Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Domingo, 09 Mai 2021

Ana Maria Braga faz desabafo e desmente boatos ao vivo durante programa

Na manhã desta terça-feira (30), a apresentadora Ana Maria Braga pegou os fãs de surpresa e fez um desabafo ao vivo no programa 'Mais Você' (TV Globo). O motivo da reclamação é que estão correndo nas redes sociais que a loira planeja sair da emissora.

Otaviano Costa deixa a Rede Globo após dez anos; saiba o motivo

Com o fim da primeira temporada do "Tá brincando", Otaviano Costa optou por não renovar o seu contrato com a Rede Globo. Nas redes sociais, o apresentador apenas escreveu: "é verdade esse bilhete".

Aruanas: série da Globo gravada na Amazônia traz mulheres em investigação ambiental

A história de quatro mulheres que buscam salvar uma região da Amazônia de um desastre ambiental será retratada na série 'Aruanas', original da Globo e exclusiva para o Globoplay. A série de investigação ambiental foi apresentada na CCXP 2018, durante um painel na última sexta-feira (7), e tem estreia prevista para 2019.

A história, com cenas gravadas na Amazônia, acompanha três amigas que formam a ONG Aruana e vão investigar a ação de uma mineradora na Floresta Amazônica. Com uma narrativa ágil e dramática, as personagens buscam investigar uma denúncia de que as atividades da mineradora causaram aumento de doenças neurológicas em uma cidade da região.
 
Foto: Fábio Rocha/Reprodução/Globo 
As atrizes Leandra Leal, Taís Araújo, Débora Falabella e Camila Pitanga vão protagonizar a trama, que conta com direção artística de Carlos Manga Jr e autoria assinada por Estela Renner e Marcos Nisti.

Amigas se unem contra desastre ambiental

Com vocação para a militância ambiental desde a infância, as personagens principais de Aruanas têm seus papéis bem definidos: a ativista que cria o ato, a jornalista que o divulga e a advogada que resolve as enrascadas. Com uma nova investigação em curso, uma fonte anônima promete provas contra a mineradora KM no aumento de doenças neurológicas em uma cidade à margem da Floresta Amazônica.

Na trama da nova série da Globo, a ativista tem um encontro marcado com o denunciante para pegar o dossiê com as provas, porém, precisa desmarcar porque recebeu a notícia de que seu filho está doente. Ao ligar para adiar a reunião com o intermediário, um celular toca no seu porta-malas e lá ela encontra um corpo.

Confira as primeiras imagens divulgadas da série 'Aruanas'

Longe dali, a jornalista está na sede da ONG e encontra, dentro da despensa, uma voluntária chorando, que em seguida lhe confidencia seus dramas pessoais. Comovida, a jornalista agora tem uma nova estagiária e a série ganha mais uma personagem principal.

Sem o dossiê e com o intermediário morto, o quarteto de mulheres vai enfrentar o silêncio da população local, o carisma do presidente da KM e o inabalável prestígio da empresa que, praticamente, sustenta a economia do lugar. Elas irão seguir o rastro do mercúrio, a mais provável causa das estranhas doenças, e não encontrarão o menor vestígio.

Leia também: Mercúrio: metal que matou centenas no Japão afeta peixes e pessoas na Amazônia

Ação, aventura e mistério constroem esse thriller ambiental, à medida que essa equipe entende, finalmente, que o mercúrio pode até ser a causa das enfermidades, mas o vilão da história é outro metal, bem mais nobre. O ouro criou ao seu redor uma rede de corrupção, trabalho escravo, prostituição, miséria e mortes.

Jô Soares nega retorno ao SBT em 2017: "não existe a possibilidade"

O apresentador Jô Soares negou que tenha assinado um contrato com o SBT. De acordo com o colunista Leo Dias, do jornal 'O Dia', Jô iria para a emissora de Silvio Santos em 2017, mas ele logo tratou de desmentir os boatos.


Foto: Divulgação
Em entrevista ao 'Estadão', o apresentador garantiu que não está de mudança, apesar de deixar a telinha após o fim de seu programa na Globo, em dezembro. "Não existe a menor possibilidade de isso acontecer", afirmou. Saiba mais no iBahia.

Musa fitness Gabriela Pugliesi lança livro de autoajuda

Foto: Divulgação/iBahia

A rainha fitness brasileira, Gabriela Pugliesi, vai deixar de ser apenas um modelo a ser seguido nas redes sociais e também vai dar dicas de felicidade e sabedoria em um livro que será lançado por ela, segundo a coluna Gente Boa, do jornal O Globo.

A dona de um dos abdomes mais trincados das redes sociais vai dividir com o Brasil inteiro, o que já faz com seus mais de três milhões de seguidores. O livro vai se chamar "A vida é mara" e vai trazer pílulas de autoajuda, quase um "Minutos de Sabedoria" da musa fitness. Entre as dicas, frases como “Ninguém vai fazer por você. Levante-se, agradeça e faça!”. Agora é só esperar ser publicado. A coluna não divulgou a data de lançamento.

Nathalia Dill fala de gêmeas de 'Rock story'

Foto: Divulgação/iBahia
Ao longo da vida, Nathalia Dill já fez balé clássico, jazz, pilates, capoeira e até acrobacia. Tanta preparação e elasticidade serviram para que ela se jogasse rumo a personagens sem rede de proteção. Em “Rock story”, próxima trama das sete, não será diferente, e a atriz vai se lançar com tudo na pele das protagonistas gêmeas."Júlia é a mocinha, tem a alma bonita, é doce, delicada, acredita nas pessoas. Já a irmã, Lorena, tem outra índole. É um pouco mais ambiciosa, quer ganhar mais o mundo", adianta. No decorrer da novela, com estreia prevista para 9 de novembro, Júlia acabará envolvida numa armação do namorado, vivido por Caio Paduan. Ela transportará drogas na mala sem saber e acabará perseguida pela polícia, acusada de tráfico. Quando ela se tornar fugitiva, assumirá a identidade da gêmea idêntica."No início da novela, Lorena estará em Nova York. Depois, retorna e o bicho vai pegar", empolga-se a atriz. As diferenças entre as duas personagens não estão apenas na personalidade, mas também no aspecto físico. Nathalia vem sofrendo com as mudanças constantes no cabelo, feitas pela caracterização. "Foram três transformações num curtíssimo tempo: a Júlia de antes; a enganada, quando ela tinge os cabelos no banheiro para fugir; e a Júlia que finge ser Lorena. Quando mudei para o louro, achei estranho, mas, uma semana depois, já estava amando. Daí pintei de novo e odiei. É quase um luto", brinca ela, que em “Liberdade, liberdade” estava ruiva.Na nova história, Júlia acabará se envolvendo com Gui (Vladimir Brichta) e formando um triângulo com a personagem de Alinne Moraes. "Gui está separado da mulher e vive um momento delicado, é um artista decadente. Primeiro, surge uma amizade e só depois eles se apaixonam. No momento errado, na hora errada, mas amor é isso, a gente não escolhe ano, data ou pessoa". Por falar em amor, Nathalia está com saudade do namorado, Sergio Guizé, com quem está há dois anos desde que contracenaram em “Alto astral’’ (2014). É que o ator filma em Paris o longa “Tudo bom, tudo bem”, de Willy Biondani."Matamos a saudade pelas redes sociais", confessa a atriz, que curte a abordagem carinhosa ao casal nas ruas: "é um amor muito grande, né? Acho natural as pessoas perguntarem, principalmente depois da novela". Aos 30 anos, Nathalia diz que ainda não é o momento de se tornar mãe, mas deixa transparecer que a decisão de engravidar não está tão distante: "a mulher tem a coisa do relógio biológico, que é mais cruel. Quando você começa a trabalhar e evoluir, esse tempo vem chegando. Mas ninguém está totalmente preparado para uma gravidez, nem mesmo quem teve cinco".

Fernanda Gentil exclui colegas de trabalho do Facebook após assumir namoro, diz colunista

Em uma nova fase da vida após falar abertamente sobre o seu relacionamento com a jornalista Priscila Montandon na última sexta-feira (3), Fernanda Gentil quer ser rodeada de novos amigos, e para isso a apresentadora fez uma limpa nas redes sociais. De acordo com o colunista Léo Dias, para o jornal 'O Dia', Fernanda excluiu alguns colegas de profissão do seu perfil no Facebook. 

Foto: Reprodução
A publicação não revela o que motivou Fernanda - que sofreu ataques homofóbicos após assumir o namoro - a excluir os colegas da sua rede social.
Fernanda conversou com chefe da Globo antes de falar publicamente sobre relacionamento
Antes de falar sobre a sua relação com a jornalista Priscila Montandom, a apresentadora do 'Esporte Espetacular' teria consultado o seu chefe direto para debater a decisão. As informações são do colunista de TV Maurício Stycer, que afirma que a conversa aconteceu um dia antes do anúncio. Saiba mais no iBahia.

Reality ficcional Supermax estreia hoje com suspense, drama e ação

Foto: Divulgação/Agência Globo
Não se engane. "Supermax", série que estreia cercada de expectativa na terça-feira, às 23h20m, na Globo, pode parecer, mas não é um reality show. Logo no primeiro episódio, 12 pessoas são confinadas num presídio de segurança máxima desativado na Amazônia para disputar um prêmio de R$ 2 milhões. O jornalista Pedro Bial - que comandou 16 edições do reality de verdade "iBig Brother Brasl" - recepciona o grupo e explica as regras do jogo.

Em comum, todos os participantes já tiveram problemas com a Justiça, conta o apresentador, que só aparece em monitores, como no "BBB". À medida que a história avança, os protagonistas e o público percebem que a sorte mudou e que as coisas não são bem como todos imaginam. Depois de perderem contato com a produção do programa, eles não terão mais que lutar pelo prêmio, e sim pela própria sobrevivência - num clima semelhante ao da franquia cinematográfica "Jogos vorazes'' (2012).

Durante os 12 episódios - os 11 primeiros já foram disponibilizados para os assinantes da Globo Play, plataforma de vídeos da emissora -, as coisas saem do controle e eventos bizarros acontecem, como o surgimento de criaturas sobrenaturais. Haverá muito sangue e mortes na prisão de três andares e 800 m² montada em um galpão no Projac.

"Supermax" reúne gêneros pouco explorados na teledramaturgia brasileira, como terror e suspense. Escrita por nove roteiristas, a série seguiu o conceito das writting rooms das séries americanas, esquema de trabalho coletivo que dá origem a textos e tramas criados por muitas cabeças.

- Chamamos pessoas ligadas aos seriados e aos universos da literatura e do cinema. A gente queria uma história que fosse contada com poucas palavras e mais imagens - conta José Alvarenga Jr., diretor da produção junto com o cineasta José Eduardo Belmonte, de "Alemão" (2014).

Além de dirigir, Alvarenga é um dos criadores do programa. Inicialmente, ele recrutou os roteiristas Fernando Bonassi e Marçal Aquino, com quem trabalhou nas séries policiais "Força-Tarefa" (2009) e "O caçador" (2014). Juntos, escreveram a sinopse dos 12 episódios. Posteriormente, chefiaram a sala de roteiristas.

- Na TV, eu ainda não tinha trabalhado com nada que não fosse policial. Chamo "Supermax" de projeto transgênero. Começa como reality, vira suspense, passa pelo policial e chega ao terror - fala Marçal Aquino.

Para compor o time de roteiristas foram chamados os autores Bráulio Mantovani, Carolina Kotscho, Dennison Ramalho, Juliana Rojas, Raphael Draccon e Raphael Montes.

Cria do cinema, Bráulio Mantovani, que assina roteiros de filmes como "Cidade de Deus" (2002) e "Tropa de elite" (2007), detalha o processo de criação:

- Alvarenga coordenava o trabalho. Fernando e Marçal filtravam as ideias que jogávamos na mesa. Em certos momentos, uma ideia que parecia boa, mas logo era desmontada pelos criadores por não se encaixar no conceito da série. Os personagens já tinham sido criados, a trama principal estava clara, mas eles sempre tiveram uma atitude aberta. E aceitavam facilmente novidades que de fato contribuíam para melhorar o que já tinham feito. 
Foto: Divulgação/Agência Globo
Escritor, roteirista, dramaturgo e cineasta, Fernando Bonassi diz que "Supermax" ganhou outro contorno na sala de criação coletiva:

- Ainda acho que é possível ser original, mesmo na TV aberta. A gente inventou um monte de loucura, que só se sustentaria com efeitos especiais, por exemplo. Não são coisas que estamos acostumados a lidar, mas dá para vender "Supermax" para qualquer mercado estrangeiro e não passar vergonha.

Na história, há até um diabo criado em 3D para uma das cenas. Vindo da publicidade, André Faccioli, da O2 Filmes, assina a fotografia da série. Especializado em histórias de terror, o diretor e roteirista Dennison Ramalho conta que ele, Raphael Draccon e Juliana Rojas (todos com trabalhos que exploram narrativas fantásticas) contribuíram mais com as "ideias demoníacas".

- Como toda narrativa de confinamento, podemos esperar disputas renhidas pela liderança do grupo. Mas todas parecerão briguinhas de escola frente a males mais poderosos. São horrores que nem o mais astuto dos participantes está pronto para encarar - promete.

Autor da série de livros "Dragões de éter", Raphael Draccon conta que eles também foram responsáveis pelas cenas mais violentas.

- Ao assistir aos primeiros episódios ninguém faz ideia dos elementos sobrenaturais que ainda virão pela frente - avisa.

A motivação por trás dos tais acontecimentos sobrenaturais será explicada ao longo da série. Cenas de flashback ajudarão a contar o passado de cada um dos personagens.

- Não fomos loucos de pirar totalmente. Precisamos seguir uma dramaturgia da TV aberta - diz o escritor e colunista do GLOBO Raphael Montes, autor de livros como "Suicidas" e "Dias perfeitos". - Em geral, a melhor ideia na sala de reuniões não era de uma pessoa específica, era uma soma.

Em seu primeiro trabalho para a TV, a cineasta e roteirista Juliana Rojas, de filmes como "O duplo" (2012) e "Um ramo" (2007), conta que um dos maiores desafios foi criar um arco dramático para cada um dos personagens.

- Todos são complexos - completa ela.

Os 12 personagens confinados são protagonistas. O elenco tem poucos nomes conhecidos do grande público - caso de Cleo Pires e Mariana Ximenes, que também podem ser vistas na novela "Haja coração", e Erom Cordeiro. Os atores Bruno Belarmino, Nicolas Trevijano, Ademir Emboava, Maria Clara Spinelli, Rui Ricardo Diaz, Fabiana Gugli, Mario César Camargo, Vania de Brito, e Ravel Andrade completam o grupo.

Saiba mais no iBahia.