Memoriais. A exposição traça um panorama da arte brasileira, das primeiras décadas do século XX aos dias de hoje, no qual os artistas da geração moderna dialogam com a produção artística contemporânea paraense.

Já na Sala Valdir Sarubbi, está aberta a exposição “Dilemas 2019”, com curadoria de John Fletcher. A proposta expositiva ressalta o potencial crítico da arte sobre a realidade atual, a partir de dilemas pessoais e coletivos, de modo a criar um roteiro capaz de nos fazer refletir e agir sobre as transformações disruptivas da atualidade.


A exposição “Encontro das Águas – Luiz Braga e Miguel Chikaoka” está aberta à visitação na Sala Gratuliano Bibas e tem curadoria do Sistema Integrado de Museus e Memoriais e texto de João de Jesus Paes Loureiro. A mostra apresenta um olhar sobre a Amazônia, por meio do encontro de dois grandes representantes da fotografia paraense: Luiz Braga e Miguel Chikaoka. Dois rios fluentes de histórias pessoais unidas pela invenção, originalidade, ética, humanismo e o compromisso com as atitudes da dimensão artística da fotografia.

A exposição “Indizível” recebe o público na Sala Laboratório das Artes e tem curadoria de Nando Lima. A mostra traz uma videoinstalação que propõe uma experiência imersiva no universo simbólico de Andara - a Amazônia distópica de Vicente Cecim.

Integrada à programação do Preamar Cabano, a 38ª edição do Salão Arte Pará, realizada no Museu do Estado, em Belém, também estará aberta à população. A exposição "Deslendário Amazônico", de curadoria de Orlando Maneschy e curadoria adjunta de Keyla Sobral, celebra o pensamento do poeta João de Jesus Paes Loureiro em seus 80 anos.

Na quinta-feira (9), às 16h, será realizada no Salão Histórico do MEP, a primeira ação do Projeto Obra Comentada. O professor de história Aldrin Figueiredo ministrará uma aula analisando o quadro “A Conquista do Amazonas”, de Antônio Parreiras. O objetivo do projeto é aproximar a sociedade do acervo exposto do Estado por meio de seminários, workshops, aulas e palestras. Em seguida, às 17h, será realizado na Capela do MEP o Projeto Música nos Museus, com o Trio Andaluz interpretando os clássicos do choro brasileiro e regional.


Com o objetivo de incentivar o cuidado e a preservação do patrimônio histórico da cidade, o projeto “Diálogos com o Patrimônio”, organizado pelo Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (DPHAC), desenvolverá ações educativas ao longo da semana. A programação inicia com a exposição “Patrimônio Público Paraense”, que apresenta os bens tombados pelo Estado em painéis montados no Pátio Interno do Museu do Estado do Pará (MEP), de 07 a 12 de janeiro, de 9h às 17h.


Na sexta-feira (10), às 9h, acontecerá uma visita monitorada à Igreja de Santo Alexandre, que levará o público a um passeio pelos vestígios da história colonial da cidade, deixados pela Companhia de Jesus, e que hoje fazem parte do acervo da Igreja.


Logo após, no Café do Museu de Arte Sacra, acontecerá uma oficina de cartões-postais temáticos dos espaços que foram cenários decisivos para os desdobramentos da Cabanagem. No mesmo dia, na varanda do MEP, o público será convidado a construir coletivamente o Painel Cabano, uma instalação artística desenvolvida por meio de técnicas de colagem, desenhos e escrita, utilizando recortes de material temático escaneado do acervo das Bibliotecas do DPHAC e do Sistema Integrado de Museus (SIM).

A programação segue às 15h com a palestra “07 de Janeiro de 1835: A Tomada da Cidade de Belém pelos Cabanos”, na Capela do MEP. A ação irá propor um debate mediado pela Profª. Drª. Eliana Ramos Ferreira, da Universidade Federal do Pará (PPHIST/ UFPA), sobre o início histórico da Cabanagem.

No sábado (11), às 18h, acontecerá a abertura da exposição “Uma Certa Belém”, montada na Galeria Fidanza do Museu de Arte Sacra, com peças da Coleção Motoki. A coleção é formada pelo acervo doado pelo imigrante japonês Kenichiro Motoki ao Museu do Estado do Pará. Na exposição, o visitante conhecerá objetos artísticos e fragmentos de edificações do período da borracha, recolhidos pelo imigrante com espírito de colecionador. Às 19h, o historiador Michel Pinho mediará a ação “Belém Noturna”, uma caminhada pela noite do centro histórico de Belém, apresentando seus labirintos de memórias e histórias que permeiam o local.

Nos dias 11 e 12, de 9h às 17h, também ocorrerão duas ações de educação patrimonial e cultural. No Espaço Cultural Casa das 11 Janelas, acontecerá a oficina “Montagem de maquetes do patrimônio histórico de Belém", aberta aos estudantes e ao público em geral, que conhecerão, por meio de um processo lúdico de montagem de maquetes de papel, a importância do patrimônio arquitetônico e histórico da capital paraense. E no hall de entrada do Museu de Arte Sacra haverá o projeto “Troca-Troca de Leitura”, promovido pela Biblioteca “Antônio Landi”. A ação possibilita a rotatividade da informação, incentivando a leitura e a disseminação do conhecimento, além de renovar o acervo da biblioteca.


Já no domingo (12), dia do aniversário de Belém, a programação começa cedo. Às 8h30, a professora Maria Goretti e o Grupo de Pesquisa de Geografia do Turismo, da Faculdade de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia (GGEOTUR) da Universidade Federal do Pará (UFPA), realizarão o “Roteiro Geo-Turístico”, que percorrerá o bairro Cidade Velha, compartilhando com o público informações sobre o Centro Histórico de Belém e valorizando o patrimônio como campo de pesquisa e conhecimento científico, além de fortalecer a importância de ações voltadas às práticas de turismo histórico e resgate da memória socioespacial da cidade.


Para quem estiver pela Praça da República no domingo e para o público em geral, a Secult preparou uma programação especial: o teatro musical “Árvores que tocam” retorna ao palco do Theatro da Paz e será apresentado às 11h, com entrada franca. A obra do percussionista Thiago D'Albuquerque reúne percussão, canto e dança e é marcada pela mistura de instrumentos populares e eruditos, com a incursão de recursos tecnológicos.


Encerrando o Preamar Cabano, a entrega o Porto Futuro, localizado próximo à Baía do Guajará, que busca fortalecer o contato do povo paraense com o rio. Integrado à paisagem urbanística da cidade de Belém, o novo equipamento da Secult é versátil e visa promover a geração de emprego e renda, além de criar novos espaços de cultura e lazer para a população.
Foto:Divulgação/Agência Pará


A programação no Porto Futuro inicia às 18h, com o coral Vale Música. Às 20h, a Amazônia Jazz Band se apresenta com um repertório bem paraense e participação especial de Lucinnha Bastos e Pinduca. Já às 22h, ocorre um espetáculo pirotécnico e, pra encerrar a noite, o carimbó chamegado de Dona Onete e Banda.


A secretária de Estado de Cultura, Ursula Vidal, destaca que a programação do Preamar Cabano envolve uma semana intensa de atrações artísticas. “Buscamos contemplar muitas expressões e manifestações culturais, numa ação de valorização do patrimônio e da história da nossa cidade, levando o público a ocupar diversos espaços importantes espalhados pelo centro histórico de Belém. Vamos encerrar as comemorações com muito carimbó - nosso patrimônio imaterial e cultural brasileiro - colocando todo mundo para dançar numa onda de alegria e esperança em uma Belém mais radiante e feliz”, finaliza.


Polo Mangueirão da ParáPaz abre inscrições para atividades esportivas

O Polo Mangueirão da Fundação ParáPaz inicia, nesta segunda-feira (6), o período de matrícula de rematrícula para as atividades esportivas realizadas no Estádio Olímpico do Pará/EOP, o Mangueirão, que recomeçam no próximo dia 15. São ofertadas aulas gratuitas de futsal e tênis de mesa para crianças e jovens de 8 a 18 anos, em turmas matutinas e vespertinas.


Interessados podem procurar a gerência do Polo, que fica no lado A do estádio, de segunda a sexta, no horário de 8h às 17h, com cópia da declaração escolar, do comprovante de residência, do RG ou da certidão e duas fotos 3x4 do aluno. São necessárias ainda cópias do RG, CPF e comprovante de residência do responsável.

Foto: Divulgação

Segundo o gerente da ParáPaz no Mangueirão, Gabriel Cardoso, no ano passado, a  Fundação e a Secretaria, tiveram a oportunidade de mostrar aos alunos do Polo Mangueirão a importância da cidadania e igualdade através da prática de esporte e lazer, contribuindo para a construção de valores dessas crianças e adolescentes.

"Nossa expectativa para 2020 é que seja um ano ainda mais produtivo, com muito mais ações ofertadas para toda à comunidade ao redor do Estádio Olímpico”.


Através da parceria entre a ParáPaz e a Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), responsável pela gestão da Praça esportiva, mais de 200 meninos e meninas dos bairros do Bengui, Cabanagem, Tapanã, Coqueiro, Parque Verde e Mangueirão foram atendidos em 2019 com atividades esportivas que promovem o bem estar físico e a inclusão social.


“O Mangueirão está no centro de dois bairros incluídos no programa Territórios pela Paz, que são Cabanagem e Bengui. Logo, a parceria com a ParáPaz é vital como estratégia de governo para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos. É um privilégio o Estádio Olímpico participar destas ações cedendo espaço”, afirma o diretor do EOP, Adélio Mendes.

Último final de semana terá programação variada na Estação das Docas; confira as atrações

Já no clima de pré-réveillon a Estação das Docas promoverá um fim de semana animado na cidade. Já nesta quinta-feira (26) terá programação com o Projeto "Cantando na Orla", que irá reunir mais de 10 artistas regionais em um grande show, a partir das 17h. Na última sexta-feira do ano (27), o Grupo Sabor da Ilha levará o melhor do carimbó à Orla do complexo, dentro do Projeto "Pôr do Som", às 18h30.



O domingo (29) será voltado às crianças, com contação de histórias e oficina de desenho e colagem, no Projeto "Teatro ao Pôr do Sol", às 17h. Todas as programações serão gratuitas e irão ocorrer na orla do Armazém 3.

Foto: Divulgação


Confira a programação de esquenta para o réveillon nas Docas 2020:



Quinta-feira (26/12) 



O Projeto Cantando na Orla terá show gratuito, de 17h às 19h, na Orla do Armazém 3, com os músicos Allan Roffé, Teddy Marks, Júnior Almeida, Marquinho Melodya e Banda, Fábio Santos, Ewerton Diniz, Rafael Monteiro, Eraldo 2 por 4, Adelino Torres, Seven Jr, Érick Serrão, Juliane Macial e Yanna Cardoso, que irão apresentar músicas autorais e interpretar grandes sucessos.



Sexta-feira (27/12)



O último Pôr do Som do ano promete fechar a agenda de 2019 com chave de ouro. Com um show que conta com apresentações de Xote, Lundu, Carimbó, além de representações de tradicionais lendas amazônicas, o Grupo Sabor da Ilha promete colocar o público para dançar. A programação começa às 18h30, na orla do armazém 3, com entrada franca.



Domingo (29/12)




No domingo a programação será voltada às crianças, com a contação de história “O Pastor de Nuvens” e oficina de desenho e colagem, ministradas pela artista Karla Pessoa, dentro do Projeto Teatro ao Pôr do Sol, às 17h. Ambas as atividades ocorrerão dentro do Armazém 3 da Estação e a participação é gratuita.
Todos os projetos são uma promoção do Governo do Estado, por meio da Organização Social Pará 2000, que administra a Estação das Docas.

Por causa do período chuvoso amazônico, Ararajubas do Parque do Utinga ganham ninho artificial

As ararajubas (Guaruba guarouba) do Parque Estadual do Utinga “Camillo Vianna”, no bairro do Curió-Utinga, em Belém, ganharam um ninho artificial, que foi instalado em uma árvore de Ucuúba (Virola surinamensis), situada ao lado da passarela que dá acesso à Casa da Mata, um dos espaços de visitação da Unidade de Conservação. O objetivo é auxiliar na acomodação de possíveis filhotes da espécie que venham a nascer após a próxima estação reprodutiva, tendo início no período chuvoso amazônico.



Realizada semana passada, a ação foi uma iniciativa da equipe técnica da Gerência de Biodiversidade, vinculada à Diretoria de Gestão da Biodiversidade (DGBio) do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio). E contou com o apoio de uma equipe da empresa Amazônia Aventura, que utilizou equipamentos de rapel e escalada para alcançar os quase 10 metros de altura onde ninho foi instalado.

Foto: Divulgação



Essa foi mais uma etapa do projeto “Reintrodução e Monitoramento das Ararajubas em Unidades de Conservação da RMB – Belém Mais Linda!”, realizado pelo Ideflor-bio, em parceira com a Fundação Lymington, de São Paulo.

Os ninhos artificiais simulam árvores ocas, que servem de abrigo para a postura e o cuidado com os ovos e filhotes, explicou a gerente de Biodiversidade do Instituto, Nívia Pereira.

“O objetivo de colocar o ninho nas proximidades do viveiro, onde alguns indivíduos permanecem em treinamento, é facilitar a vida de um casal de ararajubas que escolheram o local para passar a noite. Elas exploram as redondezas durante o dia, mas sempre retornam para dormirem lá”, ponderou Nívia.




Balanço


O projeto “Reintrodução e Monitoramento das Ararajubas nas Unidades de Conservação da Região Metropolitana de Belém – Belém mais linda!” foi idealizado em 2016, por meio de uma parceria entre o Ideflor-bio e a Fundação Lymington, de São Paulo. Em 2017 foram construídos os aviários no Parque Estadual do Utinga. No mesmo ano, foram trazidos de São Paulo para o Parque, em Belém, o primeiro grupo formado por 14 aves, criadas em cativeiro. Em 2018, foi promovida a soltura de 20 indivíduos da espécie, sendo que uma delas nasceu a partir da reprodução livre, dentro do Parque.



Foto: Divulgação



De acordo com a gerente Nívia, cinco do total de 20 aves que foram soltas continuam morando no Parque. Já foi possível visualizar um grupo de quatro a cinco aves voando e colorindo os céus da capital paraense. As ararajubas são aves ameaçadas de extinção, incluídas tanto na lista estadual quanto federal. “A gente deixa comida disponível para que no pós-soltura alguns indivíduos permanecessem no Parque, por estarem mais protegidos aqui”, ressaltou a gerente.



Com as vibrantes cores verde e amarela, a ave que é considerada símbolo do Brasil desapareceu da fauna da capital paraense entre as décadas de 40 e 50 devido à expansão da cidade, o desmatamento e o comércio ilegal de animais silvestres. O projeto surgiu justamente para reintroduzir promovendo a readaptação do animal silvestre no habitat amazônico. Elas se alimentam basicamente de frutas e vivem entre 20 a 40 anos.

Brigadistas são indiciados por incêndios em Alter do Chão

A Polícia Civil do Pará indiciou quatro membros da Brigada de Incêndios Florestal de Alter do Chão no inquérito que apura dano ambiental praticado em uma área de proteção ambiental (APA) próxima a Santarém, em meados de setembro. A corporação confirmou ainda o indiciamento de uma quinta pessoa, cujo nome não foi divulgado.



O documento foi protocolado na tarde desta quinta-feira (19) no Fórum Criminal de Santarém pelo delegado que preside o inquérito.



"Todas as provas testemunhais, técnicas e perícias indispensáveis para caracterização do indícios de autoria e materialidade foram devidamente anexadas ao inquérito policial. Portanto, a Polícia Civil encerrou os trabalhos relacionados à investigação em questão, cabendo agora ao Poder Judiciário e ao Ministério Público avaliar e deliberar sobre as providências legais a serem adotadas", informou a corporação.


Foto: Divulgação
 
Defesa




Em nota, o grupo de advogados que defende os brigadistas voluntariamente classifica a investigação como tendenciosa e o indiciamento de Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romano, Marcelo Aron Cwerner e Gustavo de Almeida Fernandes como uma “enorme injustiça”.
 “O indiciamento é fruto de ilegalidades e, infelizmente, indica direcionamento da investigação. Encerraram-se as investigações de maneira atropelada, sem a realização de perícia técnica, atualmente em curso na Policia Federal, para apurar em que circunstâncias efetivamente ocorreu o incêndio”, afirmam os defensores do grupo.




“O indiciamento foi baseado em ilações extraídas de depoimentos meramente especulativos, sem nenhuma prova, atacando aqueles que dedicaram as suas vidas a combater incêndios voluntariamente na região amazônica”, acrescentam os advogados ao afirmarem aguardar “uma manifestação serena e responsável” do Ministério Público estadual.


Entenda




Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romano, Marcelo Aron Cwerner e Gustavo de Almeida Fernandes foram presos em caráter preventivo em 26 de novembro e passaram sete dias detidos sob a suspeita de terem provocado os incêndios que, entre 14 e 15 de setembro, atingiram a APA Alter do Chão.




Após dois meses de investigação, a Polícia Civil concluiu que os brigadistas ateavam fogo à unidade de conservação ambiental para se autopromoverem combatendo as chamas e, assim, obter donativos em dinheiro de outras organizações não governamentais.




Ainda de acordo com a Polícia Civil, eles também obtiveram dinheiro vendendo imagens da floresta em chamas enquanto o grupo atuava.
Dois dias após a prisão preventiva dos quatro, o governador Helder Barbalho determinou que o delegado responsável pelo inquérito policial, Fábio Amaral Barbosa, fosse substituído pelo diretor da Delegacia Especializada em Meio Ambiente, Waldir Freire Cardoso.

Saiba o horário de funcionamento do Parque Zoobotânico nos feriados de final de ano

Nesta terça-feira (24), véspera de Natal, o horário de funcionamento do Parque Zoobotânico será de 9h às 14h30. Na quarta-feira (25), o Parque estará fechado para o feriado de Natal. Em relação ao Ano Novo, o Parque Zoobotânico estará aberto de 9h às 14h30 na véspera (31) e fecha no dia 1º de janeiro. É importante lembrar que a bilheteria encerra a venda de ingressos 45 minutos antes do horário final de visitação. Desse modo, nos dias 24 e 31 de dezembro a bilheteria estará aberta até 13h45.



Foto: Divulgação


O Parque Zoobotânico está localizado na Avenida Magalhães Barata, nº 376, bairro de São Brás, em Belém (PA). O valor do ingresso é R$ 3,00 (inteira) e R$ 1,50 (meia-entrada) para estudantes mediante a apresentação da carteira de identificação estudantil e jovens de baixa renda com apresentação da Identidade Jovem, acompanhada de documento de identificação com foto. Crianças com até 12 anos incompletos, idosos com mais de 60 anos e pessoas com deficiência têm direito à gratuidade.


Pesquisadores do Pará criam biodigestor que gera economia de gás de até 72 mil reais por ano

No Assentamento Veneza pertencente ao município de São Domingos do Araguaia, no sudeste do Pará, a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) entregou na última semana, o 1º Biodigestor - denominado "BioFertiGás" à família da dona Nádia Gomes da Silva, moradora no local há 15 anos.

Foto:Divulgação/Unifesspa


O projeto para construção do Biodigestor foi desenvolvido pelo Grupo de Estudos em Máquinas e Mecanização Agrícola (GEMMA) e coordenado pelo Prof. Dr. David Cardoso Dourado, do curso de Agronomia da Unifesspa. A equipe do GEMMA que possui 25 alunos, sendo 2 egressos, mais um bolsista - Alexandre Alves, trabalhou por cerca de 1 ano no projeto, visitando o assentamento cerca de 2 a 3 vezes por mês para os ajustes necessários.


Na oportunidade, a aluna do curso de Agronomia Cristiane Scheidegger Maia defendeu seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) intitulado - "Elaboração da Cartilha de instalação de BioFertiGás no Assentamento Veneza em São Domingos do Araguaia", conquistando conceito excelente em sua apresentação. A Banca examinadora foi composta pelo orientador Prof.º Drº. David Cardoso Dourado, Prof.º Drº. Sergio Moreno Rédon e pelo engenheiro agrônomo da Faculdade de Ciências Agrárias de Marabá Igor Vinícius de Oliveira.


Cerca de 10 Manuais (cartilhas) foram entregues aos produtores rurais que vão analisar, verificando a necessidade de ajustes e correções para que fique numa linguagem a mais compreensiva possível aos produtores rurais.

Foto:Divulgação/Unifesspa


O projeto


O projeto conta com parceiros importantes. Entre eles estão o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará – Ideflor-bio, além da prefeitura de São Domingos do Araguaia, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente representada pelo secretário Lourival Pimentel.


Segundo o coordenador, Profº. Drº. David Cardoso Dourado, o Senar apoia o projeto com treinamento de pessoal e na implantação via programa de gestão das propriedades rurais que envolve todos os processos de gerenciamento na cadeia produtiva leiteira (Programa Ateg Leite).


O Senai está contribuindo na construção da forma (molde) do BioFertiGás e prestando assistência na cadeia de geração de energia elétrica via biogás, além de treinamentos. Já o Ideflor-bio colabora na instalação e manutenção de 1 hectare de um Sistema Agroflorestal (SAF) que seria uma contrapartida da família contemplada com a instalação do BioFertiGás em sua propriedade.

Foto:Divulgação/Unifesspa


Esta área após instalada, será legalmente regularizada via Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente do município e, por fim, o projeto conta também com o apoio da prefeitura de São Domingos do Araguaia que buscou o financiamento via Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) de cerca de R$ 200 mil reais para a instalação de 60 biodigestores no município, além de prestar assistência geral ao projeto.


"Foi uma conquista não só pessoal, como também coletiva, uma vez que envolveu um grupo de pesquisas, produtores rurais, além de órgãos públicos. Todos trabalhando em prol do mesmo objetivo: desenvolvimento socioambiental de baixo custo e grande impacto, não só ao meio ambiente como também a toda comunidade direta ou indiretamente envolvida. Agora, o BioFertiGás é uma ação institucional que trilha os caminhos para tornar-se um plano de governo", argumentou o professor David Dourado.


Conheça o BioFertiGás


O BioFertiGás possui 2,5m de largura, 2,20m de profundidade e uma caixa d'água ou campânula de 3 mil litros, saindo a um custo bem acessível, cerca de R$ 3 mil reais, tornando-o R$ 5 mil reais mais barato em relação aos tradicionais biodigestores encontrados no mercado.


Para a construção do biodigestor, a matéria-prima que substituiu o cimento, foi o pó de despoeiramento, um resíduo da indústria siderúrgica e objeto de estudo do Pós-Doutoramento do Profº. Dr.º David Dourado. Esse material junto às adaptações metodológicas, tornou o processo mais rápido, mais fácil, mais econômico e, o principal: trouxe um apelo socioambiental de viés sustentável que prioriza o aproveitamento de resíduos em prol ao meio ambiente.

Foto:Divulgação/Unifesspa


Mais biodigestores


Durante o evento foi anunciada a entrega de mais 60 biodigestores para 60 famílias da região, que vai permitir que elas economizem cerca de R$ 72 mil reais por ano em consumo de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), e, além desta vantagem, as famílias poderão empregar o Biofertilizante (adubo orgânico proveniente do processo) nas hortaliças, pastos, SAF´S e outros, eliminando assim, despesas na compra de adubos químicos.


Chácara "Alto Bonito" no Assentamento Veneza


A agricultora familiar Nádia Gomes da Silva cultiva cajá, acerola, abacaxi, jaca, banana maçã, banana da terra, manga, goiaba, coco, açaí, tamarindo, castanha-do-pará. Com a venda da polpa das frutas, ela tira o sustento da família. Viúva há 8 anos e mãe de 3 filhos, ela cultiva hortaliças, possui criação de gado, porco e galinhas, além de produzir farinha e vender leite para o abastecimento dos laticínios da região.




Borboletário é opção de lazer para os amantes da natureza, em Belém


Quando a autônoma Tainara Paula, residente em Bragança (nordeste do estado), aceitou o convite dos sogros para um passeio no parque zoobotânico Mangal das Garças, na capital paraense, não imaginou a experiência que teria. “Aproveitei as férias do fim de ano para conhecer o lugar. Soube de um espaço que abrigava borboletas e fiquei curiosa. É lindo!”, revela Tainara. O local é o borboletário José Márcio Ayres, uma das atrações no parque.



De terça a domingo, duas vezes por dia, a equipe do borboletário realiza a soltura de pelo menos quatro espécies de borboletas no espaço. O momento é muito aguardado pelos visitantes, que podem conhecer o processo de criação e reprodução dos insetos. “As borboletas são um dos primeiros seres a sentirem os efeitos da mudança no meio ambiente e, por isso, não é tão fácil encontrar espécies reunidas. Por isso as pessoas ficam tão interessadas assim que entram no borboletário e notam os movimentos e cores presentes”, explica Basílio Guerreiro, biólogo do parque zoobotânico. 
Foto: Divulgação

A soltura das borboletas não é apenas um atrativo visual. É o momento onde os insetos se reproduzem. Cada espécie coloca seus ovos em galhos de plantas específicas, que são espalhados em locais estratégicos, nas proximidades dos pontos de alimentação.“A equipe do borboletário recolhe esses galhos em caixas plásticas higienizadas para, depois, retirar e acomodar os ovos, que são recolhidos para a criação de novas espécimes”, esclarece Basílio.


Os ovos são transportados para a Sala da Metamorfose, um espaço próprio para o evolução do organismo do inseto. Na sala, os ovos dão origem a larvas, que são observadas e alimentadas até atingirem a fase de se tornarem crisálidas e, finalmente, borboletas. O processo de desenvolvimento até a fase adulta demora cerca de 25 dias.
Foto: Divulgação



Dependendo da espécie, cada borboleta produz, diariamente, entre 100 a 500 ovos. Desse total, a probabilidade é de apenas 2% estejam aptos para crescimento. “É um processo muito delicado. É preciso observar o controle da temperatura e da luminosidade, as condições da vegetação disponível, além das particularidades de cada espécie”, explica Basílio. O biólogo ainda afirma que a equipe precisa estar atenta todos os dias para qualquer variação ambiental, como ocorrências de chuvas fortes ou o comportamento atípico de outro animal presente no espaço.


Como o período de vida das borboletas costuma ser curto, elas imediatamente buscam iniciar o processo de alimentação e reprodução assim que são liberadas no borboletário. É o momento presenciado pelos visitantes. “Demonstramos para as pessoas que é preciso respeitar o ciclo de ovos, larvas e crisálida - que são fases desconhecidas ou até rejeitadas -  até chegarmos beleza das borboletas. A interação com o meio ambiente também é muito importante”, ressalta Basílio.



A visita ao borboletário oferece, além das noções da biologia do inseto, uma aula de educação ambiental. “Não sabia que as borboletas eram tão sensíveis às variações do clima e da vegetação. Isso mostra como nossas ações podem ter impactos na natureza que nem imaginamos”, reflete Tainara - acompanhada do marido, Emerson, e do filho recém-nascido, Carlos. Ao olhar para o bebê, a visitante revela um desejo. “Quando ele crescer, quero voltar aqui. Vai ser bom que ele tenha essa noção da natureza desde pequeno”.



Serviço



O Parque Zoobotânico Mangal das Garças funciona de terça a domingo, das 09h às 18h, exceto na segunda-feira, quando é feita a manutenção do parque.



A soltura das borboletas ocorre de terça a domingo, duas vezes ao dia: às 10h e às 16h, num período de 15 minutos.





A Portugalidade do Museu e Casa de Ferreira de Castro

É uma paisagem de muita tranquilidade e silêncio, aliás, era isso que prendia José Maria Ferreira de Castro, de fato a este lugar. A Casa Museu Ferreira de Castro localizada em Orssela, Freguesia de Oliveira de Azeméis, Portugal. Fora ali que nascera o escritor José Maria Ferreira de Castro.
Ferreira de Castro | Foto:Divulgação/Biblioteca Municipal Ferreira de Castro
Localizada junto a uma estrada de paralelepípedos e de tranquilidade e traçado rural, a casa só se distingui das demais, pelas placas relativas a homenagem de amigos e admiradores. No outro lado da rua, o que me traz boas lembranças, pois, aí estive gravando o programa Literatura em Foco, é de fato uma paisagem campestre, dominada pelo verde dos campos, a mesma a que se refere o autor de “A Selva”, com afeição em alguns de seus textos. Turistas e visitantes são convidados a contemplação do sol quente do final de tarde, amenizado pelo sopro do vento com o acompanhamento de cantos de grilos e de pássaros, raras vezes pelo ruído de um veículo.
Família | Foto:Acervo Pessoal/Abrahim Baze
José Maria Ferreira de Castro era conhecido pela sua preferência e naturalmente pela comunhão da natureza. Uma casa rústica com antigas portas de madeira, tendo ao seu lado esquerdo um pequeno jardim, onde era cultivado as rosas vermelhas. Ali encontra-se também, uma inscrição indicando a vivência do menino Ferreira de Castro. Continha também um pequeno curral, um pombal e um forno a lenha.
Carteira profissional de Ferreira de Castro | Foto:Acervo Pessoal/Abrahim Baze
A casa como sempre desde a sua inauguração como museu tinha como curadora a senhora Manoela Rodrigues, que com brilho nos olhos e sempre disposta a receber bem os visitantes. Foi a ela que o próprio escritor entregou as chaves da casa para que cuidassem e dela tomasse conta.
Ferreira de Castro no seringal | Foto:Acervo Pessoal/Abrahim Baze
Manoela Rodrigues é extremamente generosa inteligente e meiga. Manoela na sua intimidade com o escritor guarda a data de 05 de junho de 1974, pois, Ferreira de Castro esteve lá percorreu toda casa, como se estivera se despedindo. No primeiro piso têm uma adega e alguns utensílios agrícolas, uma prensa e uma salgadeira. O segundo piso é constituído por quatro compartimentos de pequenas dimensões, o que leva o visitante a perceber a origem humilde de um dos autores mais consagrados da literatura. Na cozinha existem as panelas da época seguida de uma sala cômoda com seu caldeirão e cadeiras palhas, armários e peças de decoração da época. Caminhando um pouco mais temos acesso a dois quartos, um do escritor e o outro de sua mãe Maria Rosa, porém, é nesse espaço que encontramos duas preciosidades, a mala e os sapatos em que o escritor fez uma viagem a volta do mundo era o ano de 1939 e que lhe permitiu escrever a obra “A Volta ao Mundo”. Escrevo com fortes lembranças de quando estive lá e porque não dizer com saudades.
Hospital Beneficente Portuguesa | Foto:Acervo Pessoal/Abrahim Baze
A Guarda do acervo na Biblioteca de Orssela
   

Mesmo em frente a Casa Museu está a Biblioteca projetada pelo arquiteto Gaspar Domingues, trata-se de um espaço extremamente convidativo a visitas. Foi construído em 1970, pelo próprio escritor com recursos que ganhou com o Prêmio Águia de Ouro Internacional, em Nice, na França e também doado a autarquia. Neste espaço está tombado o espólio do romancista, incluindo os livros da sua biblioteca particular e os manuscritos de “As maravilhas artísticas do mundo”. De acordo com site de Centro de Estudos Ferreira de Castro, como também destaca os escritores acadêmicos Robério Braga e Abrahim Baze, Ferreira de Castro imigrou para a Amazônia entrando pela cidade de Belém do Pará, com quatorze anos de idade, nesta ocasião José Maria Ferreira de Castro tinha apenas o curso primário.
Manaus | Foto: Acervo Pessoal/Abrahim Baze
Depois de sua saída do Seringal Paraíso já vivendo em Belém do Pará escreveu o romance “Criminoso por ambição”, que era vendido nos bares e cafés paraenses especialmente a noite, neste período já trabalhava como jornalista para jornal impresso em Belém do Pará.
Cais do Porto - Ver-o-peso, Belém do Pará | Foto:Divulgação/IBGE
Regressou a Portugal em 1919, dando continuidade a sua carreira de jornalista que abandonou em 1934, desgastado pela ação da censura, em Portugal. Em 1928, publicou o romance “Emigrantes”. Esta obra mostrou uma nova noção de humanidade do escritor. Em 1930, despontou com notoriedade com a publicação do romance “A Selva”, obra traduzida para vários idiomas. Em 1973, a Unesco, premiou esta obra entre os dez romances mais lido e mais traduzido. Ferreira de Castro ficou também conhecido como opositor ao Estado Novo, tendo denunciado os efeitos da censura, muito especialmente sobre os escritores portugueses.
Castilhos França, em Belém do Pará | Foto: Divulgação/IBGE
Após ter sofrido um acidente vascular cerebral, faleceu no dia 29 de junho de 1974. A seu pedido em vida foi sepultado numa encosta da Serra de Sintra, no caminho do Castelo dos Mouros. A Amazônia foi destaque no romance “A Selva” em toda a Europa pelo escritor, que também, teve sua história contada por dois filmes, o primeiro na década de setenta, cujo diretor executivo era Luiz Maximino de Miranda Corrêa Neto e, o segundo na década de noventa, com a participação da Rede Globo e duas produtoras, uma espanhola e uma portuguesa, ambos gravados em Manaus.


* Abrahim Baze é o autor da obra 'Ferreira de Castro - um imigrantes português na Amazônia', hoje na 3ª edição.


Especial de Natal: Estação das Docas terá extensa programação neste fim de semana

O fim de semana será animado na Estação das Docas, em Belém. Além da agenda cultural, com show gratuito de grupo regional, o espaço irá receber, dentro da programação especial de natal, a visita do Papai e da Mamãe Noel e apresentações de corais natalinos.



A extensa agenda tem início nesta sexta-feira (13), com o Grupo Mistura Regional, que levará o melhor do carimbó à orla do complexo, no projeto Pôr do Som, às 18h30.  Sábado (14), as 40 vozes do Coral Metropolitano de Belém e a visita especial do Papai e da Mamãe Noel prometem encantar o público da Estação, a partir das 17h.


No domingo (15), a programação especial de Natal continua com a apresentação do coral IDE, também às 17h. Toda as apresentações são gratuitas e irão ocorrer na orla do complexo.




Foto: Divulgação

Pôr do Som


Como em todas as sextas do ano, a roda de carimbó da Estação das Docas colocará o público para dançar com um show gratuito do Grupo Grupo Mistura Regional, nesta sexta-feira (13). A apresentação ocorre dentro do projeto Pôr do Som, às 18h30, na Orla do Armazém 3. O Mistura Regional foi fundado no bairro do Marco, em Belém, há 13 anos. Composto por cerca de 30 pessoas, entre músicos e dançarinos, o grupo traz no roteiro toadas, carimbó, danças tradicionais e lendas amazônicas.


Estação Natal


A Estação das Docas dará continuidade à extensa programação de Natal que teve início no dia 1º de dezembro e segue até o dia de natal (25). Neste sábado (14), as 40 vozes do Coral Metropolitano de Belém entoarão canções natalinas, na orla, de 17h às 18h. Também haverá uma visita especial do Papai e Mamãe Noel, que farão um cortejo pelo complexo e estarão disponíveis para fotos com as crianças no espaço decorado temático, montado no Armazém 2, até às 21h. Domingo (15), será a vez do Coral IDE se apresentar na Orla, de 17h às 18h. Todas as apresentações são gratuitas.Nos dias 24 e 25 de dezembro, o complexo terá um horário diferente: 24 de dezembro, das 10h às 18h e no dia 25, 10h às 2h, com programação especial.


Veja a programação de Natal na Estação:



Sábado (14):


Coral Metropolitano de Belém, 17h às 18h – Orla do Armazém 3.
Visita do Papai e Mamãe Noel , 17h às 21h – Orla e espaço decorado temático no Armazém 2.

Domingo (15):

Coral IDE, 17h às 18h – Orla do Armazém 3

21/12: Coral IDE, 17h às 18h – Orla do Armazém 3. Visita do Papai e Mamãe Noel, 17h às 21h – Orla e espaço decorado temático no Armazém 2.

22/12: Grupo Vocal e Banda Celebração, 17h às 18h – Orla do Armazém 3

25/12: Coral Infantil / Peça Teatral “O Natal de Fred” / Grupo de Flauta Doce / Grupo de Violão / Banda Mirim de Fanfarra “Entoando Alegria” – Escola Santa Maria Bertilla e Centro Social Martino Beltrame, 16h às 18h – Orla do Armazém 3